Exército Brasileiro e o programa de aquisição de viatura blindada de cavalaria

A aquisição dessas novas viaturas, tem como objetivo, a substituição da Viatura Blindada de Cavalaria (VBC) EE-9 Cascavel.

blank
Viatura Blindada de Cavalaria (VBC) EE-9 Cascavel, durante atividade do Dia da Cavalaria, na Academia Militar das Agulhas Negras. Maio 2018. Foto: Anderson Gabino

Sobre a matéria que publicamos no dia 12 de maio, intitulada: “Exército Brasileiro inicia processo de aquisição de nova viatura blindada de Cavalaria“, fomos buscar informações mais sólidas sobre este evento.

A Diretoria de Material (D Mat), é a responsável pela gestão do ciclo de vida dos materiais de várias Classes, onde a seção IX (Motomecanização e Blindados) é específica para aquisição de viaturas.

A D Mat deu inicio ao trabalhos de aquisição para uma nova viatura blindada de Cavalaria, que tem como objetivo, a substituição da Viatura Blindada de Cavalaria (VBC) EE-9 Cascavel.

O Request for Information (RFI), Nº 01/2021, já foi emitido através do Escritório da Comissão Militar em Washington (CEBW), onde foi determinado que as novas viaturas serão de: “combate, sobre rodas, com o tipo de armamento a ser definido”, conforme resposta do Centro de Comunicação Social do Exército (CCOMSEx), ao questionamento da DefesaTV.

Este programa estava originalmente dentro do Programa Nova Couraça, publicado por meio da PORTARIA N º 162-EME , DE 12 DE JUNHO DE 2019 e posteriormente transformado em Programa Força Blindada, para aquisição de um blindado 8X8 armado com canhão de 105/120mm.

Os estudos iniciais nasceram junto com o Programa Guarani, e visava o desenvolvimento de uma viatura dentro do Programa Nova Família de Blindados de Rodas (NFBR), a fim de integrar as ações de revitalização dos meios blindados disponíveis na Força e a aquisição de seus substitutos.

O CCOMSEX informou ainda, que mais de 30 solicitações de documentos foram feitas à Gerência do Projeto para prospecção do mercado, e que como o processo de aquisição ainda está em aberto, não se pode divulgar quais empresas foram.

Empresas como o Consórcio Iveco-Oto Melara; da General Dynamics Mission Systems (GDMS);  da North Industries Group Corp (Norinco); da Patria; do conglomerado: Krauss-Maffei Wegmann, Rheinmetall Military Vehicles e Rheinmetall Defense Nederland; da Elbit Group, além de empresas Turcas e do Emirados Árabes Unidos, foram mencionados, mas qualquer nome dito neste momento é tratado pelo EB, como mera especulação.