Marinha do Chile monitora 410 barcos pesqueiros chineses rumando ao Atlântico Sul via Estreito de Magalhães

blank
Foto por Armada de Chile, autor não declarado.

A Marinha do Chile continua monitorando a frota pesqueira chinesa que estava na costa do Peru e que já começou a se mover para o sul em trânsito pelo Atlântico, em busca do recurso de lula vermelha para continuar sua pesca. Hoje, do total da frota, 74 embarcações encontram-se na Área de Responsabilidade de Busca e Resgate (SAR) atribuída ao Chile, mas fora da Zona Econômica Exclusiva.

Especificamente, 64 embarcações estão na costa da região de Arica e Parinacota, 8 na região de Tarapacá e 2 navegando com rumo e velocidade constantes na região do Biobío, rumo ao Estreito de Magalhães. O navio mais próximo de nosso país está a 300 milhas náuticas de Arica, o equivalente a aproximadamente 556 quilômetros.

É por isso que a Marinha do Chile mantém uma vigilância permanente de sua área de responsabilidade, 24 horas por dia e 7 dias por semana, através do Centro de Monitoramento e Análise da Direção Geral de Marítimo e Território Marinho. Mercador (Directemar), obra que vem sendo reforçada com a implantação de meios navais e navais.

Uma aeronave “Casa P-295” e o Navio de Patrulha Oceânica (OPV) “Cabo Odger” já realizaram operações de vigilância, no dia 30 de novembro, aos barcos pesqueiros que estão na área SAR. A operação, aproveitando a versatilidade dos meios de que dispõe a Instituição, foi realizada com o objetivo de controlar a atividade pesqueira exercida em alto mar, contribuindo para o esforço do Estado do Chile no cumprimento das normas e tratados internacionais.

Os navios estrangeiros, uma vez iniciado o trânsito, partem de seus pesqueiros, em direção geral ao sul, até a Foz Ocidental do Estreito de Magalhães para fazer a travessia Boca a Boca e se dirigir ao Oceano Atlântico para continuar suas atividades extrativistas.

De fato, no dia 27 de novembro, dois barcos de pesca chineses já cruzavam o Estreito de Magalhães e abandonavam as águas nacionais, que eram controladas e monitoradas por unidades e aeronaves da Marinha nas diferentes áreas navais e constantemente vigiadas pelos quartos. Controle de Tráfego Marítimo e Central de Monitoramento e Análise.

Na sua navegação pelo Estreito de Magalhães, o pessoal dos Faróis Habitados de Félix e Fairway também se juntou à vigilância e controlo efectuados; do Prefeito de Mar de Tortuoso; o embarque e assessoria de pilotos para o trecho Punta Arenas – Foz Leste do Estreito de Magalhães, controlado pela Capitania do Porto de Punta Delgada e a Estação de Controle de Tráfego Marítimo do Farol Punta Dungeness.

Recorde-se que a frota estrangeira que opera no Pacífico é composta por cerca de 410 embarcações de pesca e 14 embarcações de apoio logístico e atualmente a maior parte está concentrada em águas internacionais, número que varia em função da dinâmica de uma mesma atividade. pesca.

blank
Fonte: https://www.armada.cl/armada/noticias-navales/armada-continua-el-monitoreo-de-flotas-pesqueras-extranjeras/2020-12-04/111642.html
  • Fonte: Armada de Chile, via redação Orbis Defense Europe.