Navio de vigilância da marinha russa é monitorado durante operação na costa do Havaí

O navio com base em Vladivostok é um dos sete AGIs da Marinha russa especializados em inteligência de sinais - interceptando e decifrando as transmissões de um adversário

blank

Um navio de vigilância da Marinha russa passou os últimos dias na costa oeste do Havaí, onde operou fora das águas territoriais dos EUA, confirmaram oficiais da Marinha nesta terça-feira (26).

“A Frota do Pacífico dos EUA está ciente da operação do navio russo em águas internacionais nas proximidades do Havaí e continuará a rastreá-lo durante todo o seu tempo aqui”, disse o porta-voz da Frota do Pacífico dos EUA, Capitão John Gay, em um comunicado.

“Por meio de aeronaves de patrulha marítima, navios de superfície e capacidades conjuntas, podemos monitorar de perto todas as embarcações na área de operações Indo-Pacífico.”

Um oficial de defesa disse que o navio estava operando dentro dos limites da lei internacional e não era um perigo para a navegação. O navio não tem transmitido um sinal do sistema de identificação automática (AIS), confirmaram autoridades.

A Frota do Pacífico dos EUA não forneceu detalhes adicionais sobre o navio russo, entretanto as apurações dão conta de que o navio é o Kareliya (SSV-535) da inteligência geral auxiliar da Marinha russa Vishnya .

blankNo dia 21 de maio, analistas de inteligência de código aberto rastrearam o Kareliya operando 13 MN a oeste da ilha de Kauai – perto das águas territoriais dos Estados Unidos, onde se encontra o Pacific Missile Range Facility Barking Sands, base de testes da Marinha e a Agência de Defesa de Mísseis.

Kareliya foi originalmente comissionado em 1986, mas foi descomissionado no início de 2000. Em 2014, a Marinha russa tirou o navio da ‘reserva’ para um período de reparo e atualização de três anos, devolvendo-o à frota em 2017, de acordo com a estação de televisão local Vestiprim .

As operações de inteligência de sinais são uma prática comum entre marinhas rivais e aliadas. Navios chineses e russos monitoram rotineiramente os exercícios dos EUA. Da mesma forma, aeronaves e navios de inteligência de sinais dos EUA operam rotineiramente ao largo das costas da China e da Rússia, conduzindo operações semelhantes.

Durante a Guerra Fria, os navios de vigilância russos operavam comumente na costa leste, perto da Estação Naval Norfolk, Va., Da Estação Naval Mayport, Flórida, e da base de submarinos nucleares na Base Submarina Naval de Kings Bay, Geórgia.

No final de 2019, a Guarda Costeira alertou que o navio de vigilância da Marinha Russa,  Viktor Leonov, estava operando de forma insegura na costa da Carolina do Sul e da Geórgia.

“Esta operação insegura inclui não energizar as luzes de funcionamento em condições de visibilidade reduzida, não responder a gritos de navios comerciais que tentam coordenar a passagem segura e outros movimentos erráticos”, dizia o aviso da Guarda Costeira em Charleston, SC, na época .

  • Com informações do site USNI NEWS
  • Tradução e Adaptação: DefesaTV