Exército Brasileiro irá produzir remédio que pode vir auxiliar no tratamento contra o CoronaVírus

blank
Foto: Sd Nóbrega - CML

O presidente da República, Jair Bolsonaro, anunciou neste sábado (21) que o Exército Brasileiro (EB), por meio do Laboratório Químico Farmacêutico do Exército (LQFEx) irá intensificar a produção de cloroquina em seus laboratórios.

Estudos sobre o medicamento no enfrentamento aos efeitos do novo corona vírus, ainda são de natureza preliminares, e sem comprovação quanto à eficácia e segurança do remédio contra a doença.

A decisão, segundo o presidente, foi tomada após ele tomar conhecimento de que o Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, começou a analisar os efeitos da substância.

“Agora há pouco os profissionais do Hospital Albert Einstein me informaram que iniciaram um protocolo de pesquisa para avaliar a eficácia da cloroquina nos pacientes com Covid-19”, afirmou o presidente.

Em razão dos estudos do hospital israelita, o presidente disse que decidiu, com o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, ampliar a fabricação da hidroxicloroquina (ou cloroquina) nos laboratórios químicos e farmacêuticos da Força.

“Decidimos que os laboratórios químicos e farmacêuticos do Exército devem ampliar imediatamente a produção desse medicamento”, afirmou o presidente em vídeo publicado nas suas redes sociais.

Sobre o LQFEx

O LQFEx tem suas origens de criação junto a chegada da corte portuguesa ao Brasil em 1808. O Decreto de 21 de maio de 1808, assinado pelo Príncipe Regente, D. João VI, criou a Botica Real Militar, situada no Hospital Militar e da Marinha, localizado no antigo colégio dos Jesuítas, no Morro do Castelo.

Em 1877, a Botica Real Militar mudou sua denominação para Laboratório Chimico Pharmaceutico, sendo o Alferes Farmacêutico Augusto César Diogo nomeado seu primeiro Diretor. 

Por meio do Decreto n° 15.230, de 31 de dezembro de 1921, o Serviço de Saúde do Exército foi regulamentado e o Laboratório novamente reestruturado, tendo seus encargos ampliados, com o fim de adquirir, fabricar e fornecer compostos químicos e farmacêuticos aos Serviços de Saúde do Exército, dentre outras atribuições (art. 554).

Em 20 de julho de 1943, seguindo as determinações do Aviso n° 1.797, o estabelecimento mudou sua denominação para Laboratório Químico Farmacêutico do Exército (LQFEx), nome que se mantém até os dias atuais.

Teve grande participação ao longo de sua existência com o suprimento de medicamentos e material de uso hospitalar em missões no exterior: Guerra da Tríplice Aliança (1865-1870), 1ª e 2ª Guerras Mundiais. Sua missão era fornecer medicamentos necessários para as unidades de saúde e corpos de tropa.

Nos dias atuais, completamente integrado à sistemática de distribuição de medicamentos da Força Terrestre e ciente de suas responsabilidades junto à Família Militar, o LQFEx vem buscando inovação, criatividade e superação.

O LQFEx recebeu recentemente o Selo Verde-Oliva de Sustentabilidade. Criado pela Portaria Nº 055-DEC, de 31 de agosto de 2018, o selo é concedido a Organizações Militares que atendam mais que 90% dos requisitos das listas de verificação geral e especifica, nas três fases da conformação, onde são analisados procedimentos de prevenção e mitigação de impactos ambientais, previstos na legislação Federal, Estadual e Municipal aplicáveis a produção de fármacos e a atividade militar.

O procedimento de verificação compreendido pela CONFORMAÇÃO INTERNA , realizada pela Seção de Meio Ambiente (SMA) , CONFORMAÇÃO REGIONAL realizada pela Seção de Patrimônio Imobiliário e Meio Ambiente da 1º Região Militar (SPIMA 1ºRM) e a CONFORMAÇÃO NACIONAL realizada pela Diretoria de Patrimônio Imobiliário e Meio Ambiente (DPIMA) , atestou a excelência na Gestão Ambiental e no atendimento dos requisitos de Sustentabilidade pelo Laboratório Químico Farmacêutico do Exército (LQFEx).