Militante do Talebã e outros suspeitos foram evacuados como refugiados para a França

blank
Imagem ilustrativa via redes sociais.

Cinco membros da mesma família, todos homens, segundo o Ministério do Interior, foram colocados sob vigilância depois de suspeitas de ligações com o Talebã mesmo depois de serem evacuados de Kabul para uma base militar francesa em Abu Dhabi. Apenas um deles admitiu pertencer ao Talebã, e, os demais se contradizem o tempo todo com as informações prestadas e as apresentadas pelas autoridades.

Um deles admitiu ter atuado como militante ativo, sendo este inclusive líder de um grupo de combate e responsável de um bloqueio Talebã em Kabul durante a recente tomada da cidade.

As autoridades francesas não comentaram como que esses homens conseguiram passar pelas checagens de segurança em Kabul e na base francesa em Abu Dhabi.

E de outro lado, fontes militares anônimas de várias nacionalidades comentam que é grande o índice de afegãos usando documentos falsos ou roubados para tentar embarcar como ex-colaboradores da OTAN ou de governos ocidentais que estavam no Afeganistão, e, a urgência de pricedimentos e emotividade da situação está comprometendo gravemente a segurança de tudo.

O Ministério do Interior considera, portanto, que “há sérias razões para acreditar que o comportamento dessa família de afegãos ditos “ex-talebans” constitui uma ameaça particularmente grave para a segurança e ordem públicas”.

As informações que estão aparecendo sobre os refugiados que chegam à França são inquietantes e que não deixaram de indignar a opinião pública e de várias personalidades políticas, não bastassem os fatos da situação da grande quantidade de homens jovens e a ínfima minoria de mulheres e crianças entre os evacuados.

O governo deve explicar aos franceses o que impediria esses indivíduos de serem expulsos com urgência absoluta (-LR) da região de Hauts-de-France.

O presidente LR da região de Île-de-France seguiu o exemplo à noite, em um tweet acusador contra o governo: “No avião francês que evacuava afegãos havia 5 indivíduos suspeitos de serem membros do Taleban. Se isso for verdade, eles não têm nada para fazer em nosso território e deve ser expulso sem demora! “.

Ponto de vista compartilhado por Eric Ciotti, deputado do LR para Alpes-Maritimes: “O risco da quinta coluna está aí. O Taleban pode enviar seus soldados para a França em meio a uma enxurrada de refugiados” , comentou no Twitter, chamando o governo ” controlar as repatriações com muito mais rigor ” .

Um argumento de segurança compartilhado pelo presidente do Rassemblement Nacional. “O ‘dever’ de acolher a França fica em segundo plano quando a segurança dos franceses é ameaçada. Este imperativo faz sentido, exceto para … o governo!”, Tuitou Marine Le Pen .

Valendo lembrar que a preocupação é muito válida, pois praticamente 90% dos ataques terroristas cometidos nos últimos 10 anos na Europa foram efetuados por imigrantes de países com atuação de grupos do terrorismo islâmico e estes gozavam de status de “refugiados” ou obtiveram a nacionalidade francesa de maneira suspeita ou fraudulenta.

“Não houve falhas” na vigilância dos afegãos repatriados, se defende o ministro Gérald Darmanin

Não houve “falha” no controle de cidadãos afegãos evacuados, o ministro Gérald Darmanin se defendeu em resposta ao canal de TV FranceInfo na terça-feira, 24 de agosto.

“Queríamos que todos os afegãos que saíram de Cabul para passar pela base militar francesa em Abu Dhabi” fossem verificados pelos serviços de segurança franceses, explicou ele, garantindo que “todos nós conhecemos as pessoas que chegaram ao nosso solo, trazidas de volta pelo Exército francês ” .

O principal suspeito “é hoje, ele e os seus contactos, monitorizados pela Direcção-Geral de Vigilância Interna (DGSI) e geolocalização” com “uma série de obrigações” de respeitar, defendeu também, antes de criticar “os que estiveram no governo e dizemos enormidades, uma vez que apenas cumprimos o nosso trabalho de proteger os nossos concidadãos ”.

Quando o vôo chegou a Abu Dhabi, o DGSI “fez o trabalho que não poderia fazer em Cabul” , conduzindo negociações de segurança, ele já havia dito à AFP antes. O ministro acrescentou que não tinha “tido outro feedback da DGSI” quanto a outros nacionais que poderiam estar no mesmo caso. “No entanto, somos extremamente cuidadosos” , disse ele.

Por que a repatriação e/ou expulsão deles é algo complicado

No entanto, esses indivíduos não poderiam ser expulsos da França por diversos motivos. Primeiro, um dos afegãos, embora ligado ao Taleban, teria ajudado a evacuar franceses de Kabul, incluindo jornalistas, afegãos e policiais da embaixada francesa, para serem levados ao aeroporto. Devolvê-lo ao Taleban seria o mesmo que colocá-lo em perigo.

Então, a expulsão de um indivíduo do território nacional faz parte de um procedimento bem estruturado. Este último deve primeiro apresentar um pedido de asilo à prefeitura, que é aceite ou recusado. E uma OQTF (Obrigação de deixar o território francês) que obrigaria esse indivíduo a deixar a França em 30 dias só é emitida no caso de esse pedido de asilo ser recusado. E mesmo em caso de OQTF, a pessoa tem a possibilidade de interpor recurso, de recorrer. Portanto, é um procedimento relativamente longo.

Desde 8 de julho, a França suspendeu as expulsões de indivíduos para o Afeganistão, “em vista da deterioração da situação de segurança”, ligada à ascensão do Taleban.

Como é organizada a seleção de segurança para exfiltração de afegãos colaboradores da França

Tudo começa com uma lista de pessoas que foi pré-estabelecida pela Embaixada da França em Kabul, juntamente com o exército francês e os serviços de inteligência. Os controles são feitos em Abu Dhabi, então na França, durante uma operação de “triagem”, mas que aparentemente não está livre de problemas.

Cerca de 2.000 pessoas foram evacuadas do Afeganistão pela França, de acordo com dados divulgados por Jean-Yves Le Drian. Isso representa nada menos que 16 viagens aéreas desde que o Taleban assumiu o poder em 15 de agosto. “Uma façanha”, saudou o ministro das Relações Exteriores , que ainda impõe controles de segurança.

Os exfiltradores são aqueles que, por terem ajudado o Ocidente nos últimos vinte anos, arriscam suas vidas com a chegada ao poder do Taleban. Uma lista foi compilada pela Embaixada da França no Afeganistão, chefiada pelo alto funcionário David Martinon. Ele e sua equipe estão atualmente no aeroporto de Cabul e trabalham com o exército para receber os refugiados.

São apoiados por agentes dos serviços de inteligência, que lhes enviam nomes de pessoas que ajudaram, de forma mais discreta, as autoridades francesas. Durante o vôo entre Cabul e Abu Dhabi, a máquina de inteligência está realmente montada, com as primeiras verificações de segurança feitas assim que o avião pousa nos Emirados Árabes Unidos.

“A primeira coisa, como em qualquer aeroporto, é cuidar da segurança deles. Fazemos uma revista de cada um dos nacionais que coletamos. Também revistamos suas bagagens”, disse o coronel também à BFMTV. Yannick Desbois, comandante militar da Armée de l’Air em Abu Dhabi.

Uma fonte dos serviços de inteligência franceses explicou recentemente à BFMTV que os seus serviços realizaram então “rastreios” com requerentes de asilo, ou seja, entrevistas com migrantes, para compreender o seu percurso, as suas relações, a sua visão da religião e da França. Obviamente, a ideia é detectar possíveis perfis de risco ou de perigo para o país.

Em caso de suspeita, como é o caso de um dos cinco afegãos evacuados do país na última quarta-feira, o indivíduo é imediatamente colocado sob vigilância, por meio de “medida individual de controle e vigilância administrativa” (Micas), prevista nas leis antiterrorismo .

Este é enquadrado por um decreto do Ministério do Interior e terá a duração de três meses. Durante este período, eles não podem deixar um determinado território, neste caso Seine-Saint-Denis para os cinco indivíduos sob vigilância. Um deles não cumpriu essa obrigação e foi levado à custódia policial.

Eles também estão sujeitos a check-ins diários na delegacia. Se uma das obrigações não for cumprida, correm o risco de reclusão até três anos e multa de 45.000 euros. “A França é humana, mas também está vigilante”, disse Gérald Darmanin no Twitter.

  • Com textos adaptados das matérias originais de Jeanne Bulant, Patrick Sauce e Esther Paolini para a BFMTV e com informações LCI, Le Point, France Inter, France Info via redação Orbis Defense Europe/Genebra.