Gorro de fita do Corpo de Fuzileiros Navais completa 130 anos de criação

blank
Monumento Gorro de Fita passou a dar nome à Praça situada na Fortaleza de São José da Ilha das Cobras

No dia 30 de janeiro, comemorou-se os 130 anos de criação de uma das peças de uniforme mais antigas das Forças Armadas Brasileiras: o gorro de fita.

Tradicional componente do uniforme do Corpo de Fuzileiros Navais (CFN), o gorro de fita foi instituído pelo Decreto 193-B, de 30 de janeiro de 1890, pelo então Comandante do Batalhão Naval, o Capitão de Fragata Arthur de Azevedo Thompson.

O gorro, de forma escocesa, foi inspirado pelas tradições de sua família, de origem britânica, tendo se tornado importante símbolo na história do CFN.

De acordo com matéria publicada em edição da revista O Anfíbio de 1990, o gorro de fita sofreu algumas transformações ao longo dos anos iniciais de sua utilização. Originalmente, ele era composto pelo distintivo do Batalhão Naval do lado direito e pela fita preta à retaguarda.

Já a cruzeta de fita preta que se situa abaixo do distintivo só surgiria em 1895 e o distintivo do Batalhão Naval seria substituído pelos fuzis cruzados sob a âncora apenas em 1933.

Em 1990, para comemorar os cem anos de sua incorporação ao Corpo de Fuzileiros Navais, foi inaugurado pelo então Comandante-Geral do CFN, o Almirante de Esquadra (FN) Coaraciara, um monumento ao gorro de fita,

Este passou a dar nome à Praça existente em frente ao prédio do então Comando de Apoio, hoje sede do Comando do Pessoal de Fuzileiros Navais, na Fortaleza de São José da Ilha das Cobras.

  • Com informações do CCSM