França: 60 extremistas de esquerda e “imigrantes” atacam delegacia de polícia na tentativa de libertar assaltantes

Nunca na historia da França moderna a Policia sofreu tantos ataques como nos ùltimos 5 anos. A cena de viaturas e delegacias atacadas se tornou uma triste rotina que as grandes midias preferem não comentar. Imagem via Le Parisien.

No último sábado à noite, cerca de sessenta jovens entre imigrantes subsahaarianos e extremistas de extrema esquerda atacaram a delegacia no segundo distrito de Marselha, na tentativa de libertar dois assaltantes que estavam sob custódia policial.

Os confrontos eclodiram por volta das 20h do sábado à noite, quando a multidão de jovens imigrantes e ativistas de extrema esquerda apedrejou e atirou fogos de artifício contra a polícia, cantando a palavra “assassinos”, relata o jornal local La Provence.

Devido à ameaça à segurança, a polícia pediu reforços. Equipes da Companhia de Segurança e Intervenção (CSI) e da Brigada Anti-Crime (BAC) chegaram rapidamente ao local e evitaram a escalada da violência.

Graças ao esforço de empresas de segurança, a área ao redor da delegacia foi rapidamente protegida e os grupos de jovens se dispersaram.

O grupo de extremistas de esquerda ainda não identificado, queria exigir a libertação de dois assaltantes que estavam sob custódia policial desde a noite anterior por prisão em flagrante por assalto à mão armada a um supermercado. Um terceiro indivíduo, 19, que fazia parte da quadrilha, foi morto pela polícia depois de ameaçar os policiais com uma carabina apontada para eles.

“Sob condições que as investigações especificarão, um policial abriu fogo várias vezes depois de ser ele mesmo, então um de seus colegas, ameaçado por um dos criminosos armados com um rifle”, disse o promotor público.

Em janeiro passado, o número de casos de assaltos à mão armada aumentou para uma média de 140 ataques por dia na região, um aumento de 21% em relação a janeiro passado, e, os casos com reféns aumentaram 36,8%, os seqüestros 13,7% e as ameaças e chantagens 9,6%. O roubo de facas também aumentou 21,6% em relação ao ano anterior, enquanto o número de crimes sexuais aumentou 14% em relação ao ano anterior.

No domingo o clima ainda era tenso, com pequenos atritos entre grupos de jovens e policiais. Imagem via Le Parisien.

O assalto que quase terminou em rebelião civil

Um assalto terminou dramaticamente na noite de sexta-feira em Marselha. Quando três homens acabaram de atacar uma loja Lidl em Chartreux (4º arrondissement), por volta das 19h30, eles foram perseguidos por uma equipe da Brigada Anti-Crime (Bac), de acordo com o La Provence. Uma perseguição de carro começou.

“Os primeiros testemunhos relacionados a esses fatos relataram a presença de armas e ameaças acompanhadas de violência física em clientes e funcionários da loja”, afirmou a promotoria. “Pelo menos três criminosos fugiram […] antes de serem descobertos” por uma equipe policial, disse a promotoria.

Vários milhares de euros roubados

Segundo a promotoria, vários milhares de euros e armas, incluindo uma carregada, foram encontradas no veículo dos assaltantes. Uma investigação por “assalto à mão armada em uma quadrilha organizada e tentativa de homicídio contra uma pessoa que detinha autoridade pública” foi confiada à polícia judiciária de Marselha.

Duas pessoas que tentavam fugir perto do local do incidente foram presas e colocadas sob custódia policial. Os investigadores estão investigando se os outros ocupantes do carro são suspeitos de estarem envolvidos no assalto à mão armada.

O promotor de Marselha, Dominique Laurens, especifica que uma investigação judicial foi confiada à inspeção geral da polícia nacional (IGPN) sobre o uso das armas da polícia.

Movimentos sociais alegam “Uso desproporcional da força” pela Policia

“Testemunhas dizem que ele foi espancado e algemado” pelos policiais quando se rendia. Politicos e representantes da comunidade àrabe/africana estão pedindo ao sistema judiciário que esclareça o que aconteceu”. Suspeitando de “uso desproporcional da força” pela polícia, Nair Abdallah disse que a família e os moradores “precisam saber a verdade”.

  • Com informações do Le Parisien, AFP, e France 3 via redação Orbis Defense Europe.