Governo prorroga prazo de alistamento ao serviço militar obrigatório

blank
Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil

Em publicação do Diário Oficial da União (DOU) desta sexta-feira (29), o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Defesa Fernando Azevedo e Silva decretaram a prorrogação do prazo para a apresentação obrigatória ao alistamento militar em 2020.

Com a medida, os jovens brasileiros que completam 18 anos durante o ano, obrigados a se alistar ao serviço militar, terão agora até 30 de setembro para se apresentarem. Originalmente, o prazo se encerraria em 30 de junho.

A justificação para a prorrogação é o combate à pandemia do novo coronavírus (Covid-19), que, por números atualizados nesta quinta-feira, já causou mais de 26,7 mil mortes no Brasil. Também no Diário Oficial desta sexta, o presidente Jair Bolsonaro promoveu diversos membros das Forças Armadas.

O decreto traz a observação de que o prazo dos brasileiros naturalizados ou por opção para a apresentação obrigatória para o alistamento será de noventa dias, contado do recebimento do certificado de naturalização ou da assinatura do termo de opção.

A apresentação ao alistamento militar obrigatório pode ser realizada pela internet, com o número do CPF e preenchimento de um formulário para validação de dados pessoais.

O jovem que não tiver facilidade de acesso à internet ou caso o jovem não tenha CPF, deve ir à Junta de Serviço Militar levando em mãos a certidão de nascimento ou carteira de identidade ou de motorista e o comprovante de residência.

Quem perder o prazo para realizar o procedimento poderá regularizar a situação no próprio site do alistamento ou comparecendo à Junta de Serviço Militar, mas o atraso implicará no pagamento de multa. O alistamento militar é obrigatório e deve ser feito no ano que jovem completa 18 anos.

Em 2020, a expectativa do Ministério da Defesa é que quase 2 milhões de jovens se apresentem. Destes, 100 mil devem ser incorporados para trabalhar em organizações militares da Marinha, do Exército ou da Aeronáutica.

Fonte: CNN Brasil