Exército Brasileiro no combate à proliferação da COVID-19

O coronavírus é uma família de vírus que causa infecções respiratórias. A doença, chamada de COVID-19, surgiu na China no final do ano passado e se alastrou por todo o mundo, provocando mortes e incertezas para os cientistas e profissionais de saúde de países mais desenvolvidos na área da Medicina como EUA, França, Israel, China e Alemanha.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) caracterizou o evento como pandemia pelo fato da doença estar amplamente disseminada em todos os continentes atualmente.

É uma doença sem precedentes para a qual o mundo enfrenta o desafio de encontrar um remédio ou uma vacina de forma a reduzir o isolamento social tão necessário para se evitar um grande número de pessoas doentes, o que causaria colapso do sistema de saúde de qualquer país.

Países como Itália, Espanha e França estão no ápice da crise epidemiológica e apresentam saturação em seus sistemas de saúde, já que a Europa é o centro da pandemia nos dias atuais. Já o Brasil vem aprendendo com as lições ocorridas nos primeiros países que sofreram com a doença como China, Coréia do Sul e a própria Itália.

Nota-se que quase todos os países estão enfrentando a pandemia com a diminuição da circulação de pessoas nas ruas das cidades, já que a doença é altamente transmissível e invisível, permanecendo dias em uma pessoa assintomática, mas com capacidade de disseminação para outras ao seu redor.

Ressalta-se, ainda, a necessidade das nações buscarem soluções que aliem isolamento social com a não destruição da sua economia ou que evite falta de abastecimento para a sua população.

Todos os países que se encontram no enfrentamento do vírus estão empregando as suas Forças Armadas para ajudar na crise com vistas a realizar o controle da transmissão. No Brasil, essa assertiva não será diferente.

As Forças Armadas, particularmente o Exército Brasileiro, não se furtarão, mais uma vez, em ajudar a nação neste momento de crise. A expertise em lidar com problemas inéditos e complexos demonstra a capacidade técnica-profissional da Instituição em participar do processo de combate ao vírus.

Algumas decisões no Ministério da Defesa e no Exército Brasileiro, como a emissão de Diretrizes iniciais para a prevenção à doença e normatização de protocolos de ações, já foram realizadas e estão em prática.

Essas normas foram fundamentais para a proteção do militar e de seus familiares, sendo práticas em consonância com as orientações emanadas pelo Ministério da Saúde.

A Portaria n º 334, de 20 de Março de 2020, do Comandante do Exército, designou os Comandantes dos Comandos Conjuntos da Operação COVID-19, o que facilitará o comando e controle das missões específicas a serem realizadas nas áreas de atuação preestabelecidas.

Uma série de missões poderá ser solicitada por órgãos do Poder Executivo, Legislativo ou Judiciário, por intermédio do Ministério da Defesa, como a ajuda aos órgãos de segurança públicas locais; a montagem e operação de hospitais de campanha, a descontaminação de locais e materiais, o controle da circulação de pessoas nas ruas; o apoio na área médica e científica; o estudo de pesquisa conjunta com outros órgãos e a fabricação de medicamentos para um tratamento eficaz; a Garantia da Lei e da Ordem em grandes centros urbanos; a ajuda em campanhas de doação de sangue; a possível distribuição de medicamentos ou ajuda em futuras campanhas de vacinação; a garantia no abastecimento de itens básicos para a população, dentre outras.

Percebe-se que o desafio será imenso, porém a tenacidade do Soldado de Caxias está pronta a manter a esperança da população brasileira e, com perseverança e responsabilidade, ajudará o Brasil a vencer o obstáculo que ora se apresenta.

A presença de pessoal especializado e capacitado será fator de sucesso nas missões que se apresentarão. O Soldado Brasileiro será valente e incansável nesta empreitada, comunicando os valores e as tradições do nosso Exército.

Por fim, o sucesso do País no enfrentamento da doença passará pela participação efetiva das Forças Armadas e particularmente do Exército Brasileiro nas missões que se apresentarão.

Brasil Acima de Tudo!

  • Fonte: E-Blog
  • O autor do artigo, Sr° Maurício José Lopes de Oliveira, é O autor é oficial da Arma de Artilharia e foi formado pela Academia Militar das Agulhas Negras no ano de 1999. Realizou o Curso de Comando e Estado-Maior do Exército (ECEME) nos anos de 2014-2015. Após o curso da ECEME, foi instrutor da Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais (ESAO) nos anos de 2016-2017, quando foi designado para ser Assessor no Colégio Interamericano de Defesa, em Washington D.C., Estados Unidos da América. Atualmente, o militar é instrutor da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército (ECEME).


Receba nossas notícias em tempo real pelos aplicativos de mensagem abaixo:

 

Caso deseje conversar com outros usuários escolha um dos aplicativos abaixo:



Assine nossa Newsletter


Receba todo final de tarde as últimas notícias do DefesaTV em seu e-mail