Invasão turca da Síria: genocídio e Jihad Demográfica?

Tropas turcas passando a fronteira norte da Siria em 2018. Imagem ilustrativa via Turkish Military.

As intenções do governo islamista turco do presidente Recep Erdogan é a de tornar inviável um estado curdo no norte da Síria. Para tal ele irá invadir uma faixa da fronteira com a Síria controlada pelos curdos, “limpar a área” dos indesejados (curdos, cristãos e iázides) e relocar 1,5 milhão de refugiados sírios (muçulmanos sunitas) nesta região.

Esse deslocamento forçado e repulsão de refugiados é um crime contra a humanidade e uma violação das convenções da ONU sobre refugiados. Isso “reassentaria” os refugiados árabes sírios em uma região que não era seu antigo lar. Mas para a Turquia, o que interessa é tornar os curdos, cristãos e iazides que não forem mortos em minoria populacional.

O objetivo final da jihad demográfica é de criar maioria muçulmana em uma região ou país, em detrimento da população local. É isso que está acontecendo na Europa Ocidental com a imigração islâmica em massa, porém lentamente (Lei dos números). Já o presidente turco Erdogan pretende fazer isso bem rapidamente e à força. Não esperem que a ONU venha a condenar isso. Afinal, a ONU é controlada pela Organização da Cooperação Islâmica, o grupo majoritário na ONU.

(Para minha surpresa, parece que tanto a Rússia quando o Irã estao de acordo com o que a Turquia começou a fazer – eu achava que essa invasão turca iria rachar a aliança Turquia-Rússia-Irã. Parece que não).

A única esperança é que o presidente dos EUA, Donald Trump, mude de idéia e não permita esta invasão. Mas talvez isso agora seja tarde demais, já que os EUA retiraram seus contingentes militares da região.

Alerta de genocídio: a Turquia está planejando genocídio e crimes contra a humanidade no nordeste da Síria – Dr. Gregory H. Stanton, Genocide Watch. Azul: território controlado pelo governo sírio; Rosa: controle dos jihadistas anti-Síria; Amarelo: controle turco após invasão em 2018; Verde: área sob controle curdo; Verde com tracejado preto: área que Turquia planeja limpar de curdos, cristãos e iázides e assentar 1,5 milhões de muçulmanos sunitas refugiados na Turquia Curdos, cristãos e iázides no nordeste da Síria correm um grave risco de genocídio pelos exércitos da Turquia e da Síria. O genocídio será apoiado pela Rússia e pelo Irã. A Turquia e o Irã têm populações minoritárias curdas consideráveis, que consideram ameaças à unidade étnica e nacional. 100.000 cristãos vivem na área que a Turquia invadirá. A Turquia e seu antecessor, o Império Otomano, têm uma história centenária de genocídio contra os cristãos.

O presidente turco, Recep Tayyip Erdoğan, anunciou sua intenção de criar uma “zona tampão de trinta milhas” no nordeste da Síria, uma área agora controlada pelas Forças Democráticas Sírias e Curdas e Árabes. Ele conduziu uma ofensiva diplomática para obter promessas de não interferência da Rússia, Irã e EUA contra a invasão da Síria. A Turquia já colocou dezenas de milhares de soldados, tanques e artilharia pesada ao longo da fronteira síria. Quando o presidente Trump anunciou que as tropas americanas se retirariam da Síria em 2018, ele o fez após um telefonema de Erdoğan. Esse anúncio foi recebido por uma resolução bipartidária do Senado contra o abandono dos EUA dos aliados curdos no nordeste da Síria. 1000 tropas dos EUA permanecem lá. Após outra ligação com Erdoğan em outubro de 2019, o presidente Trump anunciou novamente uma retirada dos EUA do nordeste da Síria.

A Turquia iniciou a invasão do território curdo sírio em 20 de janeiro de 2018, quando o exército turco lançou operações militares transfronteiriças em Afrin, no noroeste da Síria, com o codinome “Operação Ramo de Oliveira”. A missão tinha como objetivo derrubar as unidades de proteção do povo curdo sírio (ou YPG) do distrito de Afrin.

A Turquia considera o YPG uma extensão do Partido dos Trabalhadores Curdos (PKK), que exerce uma insurgência na Turquia desde 1984 para alcançar os direitos humanos curdos e a autonomia regional. O YPG nega ser uma extensão do PKK e está aliado aos Estados Unidos e outros países na luta contra o Estado Islâmico / Da’esh desde 2014. As Forças Armadas turcas conduziram sua invasão de Afrin sem se preocupar com as leis da guerra, lançando bombas e bombardeando cidades indiscriminadamente. Centenas de civis em torno de Afrin, incluindo cristãos, iázides e outras minorias religiosas deslocadas pela guerra síria e por Da’esh, foram mortos. As forças turcas intencionalmente atacaram civis, um crime de guerra, e deslocaram à força a maior parte da população de Afrin, um crime contra a humanidade. O governo turco caracterizou o YPG como uma “organização terrorista”, lançando sua invasão da Síria como uma operação antiterror. Também se referiu à agressão contra a Síria como “jihad”, ecoando a linguagem usada pelo ISIS. O termo “terrorista” é usado na Turquia como um termo para desumanizar os oponentes de Erdogan e legitimar a supressão dos direitos e liberdades humanos. Essa narrativa turca é usada como uma “justificativa de autodefesa” para massacres genocidas dos curdos.

A Turquia se tornou um estado policial. Desde a tentativa de golpe de 2015, o governo turco demitiu mais de 100.000 funcionários públicos e prendeu milhares de professores, instrutores, jornalistas, políticos e líderes da sociedade civil por serem suspeitos de apoiarem “o golpe”. Muitos desses detidos foram acusados ​​de terrorismo. O termo “terrorista” tem sido usado para justificar tortura e assassinato de oponentes de Erdogan.

A operação Afrin é semelhante a operações “antiterror” realizadas em cidades curdas no sudeste da Turquia por muitos anos. Em cidades como Cizre, tropas turcas deslocaram a população, impuseram toques de recolher severos, cortaram o fornecimento de água e eletricidade, mataram milhares de civis, destruíram igrejas e mesquitas, casas foram saqueadas e bombardeavam cidades deixando-as em escombros. Em Cizre – como em Afrin – os corpos das combatentes mortos foram mutilados, gravados em vídeo e compartilhados amplamente nas redes sociais pelos soldados turcos. Os militares turcos e as outras forças sob sua liderança, incluindo combatentes da Al Qaeda e Da’esh, declararam o controle total de Afrin em 25 de março de 2018. Eles adotaram uma política de “reassentamento demográfico” em Afrin, estabelecendo aldeias com turcos e árabes, famílias originárias de fora da área. Relatos da Afrin ocupada contam que dezenas de meninas e mulheres jovens foram sequestradas pelas forças turcas e jihadistas e submetidas a estupro sistemático.

A Turquia declarou sua intenção de “transferir” milhões de refugiados árabes sírios atualmente na Turquia para o nordeste curdo da Síria. Esse deslocamento forçado e repulsão de refugiados é um crime contra a humanidade e uma violação das convenções da ONU sobre refugiados. Isso “reassentaria” os refugiados árabes sírios em uma região que não era seu antigo lar. O objetivo da Turquia é deslocar à força um milhão de curdos na fronteira sul da Turquia e substituí-los por árabes sírios, assim como fizeram os turcos em Afrin. A Turquia pretende que essa mudança demográfica destrua a autonomia curda em “Rojava”, uma região curda autônoma do nordeste da Síria.

Erdoğan prometeu continuar a invasão turca mais a leste, para Manbij e Kobane, na Síria, bem como para as regiões de Sinjar e Nínive no Iraque, aparentando ser para destruir o PKK, mas na verdade para expulsar os curdos de todas as áreas fronteiriças da Síria com a Turquia. A agressão da Turquia a estados vizinhos ameaça a segurança a longo prazo de todas as populações curdas, cristãs e iázides da região. A intenção da Turquia é genocídio.

Comentário meu: os esporte dos turcos é matar cristãos. A invasão turca de terras cristãs começou há mais de mil anos, e parece não ter fim. Lembre-se que o território hoje ocupado pela Turquia é terra ocupada, conquistada através do extermínio contínuo de gregos, armênios e assírios ao longo dos últimos 10 séculos.

Texto do estudioso de assuntos do Oriente Médio Sr. José Atento, via site “Lei islâmica em ação”

Link da matéria original:

https://infielatento.org/2019/10/invasao-turca-da-siria-genocidio-cristao-e-jihad-demografica



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here
Enter the text from the image below