Marinha dos EUA começa a delinear seu plano para navios de guerra menores …

Marinha dos EUA começa a delinear seu plano para navios de guerra menores …

 Reduzir o número de grandes navios de guerra e a adição de fragatas poderia ajudar a reduzir o custo de uma frota maior. Um destróier de classe Arleigh Burke com deslocamento de 9.000 toneladas custa mais de US $ 2 bilhões. Uma fragata, deslocando apenas 5.000 toneladas, deve custar cerca de US $ 1 bilhão, segundo a Marinha americana. 

Mas a fragata ainda poderia carregar muitas das mesmas armas e sensores que um destróier faz. 

De acordo com um documento da Marinha que o Serviço de Pesquisa do Congresso obteve, a fragata virá munida de uma arma de 57 milímetros, um lançador vertical de míssil de 32 células para mísseis SM-2 Block IIIC e Evolved Sea Sparrow, um ponto de 21 defesa lançador de míssil Rolling Airframe e oito lançadores de mísseis anti-navio over-the-horizon.

Seu sistema de radar e combate será uma versão menor do sistema Aegis que equipa os contratorpedeiros e cruzadores da Marinha. A fragata embarca em um helicóptero MH-60R e um drone MQ-8C. Esse conjunto de armas e sensores deve dar à fragata a capacidade de engajar aeronaves inimigas, navios e submarinos a uma distância de 100 milhas ou mais. 

Com o tempo, o navio poderia ganhar armas adicionais. O documento da Marinha refere-se a melhorias potenciais para a fragata, incluindo um laser de 150 quilowatts e um míssil anti-submarino, que poderia ser um torpedo impulsionado por foguetes semelhante em conceito ao defunto míssil ASROC.

Mas o SM-2 Block IIIC, do qual a fragata poderia transportar 32, poderia ser a arma mais potente do novo navio. O Block IIIC substitui o buscador semi-ativo do radar-homing em SM-2s mais antigos com o buscador ativo de radar do míssil SM-6. O buscador do SM-6 em si é um derivado do Míssil Ar-Ar de Médio Alcance Avançado. 

Com um míssil semi-ativo, o navio de lançamento deve usar seu próprio radar para guiar o míssil pela maior parte de seu voo. Um míssil ativo tem seu próprio radar minúsculo, permitindo que o navio lançasse e saísse, protegendo-o de ataques retaliatórios.

O SM-2 Block IIIC pode fazer muito mais do que simplesmente derrubar aeronaves. Com pequenos ajustes para o radar de busca, a Marinha já deu à capacidade anti-navio dos mísseis SM-6 e SM-2 Block IIIC. Ajustes adicionais podem permitir que o SM-6 – e por extensão o SM-2 Block IIIC – acerte alvos em terra. 

A nova fragata também poderia funcionar como uma embarcação de comando para embarcações robóticas, usando links de dados Link 11 e Link 16, comunicações por satélite e Network Tactical Common Data Link para ajudar os navios não tripulados a navegar e autorizá-los a disparar armas. 

A Marinha Americana em breve poderia selecionar um estaleiro para construir a nova classe de fragata a partir de 2020. “Todos os estaleiros concordaram que podem dar a letalidade que precisamos”, disse Merz.

Eu não estou entendendo alguma coisa aqui. 

A US Navy tem nas Fragatas a metade da carga útil, 4,5 mil toneladas mais leves, no entanto, o custo ainda é metade do de uma classe Burke? 

Isso não parece ser uma grande barganha. 

Qual é melhor. 20 fragatas ou mais 10 Burke? Operações distribuídas parecem boas, mas eu não estou vendo a economia dessa coisa realmente funcionando a  favor da US NAVY. 

Estão perseguindo um número de frota ou estão indo para uma frota mais letal e com maior poder de sobrevivência que pode ficar cara a cara com os chineses? Se é o último do eles precisam de mais Burkes, não Fragata (já tem uma bagunça de LCS). Se for o primeiro, preciso saber por que isso faz sentido. 
 
Tudo se resume a qual é o melhor. Quantidade ou Qualidade? É o que a Marinha tem que decidir.

Ah ia esquecendo de mencionar, a partir  do mês passado a maior  marinha do mundo  é a chinesa e  eu  já   havia  previsto isto em um artigo lá de novembro de 2018.

Assim como a China transformou sua economia em um curto período de tempo, o mesmo aconteceu com seus militares. A marinha chinesa tornou-se a maior do mundo, e não há chances realistas de que os Estados Unidos consigam acompanhar seu atual programa de construção naval. Somando isso, os Estados Unidos têm um papel naval global e não conseguem concentrar todas as suas forças navais perto das costas da China. O equilíbrio do poder naval no Pacífico oriental mudou para a China.

Sim. Eles têm superioridade no Pacífico. Essa não é a verdadeira notícia. Você já ouviu alguém dizer que a China tem a maior marinha do mundo agora? Claro que  não  todos  tem tratado esta realidade como absoluto  segredo, mas a verdade  é que isto é muito preocupante.

O poder marítimo da China foi multiplicado por sistemas de mísseis anti-navio baseados em terra. O PLA Rocket Force instalou no continente uma nova geração de mísseis antiaéreos de médio alcance, o DF21-D (com um alcance de novecentas milhas) e o DF26-D (um alcance de mil e seiscentos ). Acredita-se que eles sejam potencialmente capazes de atingir alvos navais, incluindo grupos de batalha de transportadores da classe Nimitz, a mais de dois mil e quinhentos quilômetros da costa da China.

 Ao longo de suas costas costeiras nos Mares da China, incluindo o Estreito de Taiwan, a China é a principal potência marítima – um ponto observado pelo almirante Philip Davidson, comandante do Comando Indo-Pacífico, quando descreveu a China como “concorrente de pares” e um ” capaz de controlar o Mar da China Meridional em todos os cenários aquém da guerra com os Estados Unidos. Considerando que os porta-aviões dos EUA não podem mais operar dentro da primeira cadeia de ilhas, essa avaliação subestimada ressalta que a era do domínio naval americano, particularmente no leste da Ásia, está terminando. 

Este é o real motivo pelo qual a US NAVY vem procurado colocar cada vez mais  navios  no mar a menor  custo! É por isso que acredito que a guerra ao terror tenha sido um fracasso absoluto. 

Enquanto os EUA estavam perseguindo terroristas no deserto, os chineses os superaram na uma área que nós tanto os EUA como o Brasil, que  são países  com amplo envolvimento comercial e estratégico em suas áreas  marítimas, e aonde se deve ser supremos, que é a área das Forças navais. 

Isso tem implicações que a maioria não ousa considerar. Mas todos foram avisados ​​e, em vez de agir, permitiram que a ganância superasse o bom senso, lá nos anos 80 quando decidiram alimentar a fera que os iam mais a frente lhes morder, ninguém ligou, com base nisto e em diversos interesses a US NAVY perdeu tempo e eles os alcançaram. E agora eles os superaram e ficam procurando  soluções de baixo  custo. 

A única questão é essa. 

Até que ponto os chineses estão longe da vitória perfeita?

Veremos mais capítulos desta história em breve.

JG

5 COMENTÁRIOS

    • QUEM FALA ISTO É O BRITISH REGISTER OF SHIPING – VCS TEM A MANIA DE VEREM APENAS A MARINHA DE LINHA DE COMBATE E NAO O TODO – LEMBRANDO AINDA QUE A MARINHA CHINESA INCORPORA AS FORÇAS DE TERRAS COSTEIRAS E A SUA MARINHA MERCANTE QUE CONTRARIAMENTE A DOS EUA FAZ PARTE DA MARINHA DE GUERRA COMO SUPORTE DE APOIO A FORÇA PRINCIPAL.

  1. Vantagem chinesa é real , devido a guerra ao terror. Aqui no Brasil eles forçaram a venda os graneleiros VELEMAX e de sua patente pela vale com conluio do PT. No mar na força ou no comércio eles são melhores que o Trump. a Tal rota da seda seduziu a grécia e a itália.

  2. Quem escreveu as asneiras dessa “matéria” estava totalmente drogado, sem dúvidas, quanta asneira, ainda mais na parte que diz que a China possui a maior Marinha do mundo kkkkk, mesmo que fosse, não são só os EUA no Pacífico, Japão, Austrália, Indonésia, Vietnam e outros mandam abraços

    • VÁ SE INFORMAR ANTES DE CRITICAR E OFENDER ! QUEM FALA ISTO É O BRITISH REGISTER OF SHIPING – VCS TEM A MANIA DE VEREM APENAS A MARINHA DE LINHA DE COMBATE E NAO O TODO – E O QUE FALEI FOI UMA A UMA E NAO UM CONJUNTO DE ALIADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here
Enter the text from the image below