Imagens de confronto entre tropas dos EUA e rebeldes disfarçados de civis na Síria

Imagem via Jornalista independente Mohamed Hassam.

Em 12 de fevereiro, rebeldes disfarçados de moradores revoltados, se envolveram em confronto armado contra forças dos EUA em Khirbat Amu, no norte de al-Hasakah, depois que as tropas americanas supostamente teriam matado um adolescente de 14 anos na cidade. Os vídeos divulgados pela mídia síria permitem ver o uso intenso de armas leves.

Em uma declaração oficial, a coalizão liderada pelos EUA confirmou que suas forças entraram em conflito com “indivíduos desconhecidos” em Khribat Amu. A coalizão disse que não houve feridos. No entanto, não comentou a suposta morte de um adolescente local.

“A situação diminuiu em tensão e está sob investigação. A patrulha da coalizão voltou à base”, afirmou o coronel Myles B. Caggins III, porta-voz da coalizão.

O incidente ocorreu perto de um posto de controle do Exército Árabe da Síria (SAA). Os moradores tentaram bloquear as forças americanas que responderam abrindo fogo, e supostamente matando o adolescente. O Exército Árabe da Síria (SAA) estava com os habitantes locais. No entanto, não participou dos confrontos.

A Agência de Notícias Árabe da Síria (SANA) disse que as forças americanas haviam se retirado de Khirbat Amu sob a proteção de apoio de aeronaves americanas, que efetuaram três ataques aéreos. No entanto, fontes locais disseram que não houve ataques aéreos, dizendo que as forças americanas usaram granadas de flash e fumaça para cobrir sua retirada.

Uma unidade da Polícia Militar Russa foi rapidamente despachada para a área do incidente para diminuir a situação. As Forças Democráticas da Síria (SDF) também foram conectadas pelo lado russo para ajudar na questão.

Vários incidentes entre os locais e as forças americanas ocorreram nos últimos meses. No entanto, o incidente de Khirbat Amu foi a situação mais séria até agora. Se as forças americanas fossem realmente responsáveis ​​pela morte do jovem no local, a situação poderia aumentar ainda mais.

  • Com informações SANA Syria e STF Analisys & Intelligence via redação Orbis Defense Europe.