Guarda Nacional Bolivariana extrapola e Coronel do Exército Brasileiro afirma: “nunca tinha visto nenhum exército de outro país jogar bomba de gás lacrimogêneo no Brasil”

“lamentável!” Esta foi a palavra mais sensata que pode ser usada para, definir o confronto entre integrantes da Guarda Nacional Bolivariana (GNB) e nacionais venezuelanos, na fronteira entre Brasil e Venezuela no fim da tarde deste sábado dia 23, dita pelo coronel do Exército Brasileiro (EB), José Jacaúna. “Eu nunca tinha visto nenhum exército de outro país jogar bomba de gás lacrimogêneo no Brasil (…) lamentável tal atitude”, afirmou o militar. Também fora relatado pelo coronel que, membros da GNB realizaram disparos com armas de fogo em direção ao território brasileiro, em Pacaraima (Roraima).

“Eles (os militares venezuelanos) realmente extrapolaram na reação em cima de seus compatriotas que estão aqui em nosso território”, disse o coronel Jacaúna. Perguntado se o tumulto na fronteira em Pacaraima pode ser considerado ataque à soberania brasileira, o coronel respondeu. “Quem vai dizer isso é o campo político. Acho que a via diplomática deve atuar fortemente contra os responsáveis por essa ação (…) não sou eu quem vai dar ordem para o Itamaraty, mas, da nossa parte, acho que uma posição firme deve ser tomada”, completou Jacaúna.

blank
‘Foi um episódio lamentável’, diz coronel sobre ação da Venezuela na fronteira com o Brasil”.

O Ministério das Relação Exteriores (MRE), emitiu nota em seu site onde o MRE “condena o atos de violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás Maduro”:

“O Governo do Brasil expressa sua condenação mais veemente aos atos de violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás Maduro, no dia 23 de fevereiro, nas fronteiras da Venezuela com o Brasil e com a Colômbia, que causaram várias vítimas fatais e dezenas de feridos. O uso da força contra o povo venezuelano, que anseia por receber a ajuda humanitária internacional, caracteriza, de forma definitiva, o caráter criminoso do regime Maduro. Trata-se de um brutal atentado aos direitos humanos, que nenhum princípio do direito internacional remotamente justifica e diante do qual nenhuma nação pode calar-se. O Brasil apela à comunidade internacional, sobretudo aos países que ainda não reconheceram o Presidente encarregado Juan Guaidó, a somarem-se ao esforço de libertação da Venezuela, reconhecendo o governo legítimo de Guaidó e exigindo que cesse a violência das forças do regime contra sua própria população”.

blank
Polícia brasileira orienta manifestantes a retornarem para o lado brasieiro em conflito na fronteira com a Venezuela — Foto: Alan Chaves/G1 RR

Em nota, a Secretaria de Comunicação do Governo Federal afirmou que os episódios estão sendo apurados. Segue a nota na íntegra abaixo:

Nota à Imprensa

Operação de Ajuda Humanitária à Venezuela

A respeito da ajuda humanitária oferecida pelo Brasil ao povo da Venezuela, a Presidência da República informa que a participação do governo brasileiro foi exitosa em reunir e transportar as doações até o destino de distribuição. Os dois primeiros caminhões enviados pelo Brasil cruzaram a fronteira, adentrando o país vizinho, sem incidentes na travessia. Inicia-se uma segunda fase da operação com os últimos preparativos de logística para a entrega dos produtos que se encontram armazenados na capital do estado, Boa Vista. O sucesso em rapidamente mobilizar e disponibilizar alimentos e medicamentos somente foi possível com o envolvimento de diversos órgãos do Governo Federal e com a colaboração da população, tanto brasileira quanto Venezuelana.

Neste contexto, a pronta atuação do Governo de Roraima tem sido um fator de destaque. O Ministério da Defesa ampliou as capacidades da Operação Acolhida, em atividade há mais de um ano, mediante a triplicação do efetivo da equipe médica, o aumento do potencial logístico e a ampliação do sistema de evacuação médica, por meio, da disponibilização de novas ambulâncias equipadas. O Ministro Ernesto Araújo esteve, pessoalmente na manhã deste sábado dia 23, na cidade de Pacaraima, para viabilizar a entrada dos caminhões com medicamentos e alimentos, na Venezuela. O governo brasileiro confia na solução da questão, certo de que os líderes daquele país terão a sensibilidade de atenuar as condições de vulnerabilidade as quais estão submetidos nossos irmãos venezuelanos.

Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom/PR)
Presidência da República

  • Com informações de agências de noticias nacionais, da Secretária Especial de Comunicação Social da Presidência e Ministério das Relações Exteriores

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here