Japão e Alemanha expandem laços militares

De acordo com a Marinha alemã, a fragata deve visitar a Coreia do Sul depois do Japão e navegar pelo Mar da China do Sul, onde a China está construindo postos militares

blank

O ministro da Defesa do Japão, Nobuo Kishi, disse nesta sexta-feira (05) que o país irá intensificar a cooperação militar com a Alemanha na região do Indo-Pacífico. A declaração foi feita durante visita de um navio de guerra da Marinha alemã, após 20 anos.

A fragata Bayern está visitando o Japão, após dois dias de exercícios conjuntos com o destroier da Força de Autodefesa Marítima Japonesa Samidare, no Oceano Pacífico, em meio a atividades marítimas cada vez mais assertivas da China na região.

A visita do navio é “um ponto importante” na busca de um “Indo-Pacífico livre e aberto” e seguro de uma das rotas marítimas mais importantes do mundo, disse Kishi após ir a bordo da fragata com oficiais alemães. “Isso mostra o forte compromisso da Alemanha em contribuir ativamente para a paz e a estabilidade no Indo-Pacífico”, completou o ministro.

blankA fragata deixou a Alemanha em agosto em direção ao Indo-Pacífico como parte da recente mudança de foco para a região, e segue movimentos semelhantes a outros países europeus, incluindo Grã-Bretanha, França e Holanda. Marinhas desses países realizaram recentemente exercícios navais conjuntos nos mares do Leste e do Sul da China.

A Alemanha adotou uma diretriz de defesa no ano passado com foco na região do Indo-Pacífico e, desde então, intensificou seus laços militares com o Japão. Os dois lados assinaram um acordo em março deste ano, sobre a proteção e trocas de informações confidenciais.

“O Indo-Pacífico é hoje uma das regiões estrategicamente mais importantes do mundo”, disse o chefe das Forças Armadas da Alemanha, general Eberhard Zorn, em entrevista coletiva com Kishi.

“Aqui, decisões importantes sobre liberdade, paz e bem-estar o mundo está sendo feito. O envio de nossa fragata para o Indo-Pacífico deixa claro que a Alemanha defende nossos valores comuns”, enfatizou o general.

A China, que reivindica a maior parte do disputado Mar do Sul da China, bem como as ilhas dominadas pelos japoneses no Mar da China Oriental, tem defendido suas atividades marítimas crescentes e diz que tem o direito de defender sua soberania, segurança e interesses de desenvolvimento.

Autoridades japonesas dizem que os navios chineses violam rotineiramente as águas territoriais japonesas ao redor das ilhas no Mar da China Oriental, às vezes ameaçando barcos de pesca.

Zorn disse que a fragata Bayern conduziu exercícios de pequena escala com militares de oito países, desde que deixou a Alemanha e fez escalas em vários locais, incluindo Guam e Austrália.

A partir de meados de novembro, a fragata conduzirá o monitoramento e a vigilância de acordo com uma resolução do Conselho de Segurança da ONU das atividades marítimas dos navios norte-coreanos, incluindo possíveis transferências de carga proibida de navio para navio em mares regionais.

  • Com informações do site: Military.com
  • Tradução e Adaptação: DefesaTV