Forças Especiais de Malta libertam navio sequestrado por migrantes no Mediterrâneo

Forças Especiais de Malta no convés do navio El Hiblou. Rene' Rossignaud / AP
Subscribe
Voiced by Amazon Polly

Nessa quarta-feira dia 28, os governos de Malta e de Itália anunciaram que cerca de 120 migrantes sequestraram o navio petroleiro El Hiblu, de bandeira de Palau. Os migrantes  dominaram a tripulação da embarcação depois de terem sido resgatados pela mesma no mar Mediterrâneo e tentarem forçar  a tripulação a levá-los para a Europa.

Depois de ter sido dominado pelos migrantes que acabara de resgatar, o controlo do navio El Hiblu 1 já foi devolvido ao capitão da embarcação e na manhã desta quinta-feira, depois de escoltado pelas Forças Armadas, o navio atracou em segurança na capital do país, La Valeta. Os migrantes, que se amotinaram por não querem retornar à Líbia, país de onde tinham fugido, serão agora entregues às autoridades policiais que têm já uma investigação em curso.

Menos de 24 horas depois, um novo comunicado das Forças Armadas maltesas, divulgado no Twitter, dava conta da operação de salvamento bem sucedida, que mobilizou várias embarcações e uma unidade das Forças Especiais Maltesas e um helicóptero.

Forças Especiais de Malta no convés do navio El Hiblou. Rene’ Rossignaud / AP

 

Na mesma rede social, o ministro da Administração Interna maltês, Michael Farrugia, congratulou-se com o sucesso da operação levada a cabo pelas Forças Armadas do seu país. Já o ministro do Interior italiano descreveu o caso, na véspera, como “a primeira pirataria em alto mar levada a cabo por migrantes”.

“Estes não são migrantes em perigo, são piratas, só irão ver Itália através de um telescópio”, declarou Matteo Salvini, que na altura assegurou que o petroleiro não seria autorizado a entrar em águas italianas caso optasse por dirigir-se para Lampedusa ou para a Sicília.

Forças Especiais de Malta no convés do navio El Hiblou. Rene’ Rossignaud / AP

“É a demonstração mais óbvia de que não estamos a falar de operações de socorro de pobres náufragos que fogem da guerra, mas de tráfico criminoso de seres humanos que é gerido de forma criminosa”, acrescentou o Ministro Italiano.

A embarcação, de um proprietário turco e com bandeira de Palau, estava no Mar Mediterrâneo quando detetou um bote com mais de cem migrantes que haviam fugido de um campo de refugiados na Líbia, saindo em auxílio daquelas pessoas.

A tripulação do barco prestou cuidados de saúde aos migrantes e depois informou-os de que iriam dirigir-se à Líbia para os deixar no país de onde tinham partido. Foi nesse momento que os refugiados se amotinaram e tomaram o controlo do barco pela força.

Com informações via Observador Portugal e Governo de Malta via Redação Orbis Defense Europa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here