Grupo efetua “ação de Commandos” na Venezuela, e ministro da Defesa Bolivariano acusa Presidente Bolsonaro de cumplicidade

Grupos de homens armados invadiram uma instalação militar no sul da Venezuela no início de 22 de dezembro, causando destruição parcial de prédios, roubando grande quantidade armas e matando um soldado , segundo as autoridades bolivarianas. O incidente ocorreu no Parque Nacional Gran Sabana, localizado no grande estado sulista de Bolívar.

Segundo a mídia local El Pitazo, o ataque foi liderado por um soldado desertor que é procurado por incitação à rebelião entre a tropa. O grupo também teriam emboscado um outro destacamento militar e uma delegacia de polícia, levando mais de 100 fuzis, grande quantidade de munição e outros equipamentos, e fugindo deixando muitas instalações sabotadas que explodiram durante a fuga dos grupos.

O ministro da Defesa, Vladimir Padrino, disse que o ataque foi realizado por “setores extremistas da oposição” sem nomear nenhum indivíduo ou grupo especìfico.

O ministro Vladmir Padrino também acusa diretamente o governo da Colômbia, Perù e do Brasil por apoiar indiretamente essas ações, permitindo que grupos mercenàrios se escondam nos respectivos territòrios desses paìses.

O Presidente Jair Bolsonaro foi acusado diretamente de ser colaborador da ação na declaração do Twitter do Ministro Vladmir Padrino, como podemos ver no print abaixo:

https://twitter.com/jorgerpsuv/status/1208851511666790401

“Hoje cedo, uma unidade militar foi atacada no sul do país por facções extremistas da oposição, com um grande número de armas roubadas”, escreveu Padrino no Twitter.

“ Foi nesse ataque terrorista que um oficial do exército foi morto. ” ele adicionou.

O ministro da Defesa revelou que seis pessoas foram presas perto da fronteira com o Brasil e estavam sendo interrogadas.

O ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, descreveu os agressores como “mercenários” baseados no Peru. Ele chamou o ataque de parte da estratégia regional para desestabilizar o país.

Apesar do ainda grande controle sobre as forças armadas bolivarianas, as deserções continuam com frequência e muitos dos militares venezuelanos desertores são experientes combatentes, e muitos sendo treinados na Russia, mas que não mais compactuam com a doutrina bolivarianista. Muitos desses desertores são considerados “discipulos de Óscar Alberto Pérez”, um policial militar venezuelano e líder de um grupo de resistência política contra Nicolás Maduro, morto em combate em janeiro de 2018.

Possibilidade de rebelião em curso?

De acordo com informações de dissidentes politicos venezuelanos, muitos membros da Guarda Nacional Bolivariana da Venezuela se rebelaram, juntamente com reservistas indígenas, contra o governo do presidente Maduro no estado de Bolívar, próximo à fronteira brasileira.

Durante a ação, armas e munições teriam sido tomadas e ocorreram enfrentamentos entre os rebeldes e militares leais ao presidente Nicolás Maduro.

Conforme publicou o portal Infobae, a ação foi iniciada por membros do batalhão da Guarda Nacional Bolivariana 513 Mariano Montilla na cidade de Luepa.

Conforme publicou em sua conta no Twitter Ricardo Delgado, ex-prefeito do município venezuelano de Gran Sabana, um comandante foi feito refém pelos rebeldes.

Última hora. Sublevação de oficiais do batalhão 513 Mariano Montilla, tomaram como refém o comandante, se dirigem a Santa Elena, estão fazendo chamado à população civil e à GNB para que se unam ao exército libertador e comecem a pôr fim à usurpação.

Além dos militares, pelo menos 30 indígenas teriam estado envolvidos na ação, de acordo com Delgado.

  • Com informações do Ministério da Defesa Bolivariano da Venezuela e STF Analysis & Intelligence via redação Orbis Defense Europe.