Exército Brasileiro celebra o Dia da “Rainha das Armas”

Caracterizada, desde o início, pelo combate aproximado, ela tem evoluído e se mostrado indispensável aos conflitos atuais, comprovando, assim, o porquê de ser denominada “Rainha das Armas”.

A Arma dos bravos, que desafia o terreno, que desafia as adversidades climáticas e que vai de encontro ao inimigo, celebra sua data máxima. Hoje, dia 24 de maio, comemora-se o Dia da Arma de Infantaria, tão antiga quanto a própria guerra.

A Infantaria tem como característica essencial a aptidão para combater a pé, em todos os tipos de terreno e sob quaisquer condições meteorológicas, podendo utilizar variados meios de transporte.

Sua missão básica é conquistar e manter o terreno, aproveitando a capacidade do infante de progredir em pequenas frações, difíceis de serem detectadas em todos os tipos de terreno. Na defensiva, mantêm o terreno e contra-ataca.

No século 20, nossos infantes integraram a Força Expedicionária Brasileira (FEB), durante a II Guerra Mundial. A 1ª Divisão de Infantaria Expedicionária (1ª DIE) conquistou o respeito de aliados e adversários com vitórias alcançadas em território europeu, como a de Monte Castelo e a de Montese.

Os infantes brasileiros podem ser encontrados na Amazônia, no sertão nordestino, nos pampas, nas montanhas, no pantanal, nos montes. Em qualquer lugar, não importa quão longe esteja. Basta que haja uma missão.

O dia 24 de maio

Essa data foi escolhida em homenagem ao seu Patrono, o Brigadeiro Antônio de Sampaio. Filho de Antônio Ferreira de Sampaio e Antônia Xavier de Araújo, nasceu em uma família humilde, no dia 24 de maio de 1810, em Tamboril, Ceará.

Ainda jovem, aos 20 anos de idade, alistou-se voluntariamente como praça no então 22º Batalhão de Caçadores, em Fortaleza, e alcançou, por mérito, todos os postos da carreira.

Sua principal atuação foi na Guerra do Paraguai, já como Brigadeiro, quando comandou a 3ª Divisão do Exército Imperial, a famosa Divisão Encouraçada, a qual possuía, em suas brigadas, os tradicionais Batalhões Treme-Terra, Arranca-Toco e Vanguardeiro.

Os herdeiros dos valores de Sampaio labutam, diuturnamente, nos exercícios e nas operações, nos mais longínquos rincões do País. As Unidades de Infantaria especializaram seus meios e recursos conforme destinações específicas, para melhor aplicarem o poder militar disponível.

Os quarteis de Infantaria Motorizada, Blindada, Mecanizada, Paraquedista, Leve, de Selva, de Montanha, de Caatinga, de Fronteira (Pantanal), de Caçadores, de Polícia do Exército e de Guarda são exemplos da versatilidade da Rainha das Armas, que recebe esse título em referência à rainha do tabuleiro da guerra, que se move em todas as direções.

Nobres infantes, espelhem-se em seus heróis do passado, tragam o orgulho para as gerações futuras, demonstrando os valores de Sampaio incrustados em todos os integrantes da Rainha das Armas, e mantenham vivo o espírito imortal da Infantaria!

Infantes do Brasil,
orgulhem-se do seu passado de vitórias,
de Guararapes aos Apeninos,
de Montese a Cité-Soleil,
e continuem elevando as tradições
e o espírito imortal da Rainha das Armas,
com o ânimo e o ardor característicos do Pé de Poeira!

  • Com informações do Exército Brasileiro


1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here
Enter the text from the image below