Exército chinês deve estar pronto ante situação de segurança instável com outras nações, diz Xi Jinping

A atual situação de segurança de nosso país é muito instável e incerta

blank
A China quer ter um “exército de classe mundial” até 2050. Foto: AFP

Nesta terça-feira (9), o presidente chinês Xi Jinping afirmou que os militares precisam “estar prontos” ante uma situação de segurança “instável” com outras nações. “A atual situação de segurança de nosso país é muito instável e incerta”, afirmou Xi, ao jornal South China Morning Post.

“Todo o exército deve coordenar a relação entre capacitação e prontidão de combate, estar preparado para responder a uma diversidade de questões complexas e difíceis a qualquer momento, mantendo firmemente a soberania nacional, os interesses de segurança e desenvolvimento, e fornecer um forte apoio para a construção abrangente de um estado socialista moderno”, enfatizou.

No sábado (6), o ministro da Defesa da China, Wei Fenghe, afirmou que o gigante asiático se encontra em um momento de grandes riscos para a segurança nacional, pelo que o setor militar deverá aumentar sua capacidade de prevalecer contra “inimigos fortes”.

“Estamos lidando com grandes desafios na defesa nacional […] e devemos aprimorar de forma abrangente o treinamento militar e a preparação para combate, com o objetivo de elevar nossas capacidades estratégicas e prevalecer sobre nossos inimigos fortes”, afirmou.

Na última semana, o ministro das Relações Exteriores chinês, Wang Yi, pediu ao presidente dos EUA Joe Biden para reverter as políticas da administração Trump sobre Taiwan.

O chanceler chinês sublinhou que há determinadas questões em que as relações entre os dois países deveriam se basear no princípio de não interferência em assuntos domésticos e respeito à soberania nacional.

Wang descreveu Taiwan como uma “linha vermelha” que não deve ser ultrapassada, e aconselhou a Casa Branca a abdicar da relação com a ilha, reforçada pela administração Trump.

Nos últimos anos, as relações sino-americanas têm se deteriorado devido à guerra econômica, tensão geopolítica no mar do Sul da China, conflitos ideológicos e acusações vindas de Washington de abuso de direitos humanos em Xinjiang e Hong Kong.

  • Com agências internacionais

Comments are closed.