Fuzileiros navais dos EUA pousam com seus F-35B a bordo do HMS Queen Elizabeth

O pouso ocorreu no domingo (02), e faz parte da implementação do maior grupo aéreo embarcado de F-35B

blank

O esquadrão de caça VMFA 211 “Wake Island Avengers” do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA, que fará parte do maior grupo aéreo embarcado até o momento, pousou com seus F-35B, a bordo do porta-aviões da Marinha Real Britânica HMS Rainha Elizabeth (R08) neste domingo (02), conforme nota do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA.

Os 10 caças do Esquadrão de Ataque, voaram desde sua base na Estação Aérea de Yuma, no Arizona, até a Base Aérea Real de Lakenheath na semana passada, antes do embarque no porta-aviões. Agora, já integrados ao grupo aéreo, os fuzileiros navais formarão pares com oito F-35B do esquadrão 617 da Royal Air Force, “The Dambusters”.

O porta-aviões e suas escoltas (os destroieres HMS Defender (D36) e HMS Diamond (D34), e a fragata HMS Kent (F78)) deixaram o porto de Portsmouth, no sábado (01) para realizar um adestramento antes de sua implementação final no Pacífico Ocidental. A fragata HMS Richmond (F239) e o destroier da Marinha dos EUA, USS The Sullivans (DDG-68), se juntarão ao grupo mais tarde.

“O grupo fará parte do Exercício Strike Warrior, que envolverá mais de 20 navios de guerra, três submarinos e 150 aeronaves de 11 nações, e é um teste final para o grupo de ataque à frente de seu primeira implantação operacional para o Mediterrâneo, Oceano Índico e Ásia-Pacífico ”, disse a Marinha Real em um comunicado de 1º de maio.

“A implementação acontece simultaneamente com o maior exercício marítimo bianual da OTAN, o Joint Warrior, predominantemente no noroeste da Escócia, que vê a Marinha Real, a Força Aérea Real e o Exército Britânico unidos por forças da OTAN e da Austrália para uma série de cenários operacionais realistas. ”

Após o exercício, o grupo partirá a viagem entre o Reino Unido até o Japão. “Em uma implementação de 28 semanas, abrangendo 26.000 MN, onde o grupo irá realizar exercícios com Cingapura, República da Coréia, Japão e Índia como parte da nova tendência do Reino Unido em direção à região do Indo-Pacífico”, disse o Ministério da Defesa Britânico em um comunicado .

Espera-se que as unidades do grupo de ataque de porta-aviões visitem mais de 40 países e realizem mais de 70 engajamentos. Para os fuzileiros navais dos EUA, a implementação é um caso de teste para outras implantações de F-35Bs em outros porta-aviões aliados capazes de apoiar o caça.

  • Com agências internacionais