Evidências em novos documentos encontrados expõem cumplicidade entre governos argentinos e do Terceiro Reich

blank

blankA Delegação de Associações Israelitas Argentinas (DAIA) vem investigado há anos, este assunto de uma época sombria da história Argentina. A instituição tenta vincular os documentos achados para que comprovem a colaboração entre o governo argentino e a cúpula do Terceiro Reich, nos anos 30 e 40. O Terceiro Reich ou Nazismo, são nomes dados ao movimento criado por Adolf Hitler na Alemanha durante o período compreendido de 1933 a 1945. O presidente argentino, Mauricio Macri, entregou recentemente mais de 70.000 páginas de documentos digitalizados ao primeiro ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

O presidente da DAIA, Alberto Indij, explica que “a DAIA fora criada em 1935 perante o crescimento da influência nazista na Argentina, quando há anos Hitler já falava do renascimento de uma nova Alemanha onde só haveria lugar para a raça ariana”. Em 10 de abril de 1938, o então presidente argentino, Roberto Ortiz, autorizou a realização do maior movimento pró-nazismo fora do território alemão, que contou com 15 mil simpatizantes, ato este que foi considerado como primeiro passo para uma relação de cumplicidade entre ambos os países. 

Indj ressalta ainda que “entre os arquivos, que abrangem o período de 1936 até 1947, foram encontradas diversas evidências de que os distintos governos argentinos colaboraram com o regime nazista, adotando medidas antissemitas e de proteção aos soldados e líderes do Terceiro Reich”. Em um arquivo da época, teria sido encontrado um documento classificado como “confidencial”, o qual é referente a um acordo firmado pelos dois governos em 1938, onde a Argentina negaria visto a pessoas indesejadas, o que na ocasião se referia aos refugiados europeus, que em grande número eram compostos por judeus. 

Com relação ao assunto, a diretora do Centro de Estudos Sociais da DAIA, Marisa Braylan, afirma que “a tarefa será difícil devido a grande quantidade de material, mas que de todo modo antes do final do ano, haverá a informação sobre o tipo de fontes encontradas e o cálculo estimado do que faltaria consultar”, ressaltando que “a recuperação de fontes históricas reafirma a realidade da época”. Na tentativa de descobrir a ligação do governo argentino com o Terceiro Reich e após a conclusão da análise dos documentos, a DAIA pretende demonstrar, de fato, os vínculos e colaboração entre os dois governos na época.

*Com informações de agências de noticias internacionais

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here