Índia realiza teste bem-sucedido de ICBM com capacidade nuclear

blank
Foto do 1o teste do ainda protótipo do Agni-5. Imagem ilustrativa com foto via Indian MoD.

A Índia conduziu na quarta-feira, dia 27, o primeiro teste de usuário efetivo de seu míssil balístico intercontinental com capacidade nuclear de fabricação totalmente nacional, cobrindo um alcance de cerca de 5.000 quilômetros e representando uma capacidade de resposta à um eventual ataque da China.

O teste noturno de emprego do Agni-5 ICBM foi conduzido pelo Comando das Forças Estratégicas da Índia, que é responsável pelo gerenciamento de armas nucleares e estratégicas da Ilha APJ Abdul Kalam em Odisha.

O teste bem-sucedido está de acordo com a política da Índia de ter uma “dissuasão mínima confiável” que sustente sua política de proibição do primeiro uso, disse o Ministério da Defesa.

O Agni-5 foi projetado e desenvolvido de forma totalmente nacional pela Organização de Pesquisa e Desenvolvimento de Defesa da Índia, que conduziu anteriormente sete testes de desenvolvimento de protótipos bem-sucedidos de 2012 a 2018 .

Sem compartilhar detalhes específicos, um cientista DRDO disse que o míssil pode atingir com precisão o alvo designado em 15 minutos.

Com este teste, a Índia mostrou que suas armas podem cobrir todo o espectro do território chinês, incluindo o norte, disse o analista de defesa e general reformado do Exército Rahul Bhonsle.

O ministério disse que o Agni-5 usa um motor a combustível sólido de três estágios que é capaz de atingir alvos em alcances de até 5.000 quilômetros com um alto grau de precisão. Ele é equipado com um sistema de navegação inercial por giroscópio de anel a laser guiado por Sistema Regional de Navegação por Satélite da Índia, de tecnologia e construção nacional, e é capaz de transportar uma carga nuclear de 1,5 tonelada.

O míssil de 17,5 metros pesa 50 toneladas e podem ser lançados à partir de um sistema canalizado, montado em uma plataforma móvel rodoviária, e podem ser implantadas em qualquer canto remoto do país, disse o cientista do DRDO.

A Índia testou seu protótipo do míssil balístico intercontinental Agni-5 com capacidade nuclear pela primeira vez em 3 de junho, trazendo a arma um passo mais perto de sua entrada no Comando de Forças Estratégicas do Exército Indiano.

O ICBM superfície-superfície, com um alcance entre 5.000 e 8.000 quilômetros, foi disparado de um lançador móvel às 9h45, horário local, da Faixa de Teste Integrada na Ilha de Abdul Kalam, localizada no noroeste da Baía de Bengala, na costa do estado indiano de Odisha.

blank
Foto via Indian MoD.

O desenvolvimento dos ICBM Agni

Até recentemente, o míssil de maior alcance que a Índia tinha era o Agni-III , com alcance de 3.000 a 3.500 km. Este intervalo não foi suficiente para atingir alvos na região extremo leste e nordeste da China. A maioria dos centros econômicos importantes da China ficam na costa leste.

Em desenvolvimento desde meados de 2007, estimava-se que o míssil estaria operacional entre 2014 e 2015, após quatro a cinco testes repetíveis, mas atrasos que eram previsíveis aconteceram no cronograma de trabalho.

As autoridades indianas acreditam que o Agni-V a combustível sólido é mais do que adequado para atender às atuais percepções de ameaças e preocupações de segurança. Mesmo com um alcance de apenas 5.000 km, o Agni-V poderia atingir qualquer alvo na China, incluindo Pequim.

O míssil permitirá que a Índia atinja alvos em toda a Ásia e na Europa. O alcance do míssil permitirá que os militares indianos almejem toda a China a partir de bases Agni-V, no centro e sul da Índia, mais longe da China. É provável que o míssil também seja semelhante a outros mísseis com alcance de 10.000 km. O míssil foi projetado para ser fácil de transportar por estrada, através da utilização de um sistema de mísseis de lançamento de canister, que é distinto daqueles dos primeiros mísseis Agni . Agni-V também carregaria MIRV(vários veículos de reentrada independentemente direcionáveis) cargas úteis sendo desenvolvidas simultaneamente. Um único míssil equipado com MIRV pode lançar várias ogivas em diferentes alvos.

Abaixo, imagens do lançamento noturno do missil Agni-5 publicadas em redes sociais indianas:

  • Com informações Indian MoD, Indian Times, Kanak News e textos parciais adaptados da matéria original de Vivek Raghuvanshi para o Defense News via redação Orbis Defense Europe/Genebra.