Milícias de cidadãos armados crescem e se organizam frente aos distúrbios na África do Sul

blank
Imagem de captura de tela de vídeo Telegraph South Africa.

Google News

Devido à completa ausência das forças policiais e até mesmo da conivência dessas com os grupos de BLM (Burn-loot-murders) que estão destruíndo a infraestrutura comercial das cidades sul-africanas, os cidadãos da maioria das comunidades resolveram organizar milícias para proteger as comunidades e combater os distúrbios na África do Sul.

Um dos principais motivos da mobilização das milícias é também que os protestos se transformaram em uma verdadeira “caçada aos homens brancos”, já que os movimentos dos “burn-loot-murders” está usando a população branca como bode expiatório para a situação política complicada dos políticos do país.

Isso se tornou uma necessidade de sobrevivência devido ao fato de que as forças policiais e empresas de segurança estão falhando totalmente em conter os saqueadores e outros criminosos.

Contrariamente ao que é divulgado por ONGs de direitos humanos da Africa do Sul e algumas grandes mídias politizadas, as milícias não são exclusividade dos bairros de cidadãos brancos, mas também de cidadãos negros, e muitas dessas milícias estão em plena colaboração mútua para defender suas comunidades contra os bandos de “burn-loot-murders” e outros criminosos que estão usando da desculpa de protestos políticos para promover crimes e terrorismo híbrido.

Com falta de pessoal e fortemente dependente de empresas de segurança privada, a polícia foi rapidamente oprimida quando tumultos e saques ocorreram pela primeira vez há sete dias na província de KwaZulu-Natal (KZN), provocados pela prisão do ex-presidente acusado de corrupção, Jacob Zuma.

Nas redes sociais também existem milhares de vídeos mostrando que além de omissas e coniventes, muitos integrantes das forças policiais estão até mesmo participando dos saques, principalmente contra comércios de propriedade de cidadãos brancos ou de cidadãos negros que se recusam a participar ou apoiar os movimentos de distúrbios e revoltas.

Em julho, a Ministro na Presidência Khumbudzo Ntshavheni advertiu contra “uma situação onde os membros do público estão “fora da lei” depois que suas tentativas de proteger … suas vidas e suas próprias vidas”. “Não infrinja os direitos dos outros e não faça justiça com as próprias mãos”, disse ela.

Depois ponderando-lo em 14 de julho, no dia seguinte, África do Sul começou a mobilização de mais de 20.000 soldados para ajudar a polícia em reprimir os tumultos.

De acordo com os relatórios mais recentes, o número de mortos é de pelo menos 117, enquanto fontes extra-oficiais avaliam pelo menos 200 mortos e milhares de feridos.

Em uma das maiores mobilizações de soldados desde o fim do regime de minoria branca, em 1994, o governo disse que 10.000 soldados estavam nas ruas na manhã de 15 de Julho e a Força de Defesa Nacional Sul-Africano também convocou toda a sua força de reserva de 12.000 soldados.

Em uma demonstração de força, um comboio de mais de uma dúzia de veículos blindados trouxe soldados na província de Gauteng, África do Sul mais populoso, que inclui a maior cidade, Joanesburgo, e na capital executivo, Pretória.

Ônibus, caminhões, aviões e helicópteros também estavam sendo usados ​​para mover o grande deslocamento de tropas para pontos problemáticos em Gauteng e na província de KwaZulu-Natal, que sofreram uma semana de violência principalmente em áreas pobres.

Mais de 2.200 pessoas foram presas, disse o ministro interino na presidência, Khumbudzo Ntshavheni, em entrevista coletiva, acrescentando que Joanesburgo agora está “relativamente calmo”.

  • Com informações France Inter, Reuters, Independent Press SA, Channel 99News SA, BBC e STF Analysis & Intelligence via redação Orbis Defense Europe.


Receba nossas notícias em tempo real nos seguindo pelos aplicativos de mensagem abaixo:

blank
blank

Assine nossa Newsletter


Receba todo final de tarde as últimas notícias do DefesaTV em seu e-mail, é de graça!

Assista nosso último episódio: