Militares dos EUA sofrem ataque no Afeganistão que deixa dois mortos e seis feridos

Dois soldados dos EUA foram mortos e outros seis ficaram feridos neste sábado (08), quando foram vítimas de um ataque cometido por um suposto soldado afegão, na região leste do Afeganistão, evidenciando a insegurança neste país em guerra há 18 anos.

“As informações atuais indicam que um indivíduo usando uniforme afegão abriu fogo com uma metralhadora contra um grupo de soldados americanos e afegãos”, declarou neste domingo o porta-voz das forças americanas no Afeganistão, Sonny Leggett.

Ele já havia confirmado que esses soldados haviam recebido “tiros diretos” na província de Nangarhar. Segundo o ministério afegão da Defesa, um soldado afegão também foi morto e três membros das forças de segurança da província feridos.

O ministério indicou que uma investigação está em andamento e garantiu que prosseguirá com os EUA a luta contra o “terrorismo”. O governador da província, Shah Mahmood Meyakil, disse em uma mensagem em áudio à imprensa que três soldados afegãos ficaram feridos.

Ele afirmou que não estava claro se o incidente foi um ato deliberado de uma pessoa “infiltrada” ou se foi um acidente. “Não houve confronto entre as forças. Estamos investigando”, disse Meyakil. O porta-voz das forças americanas também declarou que o motivo do ataque era desconhecido no momento. Não houve reivindicação do ataque.

O porta-voz do Talibã, Zabihullah Mujahid, não quis comentar o ataque, dizendo em uma mensagem à AFP que seu grupo estava “investigando”. Em uma rede social, o 7º Grupo de Forças Especiais do Exército dos EUA apontou que vários de seus soldados foram mortos ou feridos.

Ano passado foi o mais mortal para as tropas americanas no Afeganistão desde o final oficial das operações de combate em 2014.

Negociações complexas

Em dezembro, talibãs se infiltraram nas fileiras das forças armadas afegãs e mataram nove soldados afegãos no centro do país. Em julho, um soldado afegão matou dois soldados americanos em uma base militar afegã no sul da província de Kandahar.

O incidente ocorreu semanas depois que outro soldado afegão matou um coronel do exército afegão na província de Ghazni.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reafirmou no Congresso na terça-feira seu desejo de retirar os soldados americanos do Afeganistão, insistindo que o seu país não tem vocação para manter a ordem em território afegão.

“No Afeganistão, a determinação e o valor de nossos combatentes nos permitiram fazer enormes progressos e as negociações de paz estão em andamento”, disse ele durante seu discurso sobre o Estado da União.

“Não é nosso papel servir de agente de manutenção da ordem para outros países”, acrescentou, reafirmando seu desejo de “acabar com a guerra americana mais longa e trazer de volta nossas tropas para casa”.

“Estamos trabalhando para acabar com as guerras americanas no Oriente Médio”, disse ele.

Os Estados Unidos negociam há um ano e meio com o Talibã um acordo que deve permitir que o exército americano inicie uma retirada gradual em troca de garantias na luta contra o terrorismo e a abertura de conversas diretas de paz sem precedentes entre os insurgentes islamitas e o governo de Cabul.

Mas a assinatura desse texto, iminente no início de setembro, foi cancelada no último minuto por Donald Trump, depois de um ataque que matou um soldado americano.

As discussões foram retomadas em Doha, no Catar, mas parecem esbarrar na exigência americana de uma redução significativa da violência por parte dos rebeldes.

  • Com informações da agência de notícias AFP