Logística das Forças Armadas é crucial na Operação Covid-19

Desde o início da Operação Covid-19, a logística das Forças Armadas Brasileiras tem demonstrado sua capacidade em viabilizar o trabalho dos militares em todo o território nacional.

Com 8,5 mil Km², uma dimensão continental, o País possui distâncias internas que exigem muito do poder de mobilização das Forças. Só para se ter noção do esforço logístico, a distância terrestre entre Boa Vista (RR) e Porto Alegre (RS) (5.231,3 km) é maior que entre Lisboa/Portugal e Moscou/Rússia (4.576,8 km). Somam-se a isso as diferentes condições climáticas, a orografia, a vegetação, a hidrografia etc, óbices naturais que tornam complexos o planejamento e a execução do transporte, da manutenção e do suprimento.

É com essas características fisiográficas que o Ministério da Defesa ativou 10 Comandos Conjuntos em todo o território. Para cumprir a missão imposta para a Operação Covid-19, as organizações militares necessitam de um apoio que mantenha a operacionalidade da tropa.

Para realizar o transporte de mais de 20.000 militares e de equipamentos, muitas vezes em grandes distâncias e em locais de difícil acesso, o Exército Brasileiro, a Marinha do Brasil e a Força Aérea Brasileira utilizam centenas de viaturas, dezenas de embarcações e uma aeronave.

É nesse contexto, operando 24 horas por dia, que a complexa logística viabiliza e sustenta o emprego de meios de tamanha magnitude, espalhados em todo o País. Além do transporte de militares e de equipamentos, o esforço silencioso proporciona a alimentação da tropa; a manutenção do que está sendo empregado; o suprimento de diferentes tipos de combustíveis; o fornecimento de remédios etc.

No Comando Conjunto Sul, que engloba os estados do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina e do Paraná, a tropa que está sendo empregada na frente de combate contra o COVID-19, que são mais de 6 mil militares, tem ainda, à retaguarda, outros tantos militares que, diuturnamente, atuam no apoio logístico, como: montagem de barracas para centros de triagem em hospitais, prontos socorros e unidades de pronto atendimento; distribuição de água para quem sofre com a estiagem; entrega de alimentos aos mais vulneráveis; participação em campanhas de doação de sangue para reposição dos estoques hospitalares e outras ações que são solicitadas pelas defesas civis estaduais da região Sul do Brasil.

Ao mesmo tempo, do outro lado do País, em Boa Vista (RR), as Forças Armadas estão trabalhando numa Área de Proteção e Cuidados para atender, a princípio, brasileiros e venezuelanos com suspeita ou confirmação de coronavírus. Montado inicialmente com 80 leitos, sua capacidade pode ser ampliada rapidamente em até 1.200 leitos, graças à flexibilidade e à expertise dos meios logísticos.

Devido a esse suporte invisível, atividades como vacinação, produção de medicamentos, ações de descontaminação de áreas públicas, entre tantas outras, têm sido executadas conforme o planejado.

A Operação Covid-19

A Operação Covid-19 foi iniciada em 21 de março, para apoiar estados e municípios no enfrentamento à pandemia de coronavírus no país. Para essa missão, foram ativados 10 Comandos Conjuntos responsáveis por realizar apoio logístico e ações como desinfecções de espaços públicos, montagem de hospitais de campanha, auxílio à população em quarentena, dentre diversas outras ações.

 Por Coronel Fontes





Assine nossa Newsletter


Receba todo final de tarde as últimas notícias do DefesaTV em seu e-mail