NDM G-40 “Bahia” ganha pela 2a Vez o Prêmio Eficiência da Força de Superficie

Por:Redação OD.

O Navio Doca Multiproposito Bahia, conquistou pela segunda vez o prêmio ” Eficiência da Força de Superficie” , que foi criado em 4 de janeiro de 2013, o Prêmio Eficiência é destinado aos navios que mais se destacaram nos níveis de aprestamento e de comprometimento com a prontificação para o combate.

O NDM Bahia é o sexto navio na Marinha designado como “Bahia”. O nome do é uma homenagem ao Estado que possui singular importância para a Marinha por sua posição geográfica mediana em relação ao litoral brasileiro, facilitando o deslocamento e atuação de Forças Navais para Norte\Nordeste ou para o Sul.

O Navio foi projetado para transportar tropas, veículos, helicópteros e munição, agindo em grandes áreas oceânicas e na proteção de plataformas marítimas de petróleo, contribuindo para o emprego do Poder Naval na defesa das águas jurisdicionais brasileiras e colaborando com as ações da Marinha realizadas em parceria com os órgãos internacionais e em apoio à política externa do País.

O NDM “Bahia” possui, também, um complexo hospitalar com 500 metros quadrados capaz de prestar atendimento médico-odontológico e com acesso direto ao convés de voo principal, permitindo que helicópteros realizem evacuações aeromédicas.

Com essas propriedades, à Marinha do Brasil cumprirá com mais eficiência as missões de apoio à Defesa Civil, por ocasião de calamidades públicas e de operações de busca e salvamento, de manutenção da paz e de caráter humanitário.

Sobre o NDM Bahia

O Navio Doca Multipropósito Bahia (NDM Bahia) é um navio de assalto anfíbio da classe Foudre de fabricação francesa. O navio, construído para a marinha francesa pela Naval Group e nomeado Siroco, ficou a serviço da Marinha Nacional da França de 1998 até 2015, quando foi adquirido pela Marinha do Brasil.

História

Durante o período em operação pela marinha francesa, o navio participou de missões de paz da ONU e da OTAN.

Ele participou na retirada de cidadãos europeus durante os conflitos em 2006 no Líbano, participou da ajuda humanitária após o terremoto do Haiti em 2010.

Em dezembro de 1998 o navio entrou ao serviço da Marinha Nacional da França.

Em 2013 a Armada Chilena manifestou interesse na compra do Siroco, mas no final de 2014 anunciou que não pretendia adquiri-lo.

A marinha francesa agendou o descomissionamento do navio para Junho de 2015, tendo o governo francês encetado contatos com outros países na tentativa de negociar a venda o navio.

Em janeiro de 2015 uma comissão de avaliação da Marinha do Brasil recomendou a compra do navio Siroco.

Em março de 2015 foi anunciado que o governo de Portugal considerou a compra do navio.

Em agosto de 2015 foi anunciado que o Governo Brasileiro adquiriu o navio como uma compra de oportunidade, após a desistência da marinha portuguesa, que por ser membro da OTAN teria prioridade na compra. A compra do navio possibilitou um incremento das capacidades anfíbias e aeronavais da armada, além de contribuir para a manutenção da logística da Missão de paz no Haiti e de ajuda humanitária, graças ao centro hospitalar que o Bahia dispõe.

Com informações  NDM Bahia, Marinha do Brasil via redação Orbis Defense.



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here
Enter the text from the image below