Se todos os navios mercantes que navegavam pelo planeta estivessem reunidos em um só lugar, a maioria usaria uma bandeira do Panamá no topo do mastro. Ao mesmo tempo, a maioria dos barcos seria de propriedade de um indivíduo ou empresa da Grécia .

Para as companhias de navegação, é muito comum registrar e obter uma bandeira para seus navios em outros países que não os do proprietário.

A captura do petroleiro Stena Impero  à algumas semanas,é mais uma escalada nas tensões geopolíticas do Estreito de Ormuz, é uma prova disso e o que causou grande preocupação era justamente o uso da bandeira britânica pela embarcação, que no entanto, é de propriedade de uma empresa na Suécia, e nenhum cidadão britânico estava a bordo.

Mas por que isso é tão comum na navegação e quem se beneficia?

E a questão mais frequênte é por que tantas bandeiras diversas e em maioria a do Panamá ?

Cada navio mercante deve ser registrado em um país, que é conhecido como o estado da bandeira, com o Panamá, Ilhas Marshall e Libéria sendo os principais estados de bandeira.

Cerca de 8.600 navios utilizam a bandeira panamenha. Em comparação, EUA possui cerca de 3.400 embarcações registradas e a China pouco mais de 3.700.

A maioria dos navios mercantes que possuem a bandeira do Panamá pertence a proprietários estrangeiros que desejam evitar as regulamentações marítimas muito rigorosas impostas por seus próprios países.

O Panamá opera o que é conhecido como um registro aberto. Sua bandeira oferece as vantagens de registro mais fácil (geralmente on-line) e a capacidade de empregar mão-de-obra estrangeira mais barata. Além disso, os proprietários estrangeiros não pagam imposto de renda.

Registros abertos, às vezes pejorativamente chamados de bandeiras de conveniência, têm sido controversos desde o início.

Bandeiras de navios mais comuns em 2018
(Em milhares de toneladas):

Por que escolher uma bandeira estrangeira?


Os armadores escolhem um Estado de bandeira considerando várias razões comerciais.

Estes incluem regulamentos , impostos e a qualidade do serviço prestado,  e geralmente escolhidos em escritorios  na Grécia, que é o maior armador do mundo.

Perante isto, os Estados de bandeira – frequentemente países sem infraestrutura de industria e comércio obtém grandes e fàceis fontes de renda.

Maiores armadores em 2018
(Milhares de toneladas):

O sistema permite a contratação de tripulantes de qualquer lugar do mundo , reduzindo custos.

Este sistema de “bandeiras de conveniência” tem sido criticado porque permite uma regulamentação mais flexível e até mesmo a violação dos padrões marítimos internacionais.

Mas, em geral, considera-se que as práticas de navegação melhoraram significativamente nas últimas três décadas.

Simon Bennett, da International Shipping Chamber, diz que os proprietários tendem a escolher as nacionalidades com uma bandeira do estado com base em sua reputação. O sistema, no entanto, ainda enfrenta críticas.

Segundo a Federação Internacional dos Trabalhadores em Transportes Maritimos, o registro sob bandeira estrangeira torna mais difícil responsabilizar os proprietários por disputas salariais ou condições de trabalho .

Quem é responsável então?

 
Depois de assinar com uma bandeira, as leis desse país se aplicam ao navio e cada país é responsável pelos navios que usam sua bandeira.

Isso inclui garantir que os navios cumpram os principais padrões internacionais, por meio de inspeção e certificação de navios, diz a Organização Marítima Internacional (IMO), a agência de transporte marítimo da ONU.

Os países da bandeira assinam tratados marítimos internacionais e são responsáveis ​​por aplicá-los, com os padrões estabelecidos pela OMI no que diz respeito à construção, design, equipamentos e equipamentos de navios.

De acordo com a Convenção das Nações Unidas para o Direito do Mar, os Estados de bandeira devem tomar medidas para garantir a segurança no mar.

É comum que um registro de bandeira seja administrado em um país diferente.

Com a Libéria, por exemplo, ela é administrada por uma empresa dos EUA sediada em Washington DC. O registro da Mongólia, um país que não tem acesso ao mar , tem sede em Cingapura.

A geografia incomum do sistema de registro pode representar desafios de segurança.

Não é realista que um Estado de bandeira forneça segurança a todos os navios que possui sob seu registro,  embora os navios sejam essencialmente uma extensão desse Estado. E é ainda mais difícil para um país com muito menos recursos.

Com informações via IMO, BBC World via redação Orbis Defense Europe.



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here
Enter the text from the image below