Força Aérea dos EUA realiza Operação APEX CHARGER que demonstra avanço da dissuasão

A operação consistiu em lançar seis bombardeiros B-52H com capacidade nuclear a partir de bases nos EUA, para voar em missões de treinamento em todo o mundo

blank
Um bombardeiro B-52H Stratofortress pousa na Base Aérea de Morón, na Espanha, em maio de 2021. (Foto: 2º Tenente da Força Aérea dos EUA Aileen Lauer)

Bombardeiros de longo alcance B-52H Stratofortress da Força Aérea dos Estados Unidos atingiram o ápice da execução precisa e simultânea de operações globais e avançaram com a linha de dissuasão durante a Operação APEX CHARGER II.

Dando prosseguimento à Operação APEX CHARGER de setembro de 2020, o Comando Estratégico dos EUA, em estreita coordenação com quatro dos Comandos Combatentes Geográficos do Departamento de Defesa dos EUA, colocou em ação a Operação APEX CHARGER II no dia 17 de maio de 2021.

Esse evento da Força-Tarefa de Bombardeiros decolou literalmente, ao lançar seis bombardeiros B-52H com capacidade nuclear a partir de bases nos EUA, para voar em missões de treinamento em todo o mundo, cruzando partes da África, Ásia, Europa, Oceania, bem como da América do Norte, demonstrando a habilidade das forças norte-americanas de planejar, comandar, controlar e realizar operações aéreas sincronizadas em uma escala global incomparável.

Um conjunto de bombardeiros foi lançado da Base da Força Aérea Andersen, em Guam, e voou em direção ao noroeste, ao longo do litoral do Pacífico do Japão e da Rússia, e depois regressou ao território continental dos EUA através do Alasca e do Canadá.

Outro grupo de bombardeiros foi lançado da Base da Força Aérea Barksdale, na Luisiana, e voou cruzando o Oceano Atlântico para assumir rotas individuais em direção aos mares Báltico, Mediterrâneo e Norueguês, bem como sobre os países do Báltico, da Europa Oriental e da África do Norte, para então pousar na Base Aérea de Morón, na Espanha.

Os seis bombardeiros decolaram de suas respectivas bases em horários escalonados seguindo rotas de voo que os posicionaram simultaneamente em pontos estratégicos em todo o mundo.

Como uma demonstração da flexibilidade do modelo de trabalho da Força-Tarefa de Bombardeiros, essas unidades cumpriram suas missões de voo na Operação APEX CHARGER II como parte da volta de um destacamento na região indo-pacífica ou como um destacamento avançado na região europeia.

Antes de adotar a estratégia de Emprego da Força Dinâmica, os bombardeiros de longo alcance mantiveram uma presença contínua e muito previsível na região indo-pacífica.

Essa operação demonstrou ainda mais o contínuo estado de prontidão, confiabilidade, resiliência e liberdade de ação das forças dos EUA e das nações parceiras e aliadas, pois essa atividade global ocorreu durante uma pausa operacional do cronograma de exercícios das forças militares chinesas e russas.

Os bombardeiros do APEX CHARGER II também demonstraram a agilidade das capacidades que apoiam a dissuasão global. Dissuasão é um posicionamento ativo, através de canais tanto diplomáticos como militares, para evitar conflitos armados entre as nações.

O ícone padrão da dissuasão militar é a tríade nuclear dos EUA, composta por mísseis balísticos intercontinentais com bases terrestres, bombardeiros de longo alcance e mísseis balísticos marítimos lançados de submarinos.

Essas forças da tríade nuclear treinam e exercitam suas habilidades regularmente para uma missão que todos esperam que jamais ocorrerá. Embora oito nações atualmente admitem ter armas nucleares, apenas três desses membros do “clube nuclear” possuem as capacidades aéreas, terrestres e marítimas para manter uma tríade nuclear: China, Rússia e Estados Unidos.

blank
Um bombardeiro B-52H Stratofortress foi lançado da Base da Força Aérea Barksdale, na Luisiana, em maio de 2021. (Foto: Cabo da Força Aérea dos EUA Jacob B. Wrightsman)

Quanto ao atual estado de dissuasão, o Almirante de Esquadra da Marinha dos EUA Charles Richard, comandante do Comando Estratégico dos EUA, testemunhou recentemente perante o Comitê de Serviços Armados da Câmara de Representantes dos EUA.

“Pela primeira vez na história da nossa nação, estamos prestes a enfrentar dois adversários estratégicos com potencial nuclear ao mesmo tempo, os quais devem ser dissuadidos de forma diferente”.

Os elementos de dissuasão mudam de acordo com as circunstâncias, mas o posicionamento geral da dissuasão deve ser mantido como um escudo contra mais uma guerra mundial.

Embora as tríades nucleares sejam um fator primário de dissuasão à guerra entre os competidores globais, as fortes alianças entre as nações livres representam outra linha de dissuasão e um cinturão de proteção contra os projetos que pretendem acorrentar os povos livres.

Esses voos de bombardeiros de longo alcance reforçaram a cooperação e a unidade de propósito entre as nações aliadas e parceiras, e mostraram a capacidade militar confiável para preservar a paz.

Um dos principais métodos de cooperação com as nações parceiras e aliadas foi através do treinamento de integração de aeronaves com elementos aéreos e terrestres de suas forças armadas, e no APEX CHARGER II contamos com a participação dos seguintes países: Dinamarca, Espanha, Noruega, Polônia, Reino Unido e Suécia.

Embora não tenham sido tão acrobáticos quanto as equipes de demonstração de voo como os Anjos Azuis, da Marinha dos EUA, ou os Flechas Vermelhas, da Real Força Aérea, os bombardeiros de longo alcance da Operação APEX CHARGER II demonstraram coreografias de voos de precisão em uma escala verdadeiramente global.

“A velocidade, a flexibilidade e a prontidão de nossos bombardeiros estratégicos desempenham um papel fundamental em nossa capacidade de dissuadir potenciais adversários e mostrar nosso apoio incondicional a nossos aliados e parceiros”, disse o Alte Esq Richard.

“Missões como essa oferecem oportunidades inestimáveis de treinamento com nossos aliados e parceiros para melhorar nossa interoperabilidade e demonstrar que nossas forças são capazes de operar em qualquer lugar, a qualquer tempo, para enfrentar qualquer desafio decisivamente.”

Em uma Nova Era de Competição Estratégica, os Estados Unidos, seus aliados e parceiros estão prontos e vigilantes para preservar a paz mundial e promover a dissuasão.

  • Fonte: Revista Diálogo Américas
  • Por: Comando Estratégico dos Estados Unidos