Militares franceses da ativa divulgam novo manifesto contra o governo Macron

blank
Imagem via redação OD Europe.

Clima de rejeição, revolta, isurgência moral e social contra o governo Macron e seus ministros atinge o mais altos níveis da história para um presidente da república entre os militares

Por alguns dias, correu o boato de que uma novo manifesto militar seria divulgado, idêntico ao primeiro, elaborado e assinado por militares da reserva das Forças Armadas Francesas.

Este novo manifesto, divulgado oficialmente no domingo, dia 09/05, já está circulando amplamente mas ainda relativamente boicotado pelas grandes mídias. Dessa vez a grande diferença é que o manifesto militar está aberto para assinatura de concodância para a população civil.

Conforme bem explicado pela revista Valeurs Actuelles, a principal divulgadora do manifesto com uma metodologia exigente; o objetivo deste fórum e do manifesto não é minar nossas instituições, mas alertar as pessoas para a gravidade da situação que a França se encontra face à criminalidade e ao terrorismo islâmico.

Desde a semana passada já era esperado que os militares da ativa preparavam uma nova carta de manifesto, em apoio à assinada pelos Generais da reserva liderados pelo General Piquemal (ex-Comandante da Legião Extrangeira) e outros de grande magnitude, incluíndo milhares de praças distintos.

Punição aos militares do manifesto, o tiro do governo que saiu pela culatra

A muito tempo que a sociedade civil esperava por alguma reação dos militares pois estes juntos com o povo, estão também tão ou mais prejudicados em quase todos os aspectos de degradação da nação francesa desde a chegada ao poder dos políticos da era François Hollande & Emannuel Macron.

Dentro dessa era, aconteceu também o que pode ser considerada a pior época de medidas consideradas relativistas morais e até mesmo absurdas no tocante aos diversos temas que vão desde a segurança pública, passando pela economia e chegando à política externa.

Quando os militares que fizeram o primeiro manifesto apenas detalharam de forma resumida a situação que é de conhecimento público internacional, não houve da parte do governo algum tipo de esforço por um “entendimento” do mesmo nível que é feito aos grupos de populações clandestinas que espalham o crime e o terrorismo assimétrico/híbrido entre a população francesa e suas instituições. Ao contrário, o governo simplesmente qualificou o manifesto como uma ameaça de golpe militar antidemocrático e ameaçou todos com punições exemplares dentro da forma da lei, esta interpretada obviamente do ponto de vista da conveniência do governo e de seus apoiadores neoliberais, globalistas e socialistas.

O resultado não poderia ser outro! A grande maioria da população francesa, independente de visão política, classe social ou origens raciais/religiosas apoiou a iniciativa do “Manifesto militar dos Generais” e agora está apoiando incondicionalmente o novo manifesto dos militares da ativa.

Não diferente, a repercussão do “Manifesto dos Generais” fez assunto a semana inteira por toda a Europa e até nas Américas e demais áreas de influência francesa, o que obviamente solapa ainda mais a imagem da França, mas compromete principalmente a reputação da classe política francesa ligada ao progressismo e esquerdas liberais.

Conforme noticado por muitas vezes pelo Orbis Defense e Defesa TV, acompanhamos situações da atuação da criminalidade e do terrorismo islâmico na França que já podem ser consideradas de longe como uma situação de ocupação territorial doméstica na França, acontecendo com a conivência das classes políticas francesas e globalistas.

O ponto de vista técnico das leis francesas

O que dizem os Generais em seu manifesto e agora declara o novo manifesto dos militares da ativa? Nada mais do que a lei francesa, que prevê várias medidas jurídicas destinadas a reforçar os poderes das autoridades administrativas, quando tal se torne necessário em situações excepcionais, como no caso presente as guerras de gangues e o terrorismo assimétrico/híbrido que tomou conta da França.

O artigo 36 da Constituição estabelece o estado de sítio, grau superior ao estado de emergência utilizado durante a guerra da Argélia, na Nova Caledônia em 1984, durante os motins de 2005 ou após os atentados do terrorismo islâmico de 2015, que estabelece a transferência do poder das autoridades civis às autoridades militares.

Além deste estado de sítio e “poderes excepcionais”concedida ao Presidente da República pelo artigo 16 da Constituição, as forças armadas podem participar na manutenção da ordem desde que legalmente exigidas no âmbito do código de defesa.

A “regra de 4 i” então se aplica: os recursos militares são mobilizados apenas se os recursos civis forem “inexistentes” , “insuficientes” , “inadequados” ou “indisponíveis” . O exército pode, portanto, ser usado quando as forças de primeira linha (gendarmaria departamental e guarda republicana) e segunda linha (gendarmaria móvel) estão desatualizadas ou insuficientes. As missões Vigipirate e Sentinela são prova disso.

Abaixo, a tradução do manifesto desse domingo, dia 09/05/2021, publicado pela revista Valeurs Actuelles e replicado por centenas de outros sites e plataformas das redes sociais na França e pela Europa Ocidental:


Senhor Presidente da República,

Senhoras e Senhores, Ministros, Membros do Parlamento, Oficiais Gerais, em suas categorias e qualidades,

Não cantamos mais a sétima estrofe da Marselhesa, conhecida como a “estrofe infantil”. No entanto, é rico em lições. Deixe-nos deixar que ele os esbanje em nós:

“Entraremos na pedreira quando nossos mais velhos não estiverem mais lá. Lá encontraremos sua poeira e os vestígios de suas virtudes. Muito menos ciúmes de sobreviver deles do que de compartilhar seu caixão, teremos o orgulho sublime de vingá-los ou de segui-los ”

Nossos idosos são combatentes que merecem ser respeitados. Estes são, por exemplo, os velhos soldados cuja honra você pisou nas últimas semanas. São esses milhares de servos da França, signatários de uma plataforma de bom senso, soldados que deram seus melhores anos para defender nossa liberdade, obedecendo suas ordens, para travar suas guerras ou para implementar suas restrições orçamentárias, que vocês sujaram enquanto o povo da França os apoiou.

Essas pessoas que lutaram contra todos os inimigos da França, você os tratou como facciosos quando sua única falha é amar seu país e lamentar sua queda visível.

Nessas condições, cabe a nós, que ingressamos recentemente na carreira, entrar na arena simplesmente para ter a honra de falar a verdade.

Somos o que os jornais chamam de “geração do fogo”. Homens e mulheres, soldados ativos, de todos os exércitos e de todas as classes, de todas as sensibilidades, amamos nosso país. Essas são nossas únicas reivindicações à fama. E se não podemos, por lei, nos expressar com o rosto descoberto, é igualmente impossível ficarmos em silêncio.

Afeganistão, Mali, República Centro-Africana ou outros lugares, vários de nós sofreram fogo inimigo. Alguns deixaram camaradas lá. Eles ofereceram sua pele para destruir o islamismo ao qual você está fazendo concessões em nosso solo.

Quase todos nós conhecemos a Operação Sentinela. Vimos com os próprios olhos os subúrbios abandonados, a acomodação com a delinquência. Fizemos tentativas de instrumentalizar várias comunidades religiosas, para as quais a França nada significa – nada além de objeto de sarcasmo, desprezo ou mesmo ódio.

Marchamos em 14 de julho. E essa multidão benevolente e diversa, que nos aclama por sermos sua emanação, nos pediram que nos acautelássemos durante meses, proibindo-nos de circular uniformizados, fazendo-nos vítimas potenciais, em um solo que no entanto somos capazes. de defender.

Sim, nossos mais velhos estão certos sobre a substância de seu texto, em sua totalidade. Vemos violência em nossas cidades e aldeias. Vemos o comunitarismo se consolidando no espaço público, no debate público. Vemos o ódio pela França e sua história se tornando a norma.

Pode não ser para os militares dizer isso, você vai argumentar. Muito pelo contrário: por sermos apolíticos nas nossas avaliações da situação, é uma observação profissional que fazemos.

Por causa desse declínio, vimos isso em muitos países em crise. Ele precede o colapso. Anuncia caos e violência e, ao contrário do que afirmam aqui ou ali, este caos e esta violência não virão de um “pronunciamento militar” mas de uma insurreição civil.

Para discutir sobre a forma do fórum de nossos anciãos, em vez de reconhecer a obviedade de suas descobertas, temos que ser bastante covardes. Para invocar um dever de reserva mal interpretado para silenciar os cidadãos franceses, é preciso ser muito enganador. Para encorajar os principais oficiais do exército a tomar uma posição e se expor, antes de sancioná-los ferozmente assim que escreverem qualquer coisa que não seja histórias de batalha, você tem que ser muito perverso.

Covardia, engano, perversão: essa não é a nossa visão da hierarquia.

Pelo contrário, o Exército é, por excelência, o lugar onde falamos a verdade uns com os outros porque comprometemos a nossa vida. É esta confiança na instituição militar que apelamos.

Sim, se uma guerra civil estourar, o exército manterá a ordem em seu próprio solo, porque será solicitado. É até a definição de guerra civil. Ninguém pode querer uma situação tão terrível, nossos mais velhos não mais do que nós, mas sim, novamente, a guerra civil está se formando na França e você sabe disso muito bem.

O grito de alarme de nossos Anciões finalmente se refere a ecos mais distantes. Nossos mais velhos são os combatentes da resistência de 1940, a quem pessoas como você muitas vezes trataram como facciosos, e que continuaram a luta enquanto os legalistas, paralisados ​​de medo, já apostavam em concessões com o mal para limitar os danos. é o cabeludo de 14, que morreu por alguns metros de terra, enquanto você abandona, sem reagir, bairros inteiros de nosso país à lei do mais forte; são todos mortos, famosos ou anônimos, caídos na frente ou depois de uma vida inteira de serviço.

Todos os nossos mais velhos, aqueles que fizeram do nosso país o que é, que desenharam o seu território, defenderam a sua cultura, deram ou receberam ordens na sua língua, lutaram para que deixassem a França tornar-se um estado falido?, Que substitui o seu soberano cada vez mais evidente impotência com uma tirania brutal contra aqueles de seus servos que ainda querem avisá-lo?

Ajam, senhoras e senhores. Desta vez, não se trata de emoção personalizada, fórmulas prontas ou cobertura da mídia. Não se trata de estender seus mandatos ou conquistar outros. É sobre a sobrevivência do nosso país, do seu país.


➡️ Atualização na segunda-feira às 12:00am, 10/05/2021(horário da França) : 109.059 pessoas assinaram o texto.

Link para o texto original da revista Valeurs Actuelles e para a plataforma de assinatura de apoio da petição dos militares:

[Exclusif] Signez la nouvelle tribune des militaires

Outors links de referência:

Vite, lisez et signez le nouvel appel des militaires en colère!

« Une majorité des Français a soutenu la tribune des généraux » – Charlotte d’Ornellas