Militares brasileiras fazem história no Curso de Dobragem e Manutenção de Paraquedas e Suprimento pelo Ar

Neste ano, entre os brevetados, uma militar do Exército Brasileiro (EB) e outra da Força Aérea Brasileira (FAB) fizeram história

blank

O Centro de Instrução Paraquedista General Penha Brasil (CI Pqdt GPB), realizou, no dia 17 de setembro de 2021, a formatura de 17 novos especialistas concludentes do Curso de Dobragem e Manutenção de Paraquedas e Suprimento pelo Ar (C DoMPSA).

O curso, criado em 1952, tem, atualmente, a duração de 24 semanas e é dividido em quatro grandes fases, que são: 1ª fase – dobragem de paraquedas; 2ª fase – mestre de salto; 3ª fase – lançamento aéreo de suprimento; e, por fim, a 4ª fase – manutenção de material aeroterrestre.

blankPara ingresso no curso, os candidatos devem cumprir diversos pré-requisitos, entre eles, o de pertencer ao Serviço de Intendência e já ostentar o brevê do Curso Básico Paraquedista.

Neste ano, entre os brevetados, um fato histórico foi registrado. Uma militar do Exército Brasileiro (EB) e outra da Força Aérea Brasileira (FAB) foram especializadas pelo DoMPSA, fato inédito na formação aeroterrestre brasileira.

As pioneiras são a 3º Sargento do EB Gabriela Melo da Silva e a 3º Sargento da FAB Raniela Raica Finatto. As militares carregam consigo, além de muita superação, um vasto currículo operacional, tendo servido em unidades renomadas como o 1º Batalhão de Infantaria Mecanizado (Escola) e o Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento, respectivamente.

blankPara o Comandante Militar do Leste, General de Exército José Eduardo Pereira, é de grande importância que a tropa se mantenha adestrada e em condições de cumprir qualquer missão.

Durante a brevetação, em suas palavras, o Comandante parabenizou os concludentes do curso, composto por integrantes da Marinha do Brasil, do EB e da FAB, além de um representante do Exército Paraguaio. Ao final, o General destacou a conquista das duas militares brasileiras pioneiras, que receberam a justa homenagem durante a formatura que ocorreu na área de estágio do Centro de Instrução localizado na Vila Militar.

  •  Texto: 2º Tenente Ferrentini / Fotos: Cabo Francilaine