Força Aérea de Israel destrói instalações do Hamas em Gaza após ataque contra guardas de fronteira

blank
Imagem dos ataques da IDF em Gaza. Via redes sociais.

As Forças de Defesa de Israel realizaram ataques aéreos contra alvos na Faixa de Gaza na madrugada de 23 de agosto. O ataque foi uma resposta ao lançamento de balões incendiários que causaram incêndios na região da fronteira israelense e também como resposta ao ataque contra guardas de fronteira, que deixou um soldado gravemente ferido e que está em estado crítico.

De acordo com o relatório do IDF, os ataques atingiram uma fábrica de armas do Hamas na cidade de Khan Younis, no sul, a entrada de um túnel terrorista em Jabaliya e um lançador de foguetes subterrâneo localizado perto de uma escola na região de Shejaiya.

Nenhuma vítima foi relatada, mas os ataques resultaram em danos materiais. A situação em Gaza tem piorado desde a semana passada.

No início de 21 de agosto, as FDI realizaram uma série de ataques intensos na Faixa de Gaza palestina, tendo destruído quatro depósitos de armas e oficinas do Movimento Hamas. Em resposta, facções palestinas atacaram o assentamento israelense próximo de Sderot com metralhadoras pesadas. Vários ataques foram relatados. Ao mesmo tempo, confrontos ocorreram na linha de separação ao redor de Gaza.

Os ataques aéreos da Força Aérea de Israel têm como alvo Gaza regularmente desde a grande escalada em maio que resultou na assinatura de um acordo de cessar-fogo com o Hamas.

Anteriormente, no início de 22 de agosto, as Forças de Defesa de Israel (IDF) realizaram uma série de ataques intensos na Faixa de Gaza palestina.

Fontes palestinas confirmaram que vários ataques tiveram como alvo o local militar de Al-Arin no centro de Gaza e o local militar de Badir no sudoeste da região. Ambos os locais pertencem às Brigadas Izz ad-Din al-Qassam, a ala militar do Hamas. Nenhuma vítima foi relatada como resultado dos ataques.

Durante os ataques, facções palestinas atacaram o assentamento israelense de Sderot com metralhadoras pesadas. Vários ataques foram relatados.

Os ataques israelenses foram uma resposta a um ataque a tiros de manifestantes palestinos armados que deixaram um guarda de fronteira gravemente ferido. O ataque ocorreu pela manhã. Milhares de palestinos se reuniram na linha de separação em torno de Gaza para comemorar o 52 º aniversário do incêndio de Al-Aqsa e para protestar contra o cerco israelense em sua região.

O Egito e as Nações Unidas têm trabalhado para desacelerar a situação, a fim de evitar um novo confronto na Faixa de Gaza.

A situação parece calma por enquanto. No entanto, isso pode mudar rapidamente se o guarda da fronteira israelense se render aos seus ferimentos.

  • Com informações Israel MoD, AFP, @manniefabian, @HaimOmri e redes sociais via redação Orbis Defense Europe/Genebra.