Execício Keen Sword: Japão da início ao maior exercício militar de sua história com participação dos EUA

O porta-aviões USS Ronald Reagan, juntou-se a destróieres japoneses e a navios da Marinha do Canadá, para o maior exercício militar conjunto, para testar a prontidão para o combate já realizado no Japão. O Japão e Estados Unidos mobilizaram cerca de 57 mil militares entre marinheiro, fuzileiros navais e aviadores navais para o exercício bienal de “Keen Sword”. Este ano, o exercício conta com 11 mil militares a mais do que em 2016. Caças norte-americanos realizarão simulações de combate aéreo, aterrissagens e exercícios de defesa de mísseis. O contingente japonês de 47 mil militares representa um quinto das forças armadas da nação.

“Estamos aqui para estabilizar e preservar nossa capacidade, caso seja necessário. Exercícios conjuntos como o de Keen Sword, são exatamente o tipo de coisa que precisamos fazer para testar a nossa prontidão para o combate”, disse o contra-almirante Karl Thomas, comandante do grupo de ataque, durante entrevista coletiva concedida a bordo do porta-aviões, enquanto ao mesmo tempo que os caças F/A-18 Super Hornet eram lançados. Oito outros navios juntaram-se ao porta-aviões para exercícios de guerra anti-submarinos, em uma demonstração de força na região que, Washington e Tóquio temem estarem cada vez mais sob influência chinesa.

Leia mais sobre: EUA e Japão iniciam exercício ‘Keen Sword’, que visa testar a prontidão de combate na região

Um navio de abastecimento canadense também participou do exercício “Keen Sword”, junto com uma fragata que zarpou ao lado do USS Ronald Reagan no sábado. A participação canadense leva o exercício bilateral que começou em 1986 “para o campo dos exercícios multilaterais”, disse o adido de defesa do Canadá no Japão, capitão Hugues Canuel, em Tóquio. A participação neste exercício, acrescentou, reflete o desejo do Canadá de ter presença militar na Ásia. O crescente interesse estrangeiro na segurança da Ásia, incluindo no desenvolvimento de armas nucleares e mísseis balísticos pela Coreia do Norte, coincide com o maior desejo do Japão de apoiar sua diplomacia regional com uma demonstração de força militar.

*Com informações da agência de notícias Reuters
*Adaptação: DefesaTV



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here
Enter the text from the image below