Macron indigna militares ao revelar a quantidade de ogivas nucleares da França

Missil nuclear SSBS S-3, hoje oficialmente n▀ão mais operacional no arsenal francês desde o final dos anos 70. Modelo em exposição no Musée de l'Air et Espace Le Bourget.

De acordo com muitos militares de alta patente que preferiram não se identificar, essa não é a primeira vez (aliàs ocorreram vàrias) que o presidente Macron comete gafes graves, comentando informações restritas ou até mesmo revelando dados considerados sigilosos em pùblico, dessa vez foi sobre a capacidade nuclear francesa.

Emmanuel Macron, como pretenso lìder da União Européia, queria, em 7 de fevereiro, que os europeus propusessem juntos uma “agenda internacional de controle de armas”, lembrando que o arsenal nuclear da França tem “menos de 300” cabeças.

Emmanuel Macron discursou nesta sexta-feira, 7 de fevereiro, aos oficiais da Escola de Guerra de Paris para proferir o discurso de seu mandato de cinco anos sobre a estratégia de defesa do país e a dissuasão nuclear .

Durante seu discurso, o presidente pediu aos europeus que não “se limitem a um papel de espectadores” diante da corrida armamentista nuclear da qual o Velho Continente corre o risco de voltar a ser o teatro (um certo plàgio dos discursos do Presidente Trump, adptado à suas necessidades polìticas).

O presidente Macron declarou:

“A França “possui um histórico único no mundo, consistente com suas responsabilidades e interesses, desmantelando irreversivelmente seu componente nuclear terrestre, suas instalações de testes nucleares, suas instalações para a produção de material físsil para armas e reduziu o tamanho do seu arsenal, hoje menos de 300 armas nucleares.”

“A França mobilizará os parceiros europeus mais interessados, a fim de estabelecer as bases para uma estratégia internacional comum que possamos propor em todos os fóruns em que a Europa estiver ativa”, anunciou.

“Os europeus precisam perceber coletivamente que, por falta de uma estrutura legal, eles podem rapidamente se expor à retomada de uma corrida armamentista convencional, até nuclear, em seu solo. Eles não podem se limitar ao papel de espectadores ”, disse ele.

Um arsenal nuclear “menos de 300” cabeças

O presidente, no entanto, esclareceu que a França havia reduzido o tamanho de seu arsenal nuclear para menos de 300 cabeças, sendo que estimativas até o ano passado eram de aproximadamente entre 400 a 500 ogivas ativas em diversas categorias, e a capacidade industrial para produzir até o dobro dessa quantidade em caso de necessidades de reposições ou aumento de estoque.

Com essa revelação muitos analistas admitem que o presidente Macron mais uma vez cometeu uma grave falha ao expor as capacidades reduzidas das forças armadas francesas, que enfentam sérios cortes de orçamento e ingerenciamentos governamentais com finalidades polìticas que prejudicam a capacidade de dissuasão da França e consequentemente da OTAN.

“Uma agenda internacional de controle de armas”

Nenhum projeto de defesa europeu pode ter sucesso sem restabelecer a confiança em Moscou, diz Macron

O Chefe de Estado desejava que os europeus propusessem “juntos uma agenda internacional para o controle de armas “.

Segundo Macron, os parceiros europeus que desejam podem ser “associados” a exercícios franceses de dissuasão nuclear, mas por outro lado a França jamais compartilharà sua capacidade nuclear com outras nações da Europa.

“Esse diálogo estratégico e essas trocas participarão naturalmente do desenvolvimento de uma verdadeira cultura estratégica entre os europeus”, afirmou o chefe de Estado francês.

  • Com informações da Valeurs Actuelles, RFI, AFP via redação Orbis Defense Europe.


Receba nossas notícias em tempo real pelos aplicativos de mensagem abaixo:

 

Caso deseje conversar com outros usuários escolha um dos aplicativos abaixo:



Assine nossa Newsletter


Receba todo final de tarde as últimas notícias do DefesaTV em seu e-mail