Marinha do Brasil celebra 39º Aniversário do Programa Antártico Brasileiro

Em 1984, a Estação Antártica Comandante Ferraz (EACF) foi inaugurada, recebendo sucessivos aprimoramentos e melhorias e tornou-se importante base de apoio

blank
Foto: Marinha do Brasil

A Antártica segue reafirmando, a cada ano, sua importância para a humanidade, entre outros motivos, por ser o maior depósito de água doce do mundo e fonte de recursos naturais diversificados; pela influência na temperatura do planeta e no nível dos oceanos; além de disponibilizar um verdadeiro laboratório natural.

Em 1975, o Brasil aderiu ao Tratado da Antártica reconhecendo o valor científico e a importância geopolítica e estratégica do continente gelado. Em 12 de janeiro de 1982, foi atribuída à Comissão Interministerial para os Recursos do Mar (CIRM) a responsabilidade pela elaboração do Programa Antártico Brasileiro (PROANTAR) que, hoje, celebra seu 39º aniversário.

Nesse mesmo ano, o País iniciou as atividades regulares na região com a bem-sucedida condução de sua primeira Operação Antártica (OPERANTAR I), permitindo que, em 1983, fosse reconhecido como Membro Consultivo do Tratado.

Em 1984, a Estação Antártica Comandante Ferraz (EACF) foi inaugurada, recebendo sucessivos aprimoramentos e melhorias e tornou-se importante base de apoio para o desenvolvimento de pesquisas científicas até 2012; quando, grande parte de sua estrutura foi comprometida por um incêndio.

Após intensos trabalhos de reconstrução, a nova EACF foi inaugurada em 15 de janeiro de 2020, representando uma ampliação na qualidade das instalações, garantindo maior segurança, conforto e condição de trabalho.

Esse complexo de cerca de 4.500 m², divididos entre os setores privativo, social, de serviços e operação/manutenção, além dos laboratórios equipados para atender diversas áreas do conhecimento, é a principal estrutura para o desenvolvimento das pesquisas científicas que garantem a participação brasileira nas decisões sobre o futuro da Antártica.

Em um momento atípico e desafiador, imposto pela pandemia da COVID-19, o PROANTAR mostrou se resiliente ao adequar o planejamento e a execução da OPERANTAR XXXIX, ora em curso. Atendendo as diretrizes da Diretoria de Saúde da Marinha e do Conselho de Gerentes de Programas Antárticos Nacionais, foram realizados períodos de quarentena prévios aos deslocamentos do Navio de Apoio Oceanográfico “Ary Rongel” e do Navio Polar “Almirante Maximiano” para a Região Austral; os militares e civis participantes da missão foram testados para COVID-19; e os cuidados como distanciamento social e medidas adicionais de higiene pessoal e coletiva estão sendo praticados.

A fim de minimizar a movimentação de meios e de pessoal para a Região Antártica, as atividades do PROANTAR estão restritas àquelas essenciais.

As pesquisas científicas de campo na região antártica foram postergadas, mas continuam em andamento aquelas baseadas na aquisição remota de dados, as análises laboratoriais das amostras previamente coletadas e os levantamentos hidrográficos locais, sob responsabilidade da Marinha do Brasil.

As restrições impostas na travessia de fronteiras nacionais também exigiram alterações significativas na forma usual de operações. O ressuprimento da EACF durante o inverno, feito por meio do lançamento de cargas por paraquedas, foi conduzido, de forma inédita, a partir da cidade de Ushuaia, na Argentina.

Ainda em 2020, durante a 204ª Sessão Ordinária da CIRM, foi aprovada a criação do Grupo
Técnico “POLANTAR”, com a finalidade de identificar oportunidades de aperfeiçoamento da Política Nacional para Assuntos Antárticos e elaborar uma eventual proposta para sua atualização.

Os trabalhos desse grupo interinstitucional estão em estágio avançado e apresentarão, em breve, uma política, atualizada e abrangente, que fortaleça o atendimento dos interesses e oriente as ações do Brasil na Antártica.

A Marinha do Brasil segue modernizando seus meios empregados na Região Polar, a fim de garantir a adequada condução das tarefas afetas à Força e a necessária segurança das operações realizadas em ambiente complexo e desafiador.

Durante a OPERANTAR XXXIX, estão sendo usadas, pela primeira vez no Continente Antártico, as recém-adquiridas aeronaves UH-17, ampliando a capacidade das operações aéreas embarcadas, otimizando a flexibilidade às atividades logísticas e o suporte aos projetos científicos do PROANTAR.

Também se encontra em andamento o processo de aquisição do novo Navio de Apoio Antártico, que ampliará as capacidades logísticas e de pesquisa do Brasil na Antártica.

Dessa forma, ao comemorar mais um aniversário do PROANTAR, manifestamos nosso orgulho pelas conquistas alcançadas ao longo de 39 anos de existência e nos preparamos para os futuros desafios.

Expressamos nossos cumprimentos aos parceiros nessa jornada, pesquisadores, militares, diplomatas e funcionários dos distintos Ministérios e Instituições que integram este importante Programa de Estado.

  • Com informações do CCSM