Marinha do Brasil celebra 56 anos de criação do Esquadrão HS-1

O esquadrão tem como missão principal detectar, localizar, acompanhar e atacar submarinos (ASW) e alvos de superfície (ASuW), contribuindo dessa maneira para a proteção das Forças Navais

blank

A Marinha do Brasil (MB), por meio do Comando da Força Aeronaval (ComForNav) celebra neste dia 28 de maio, 56 anos de criação, do Primeiro Esquadrão de Helicóptero Antissubmarino (Esquadrão HS-1), através do Aviso Ministerial nº 0830, que deu vida ao Esquadrão “GUERREIRO”.

O início das operações do esquadrão se deram com aeronaves Sikorsky SH-34J apelidadas de “Baleias” por suas tripulações, as quais vieram provenientes da Força Aérea Brasileira (FAB) e utilizadas entre 1965 e 1974.

blankNo início da década de 70, os primeiros helicópteros Sikorsky SH-3 “Sea king” chegaram dos Estados Unidos, representando um passo importante para que novas marcas fossem alcançadas, com seus grandes avanços tecnológicos.

Tais máquinas foram ao longo de décadas símbolo de imponência e hoje de nostalgia, aos que tiveram a honra de operá-las. Entretanto, após mais de quatro décadas de uso, novamente fez-se necessária uma mudança para acompanhar a evolução tecnológica da Guerra Naval.

blankEm 2012, os Sikorsky SH-16 Sea hawk foram incorporados, aeronaves mais modernas e dotadas de sensores de última geração. As três gerações de aeronaves foram mantidas e operadas de maneira segura e profissional para contribuir com a Marinha na tarefa de estar pronta para defender o Brasil e a “Amazônia Azul”. Em 2018 o esquadrão alcançou a marca de 5.000 horas voadas na aeronave SH-16.

Durante esses 56 anos, foram voadas cerca de 70.000 horas e realizados mais de 12.000 pousos a bordo no Navio Aeródromo Ligeiro (Nael) Minas Gerais, nos Navios de Desembarque Doca e de Canos de Combate, no Navio Aeródromo (NAe) São Paulo, no Navio Doca Multipropósito (NDM) Bahia e mais recente no Navio Aeródromo Multipropósito (NAM) Atlântico, além de navios de Marinhas Amigas.

blankAinda, neste hiato de tempo, conta-se as incontáveis inspeções de manutenção nas aeronaves, lançamento de torpedo, pouso a bordo noturno, reabastecimento em voo com navios e voo por instrumentos, além de realizarem transporte de órgãos, chefes de Estado, salvamento de náufragos do mar e ajudados populações em situação de calamidade.

Apesar da grandeza e importância de tudo que já foi feito, nunca foi perdido o foco da nobre e verdadeira vocação, operar sensores aerotransportados em voo sobre o mar, de dia e de noite, em condições que poucas Marinhas do mundo o fazem, a fim de detectar, localizar, acompanhar e atacar submarinos.

  • Nota do Editor: A DEFESATV parabeniza a todos os membros do Esquadrão Guerreiro de ontem, de hoje e de sempre por esta data, a qual o HS-1 chega. Se não fosse a vontade dos pioneiros aliado a garra e a coragem de quem faz o dia a dia do esquadrão a 56 anos, hoje seria apenas mais uma data comum no calendário…Bravo Zulu Guerreiros.

AD ASTRA PER ASPERA

É árduo o Caminho para os Astros!