Forças de segurança venezuelanas cercam Assembleia Nacional

Forças de segurança venezuelanas foram mobilizadas para o Parlamento, bloqueando o acesso até mesmo de deputados, que tinham agendado um debate, sob pretexto de haver um explosivo dentro do edifício, revelaram fontes da oposição.

Mais de uma centena de elementos da Guarda Nacional Bolivariana (GNB), da polícia (PNB) e o Serviço de Inteligência (Sebin) impediram a entrada de deputados no Parlamento, sem oferecer qualquer explicação.

“Tentam sequestrar o Poder Legislativo enquanto o ditador se entrincheira sozinho num palácio em que não deve estar, suspeitando de todos à sua volta. Hoje volta a mostrar o seu medo e a legitimidade da Assembleia Nacional”, escreveu Juan Guaidó no Twitter.

“Queremos dizer-lhes que isto para nós é, desde logo, um ato intimidatório do regime para impedir que a Assembleia Nacional continue a desempenhar as suas funções”, afirmou a jornalistas no local o deputado Luis Stefanelli, citado pela agência EFE.

De acordo com a mesma fonte, o perímetro de segurança imposto a norte, sul, leste e oeste do local vai aumentando, evitando que as pessoas se aproximem. Esta situação, que já ocorreu no passado, foi qualificada pelo deputado Franklyn Duarte como uma ação que faz “parte da estratégia” do presidente, Nicolás Maduro, de “liquidar” o parlamento.

“Querem liquidar-nos de todas as maneiras, querem liquidar-nos prendendo os deputados, retirando a imunidade parlamentar aos deputados, hoje aparecem com um dispositivo explosivo no parlamento quando, convém salientar, quem faz segurança no Palácio é a Guarda Nacional a mando de Maduro”, apontou o legislador em declarações à Efe.

A sessão do parlamento não foi suspensa e, segundo as mesmas fontes, os deputados estão a tentar realizar o debate ordinário do dia de hoje.

O assembleia tinha previsto debater hoje a “perseguição” contra os deputados que estão contra o governo de Maduro, depois de o Supremo Tribunal de Justiça ter acusado 10 deputados de vários delitos, relacionados com a tentativa de revolta, encabeçada pelo presidente do parlamento e autoproclamado presidente interino da Venezuela, reconhecido por mais de 50 países, Juan Guaidó, a 30 de abril.

Desde aí, foi levantada a imunidade parlamentar de sete dos acusados e foi detido um deles, o vice-presidente da Assembleia, Edgar Zambrano.

Estava previsto que dois dos deputados acusados pela tentativa falhada de revolta militar, Henry Ramos Allup e Simón Calzadilla, assistissem à sessão do parlamento, apesar da possibilidade de serem presos.

  • Com informações da agência de notícias LUSA


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here
Enter the text from the image below