Marinha do Brasil vai cotar serviços para concluir construção de navios-patrulha no AMRJ

A Marinha do Brasil (MB) pretende contratar mão de obra terceirizada para finalizar dois navios-patrulha que não foram concluídos pelo estaleiro Ilha S.A. (Eisa) e que foram transferidos para o Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro (AMRJ).

O Navio-Patrulha (NPa) Maracanã P-72, que chegou a ser lançado ao mar e está mais adiantado, se encontra docado no Arsenal.

A embarcação possui 54,2 metros de comprimento e deslocamento de 500 toneladas, sendo pertencente à Classe Macaé, que já possui duas unidades em operação: Macaé (P70) e o Macau (P71). Já as obras do NPa Mangaratiba, que está armazenado em área coberta, estão menos avançadas.

“Nossa intenção é contratar uma empresa de grande porte ou um estaleiro para continuar essas obra aqui no Arsenal”, revelou o diretor do AMRJ, contra-almirante José Luiz Rangel, na última terça-feira (2), durante o 2º seminário de manutenção de navios militares, promovido pela Sociedade Brasileira da Engenharia Naval (Sobena), em parceria com a MB.

A previsão da Marinha é que as obras para concluir as duas embarcações durem entre um ano e meio e dois anos. “Nesse período o Arsenal vai contratar muitas empresas para trabalhar diretamente nessas obras”, acrescentou Rangel. Ele ressaltou que os equipamentos desses navios-patrulha já foram comprados pela força naval.

Rangel disse que a carteira de obras atual é grande e que, apesar das dificuldades, o estaleiro vem conseguindo cumprir os prazos. Atualmente, o AMRJ tem outros dois navios docados: NPo Almirante Maximiano e o NApOc Ary Rongel, com reparos que começaram em maio e devem durar até setembro.

O AMRJ tem em torno de 2.700 funcionários entre militares e civis, que trabalham nos três submarinos (Tikuna, Tamoio e Timbira) que estão em fase de reparo.

O projeto ‘Fênix’ prevê a revitalização de três fragatas (Liberal, União e Independência), com investimentos para modernizar armamento e reparos principalmente na parte de propulsão.

A MB também prepara a docagem do porta-helicóptero multipropósito Atlântico, visando reparos estruturais que devem durar entre um ano e um ano e meio. Também na fila está a corveta Barros, outra obra de maior porte, prevista para começar em junho 2020 e durar dois anos.

Carteira atual do AMRJ

  • Fragata Defensora (previsão de conclusão em abril de 2020) – PMG*
  • Fragata Rademaker (previsão de conclusão em julho de 2019) – PDE**
  • Fragata Greenhalgh (reparos de 2º escalão)
  • NDCC Mattoso Maia (reparos de 2º escalão)
  • PHM Atlântico (reparos de 2º escalão)

Reparos de 2 de maio a 30 de setembro de 2019

  • NPo Almirante Maximiano (PMG 2019)
  • NApOc Ary Rongel (Período de docagem de rotina 2019)

Submarinos

  • Submarino Tikuna (maio de 2016 a julho de 2021) – PMG
  • Submarino Tamoio (julho de 2016 a novembro de 2021) – PMG
  • Submarino Timbira (abril a julho de 2019) – PDE

Carteira futura do AMRJ

  • Fragata Independência (PME UNIFIL*** – julho a setembro de 2019)
  • Fragatas Liberal, União e Independência (PME – fevereiro de 2020 a novembro de 2021) – Projeto Fênix
  • PHM Atlântico – Reparos diversos de grande porte
  • Corveta Barroso (PMG – junho de 2020 a junho de 2022)
  • Submarino Tupi (Período de manutenção atracado – julho de 2019 a agosto de 2019)

    * Período de Manutenção Geral (PMG)
    ** Período de Manutenção Extraordinária (PME) 
    *** Força Interina das Nações Unidas (ONU) no Líbano (Unifil)

  • Com informações do site Portos e Navios, por: Danilo Oliveira


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here
Enter the text from the image below