Mais de 300 presentes em funeral de herói da 2a Guerra Mundial que morreu sem família

O funeral de Jim Auton(Imagem: Anna Draper / Lincolnshire Echo)

Centenas de pessoas, provavelmente bem mais que 300, compareceram ao funeral de um herói da Segunda Guerra Mundial altamente condecorado, depois que correu a noticia de que ele não tinha família para comparecer ao culto.

A Royal Air Forces Association (RAFA) organizou o funeral de Jim Auton MBE com a ajuda de seu amigo Paul Tricket depois que ele morreu em 18 de janeiro deste ano e não tinha parentes sobreviventes ou descendentes, algo cada vez mais comum entre europeus.

A RAFA providenciou para que o esquadrão de honra da Rainha levasse o caixão de Jim e também um sobrevôo de aeronaves da base de RAF Waddington para prestar homenagem, e fez um apelo pùblico na cidade para que as pessoas comparecessem se possìvel.

Comovente, cerca de mais de 300 pessoas compareceram à cerimônia realizada nessa quinta-feira, 6 de fevereiro, na Igreja de Santa Maria Madalena, em Newark-UK.

Funcionários da RAF Cranwell, RAF Waddington e do Consulado Geral da República da Polônia em Manchester, Leszek Rowicki, compareceram ao funeral.

Durante o culto, Rowicki leu uma carta de agradecimento do governo polonês e sua voz falhou ao chamar Jim de “verdadeiro amigo da Polônia”.

Ele disse: “Jim era um verdadeiro amigo do povo polonês.

“Ele era um herói aclamado que serviu às nações britânica e polonesa e nunca desistiu de construir pontes entre nós.

Jim, nascido em 13 de abril de 1924, cresceu em um campo de pouso ativo da RAF. Depois de testemunhar a devastação da Blitz durante a 2a Guerra, ele se juntou à RAF na esperança de se tornar um piloto do Spitfire, mas acabou sendo treinado novamente como um apontador de bomba.

Jim voou 37 missões com o 178 Squadron antes de se ferir gravemente aos 20 anos, perdendo a visão no olho direito e sofrendo ferimentos na cabeça e no peito. Ele deixou RAF logo depois, partindo para a reserva.

Ele se casou com sua esposa Peggy, em março de 1948, mas ela faleceu em 2016. Depois de sua morte, Jim disse que sempre sentia muita falta dela.

Ao longo de sua vida, Jim estabeleceu seu próprio negócio e viajou pelo mundo, fazendo conexões e boas relações em muitos lugares de alto padrão.

Ele aprendeu judô com a equipe olímpica japonesa e até jantou no Kremlin em Moscou, o que levou as forças de inteligência britânicas a tentarem recrutá-lo duas vezes devido a suas valiosas conexões.

Jim recebeu 20 medalhas ao longo de sua vida, incluindo a Cruz do Comandante da Ordem do Mérito da República da Polônia, que lhe foi entregue nos últimos meses de sua vida.

Ailsa Gough, administradora de divisão da RAF Association, conheceu bem Jim poi o encontreou muitas vezes e o descreveu como um “homem bonito e espirituoso, com um brilho na RAF nos olhos”.

Ela disse: “Por tudo o que ele conseguiu, ele era um homem muito modesto.


“Ele tinha um senso de humor muito seco e, ouso dizer, um brilho da RAF nos olhos.

“Quando você pensa em todas as vidas que foram salvas por causa do que elas fizeram. A coragem de voar tão baixo sobre o território inimigo, sob o fogo, é simplesmente notável.

Com informações do Linconshire Live e fotos de Anna Draper via redação Orbis Defense Europe.

You may also like