Força Aérea Israelense explica como é realizada limpeza do caça F-35I

A manutenção é realizada a cada três meses para preservar sua baixa assinatura radar, ou modo Stealth

blank
Equipe de limpeza realiza a mnutenção em um F-35 I da Força Aérea Israelense. Imagens: site de Amit Agronov / IAF

O F-35I “Adir” (assim como qualquer outra aeronave do tipo ‘stealth’) requer que a pintura externa ou revestimento sejam limpos regularmente para preservar sua baixa assinatura de radar, ou Low Observability (LO).

Para que isso aconteça, várias coisas precisam combinar para fornecer o LO do F-35. Na verdade, o LO é considerado um “sistema” em si do jato stealth de 5ª geração.

Ou seja, o LO é a forma da aeronave, as linhas e contornos do design externo, juntamente com os painéis compostos e partes que compõem o corpo, o material absorvente de radar que reveste todo o jato e o motor. Tudo isso contribui para desviar ou absorver as emissões do radar inimigo.

blank
Equipe de limpeza realiza a manutenção em um F-35 I da Força Aérea Israelense. Imagens: site de Amit Agronov / IAF

Porém, durante o voo, o revestimento externo do F-35, exatamente como a pintura de qualquer outra aeronave, pode se desgastar por causa da poeira, insetos ou simplesmente atrito do ar nas superfícies.

Por esse motivo o revestimento externo da aeronave, painéis, costuras, são inspecionados após cada voo a fim de se verificar algo que possa afetar a ‘furtividade’ do caça, identificando eventuais danos ou arranhões.

A remoção de partículas de areia e sujeira que se acomodam nas superfícies da aeronave e podem se transformar em desgastes do revestimento. A Força Aérea de Israel (IAF) acaba de publicar em seu site oficial, alguns detalhes interessantes sobre a limpeza das superfícies externas de seu peculiar caça, denominado F-35I Adir (Poderoso).

“Você tem que se certificar de que o avião está limpo porque LO é muito importante”, disse o major Eddie, oficial técnico do Esquadrão 116 (“Southern Lions”) que opera o F-35I “Adir”, no comunicado oficial .

“Quando nossos aviões estão limpos e bem conservados, o resultado final parece adequado. […] Além disso, existem lentes e câmeras que podem prejudicar a qualidade da imagem que fornecem se não forem devidamente limpas ”.

A maioria dos aviões é limpa a cada poucas semanas conforme a frequência que depende do tipo, tamanho etc. Por exemplo, o F-16I “Sufa” é mais fácil de limpar porque é relativamente pequeno, com certeza menor que o C-130J “Samson” .

“Existem equipes no mundo que usam uma máquina de lavar gigante para aviões”, explica o Major Eddie. “Este não é o nosso caso – a Força Aérea limpa manualmente com um sabonete especial.”

Limpar um “Adir” é ainda mais desafiador. “Nós limpamos o avião uma vez a cada três meses ou mais, e cada vez que o processo leva dois dias,” explica o Major Eddie. “Três técnicos devem ser designados para esta tarefa, juntamente com um supervisor que o acompanha.”

blank
Equipe de limpeza realiza a mnutenção em um F-35 I da Força Aérea Israelense. Imagens: site de Amit Agronov / IAF

Desnecessário dizer que o revestimento é uma das partes mais sensíveis de serem limpas e por isso os técnicos usam galochas e são muito cuidadosos na limpeza, pois o processo é complexo e exige a máxima precisão.

O 116º esquadrão “Lions Of The South” se tornou o segundo a operar o “Adir” quando ele foi oficialmente reaberto em 16 de janeiro de 2020 na Base Aérea de Nevatim, no sul de Israel.

Tanto o 140º quanto o 116º Esquadrão, que compõem a “Divisão Adir”, operavam anteriormente o F-16A / B “Netz” (Hawk), um tipo que foi aposentado após 36 anos de serviço em dezembro de 2016.

  • Com informações do site The Aviationist, Por: DAVID CENCIOTTI
  • Tradução e Adaptação: DefesaTv