Governo Federal vai convocar 4.581 aprovados nos concursos das Polícias Federal e Rodoviária Federal

O Governo Federal irá anunciar chamada de todos os aprovados nos concursos da Polícia Federal (PF) e da Polícia Rodoviária Federal (PRF). O comunicado deverá ser feito nesta quinta-feira (11). A informação foi confirmada pelo presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), Luis Boudens.

No total, o governo poderá convocar até 4.581 aprovados, sendo 2.501 na PRF e 2.080 na PF. Esses números levam em consideração o máximo de provas discursivas corrigidas nos dois concursos, conforme mencionado nos editais. Ou seja, o número de aprovados contratados será inferior a isso, tendo em vista as reprovações nas fases seguintes.

Na PRF o número varia de acordo com a região. O quantitativo por estado pode ser consultado no subitem 10.6.1 do edital da corporação. Na PF, podem ser contratados até 600 delegados, 720 agentes, 320 escrivães, 120 papiloscopistas e 320 peritos.

A PF definiu junto ao Governo Federal a chamada de duas turmas de aprovados na Academia Nacional de Polícia, sendo a segunda composta praticamente por excedentes.

Em fevereiro, o presidente da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF), Luciano Leiro, falou sobre a chamada de mais aprovados e acrescentou que as tratativas junto ao Governo Federal estariam caminhando em passos largos.

Na época, a indecisão era quanto à melhor alternativa: se seria chamar mais aprovados do concurso em validade – com a formação de duas turmas com 500 candidatos cada -, ou realizar um novo concurso de imediato.

Luciano Leiro disse que a própria PF havia garantido, e o governo e o Ministério da Justiça chegaram a um consenso pela convocação dos excedentes para mais uma turma no curso de formação. Além de mais rápida, a solução seria econômica.

Orçamento era um dos principais entraves

Embora as tratativas entre o governo e as corporações estivessem em estágio avançado, havia um impedimento principal: a aprovação de um orçamento. O próprio vice-presidente, Luciano Lero, informou que a pendência para a abertura de duas turmas no concurso PF seria conseguir essa liberação orçamentária.

Como não houve uma previsão de orçamento para este ano, Luciano havia explicado que seria preciso um rearranjo orçamentário. Essa medida teria que ser realizada para efetivar uma dotação destinada para a nova turma.

Além disso, a decisão pela abertura de mais uma turma, e não um concurso de imediato, foi tomada pelo fato de o impacto orçamentário ser bem menor, uma vez que os aprovados já passaram por todo o processo do concurso.

“Essas pessoas já passaram pelo processo e não seria um início de tudo. O que falta é a última fase, que é o curso de formação. Esse é o grande ponto, pois você está otimizando os recursos. Recursos estes financeiros, pois, em vez de se gastar com um novo concurso e todo o procedimento, estaria aproveitando aqueles que já passaram em todas as etapas.”

A intenção é abrir uma turma de curso de formação em junho deste ano e a outra no primeiro semestre de 2020. A expectativa era chamar mil aprovados, mas esse número poderá ser menor de acordo com o quantitativo de classificados até a fase do curso.

Diretor-geral da PRF discutiu a convocação de mais aprovados

Na última segunda-feira (8), o diretor-geral da PRF, Adriano Furtado, esteve reunido com representantes da Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (FenaPRF) e com uma comissão de aprovados do concurso, para discutir a chamada de excedentes.

A informação de que a reunião foi para tratar sobre este assunto foi confirmada pela federação, que, assim como a Fenapef, está sempre na luta pela chamada de mais aprovados. O presidente Deolindo Carniel foi a favor desse grupo de aprovados. “Temos que preencher todas as vagas possíveis, precisamos diminuir o déficit de servidores na PRF”, disse o presidente Deolindo Carniel.

A PRF que sofre com um grande déficit de pessoal. A carência atual é de 8.395 profissionais, sendo essas vacâncias tendo sido resultados de aposentadorias, mortes, exonerações, transferências, entre outros motivos.

Os dados sobre o déficit foram passados pela própria PRF, e divulgados pela Globo News. De acordo com o levantamento, em novembro de 2018 o efetivo da PRF era de 10.029 servidores, quando o ideal seriam 18.424 policiais na corporação.

  • Com informações da Folha Dirigida, Por: Mateus Carvalho


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here
Enter the text from the image below