O exército turco prepara duas operações na Síria e reforços continuam a ser enviados

blank
Imagem ilustrativa com foto via Turkish Army.

De acordo com fontes militares turcas que cederam informações para a agência russa RIA Novosti, as Forças Armadas Turcas foram colocadas em alerta total. A informação foi confirmada por outros meios e por cruzamentos de informações via redes sociais.

Ainda não foram divulgadas informações oficiais pelos canais oficias das Forças Armadas Turcas ou outros òrgãos do governo turco, porém a grande movimentação de envio de reforços para a região que é abertamente observada nos ùltimos dias deixa òbvia a situação.

De acordo com as informações, os militares foram divididos para atuar em várias direções na província de Idlib, em alguns assentamentos na área das cidades de Mari e Azaz (norte de Aleppo) próximo ao aeroporto militar Minig na área da cidade de Manbij, bem como nas fronteiras de Qamishli e Hassakah.

Segundo a fonte, os grupos de proxies (grupos terroristas) liderados pela Turquia preparam-se para duas operações ao mesmo tempo: no noroeste de Idlib para apoiar as facções armadas da região e no nordeste da Síria contra as Forças Democráticas Sírias (SDF) apoiadas pelos EUA. .

Questionado sobre quando está previsto o início da campanha, o interlocutor explicou que isso poderia acontecer a qualquer momento, de forma inesperada.

“Muito provavelmente, após a reunião do presidente turco Tayyip Erdogan com o presidente dos Estados Unidos Joe Biden”, acrescentou.

O líder turco disse que planeja discutir com seu homólogo americano em Glasgow o reembolso da dívida de US $ 1,4 bilhão dos caças F-35, que Washington se recusou a fornecer a Ancara devido ao acordo S-400 com Moscou. A Casa Branca não confirmou relatos de uma próxima reunião.

Anteriormente, Erdogan não descartou uma nova campanha militar, citando o aumento do número de ataques dos curdos a soldados turcos.

Poucos dias antes desses rumores, o parlamento da Turquia estendeu o mandato dos militares para lançar operações transfronteiriças na Síria e no Iraque por mais dois anos.

A moção foi aprovada pela primeira vez em 2013 para apoiar a campanha internacional contra o ISIS e desde então tem sido renovada anualmente. Esta é a primeira vez que é prorrogado por dois anos e não um, no entanto.

Também marcou a primeira vez que o Partido Popular Republicano (CHP) da oposição votou contra a medida, antes de uma importante eleição geral marcada para junho de 2023.

“Você não nos diz do que se trata. Você diz [que será válido] por dois anos e nos diga para votar a favor. Por que?” O líder do CHP, Kemal Kilicdaroglu, perguntou a Erdogan em um discurso aos membros de seu partido no parlamento.

A nova moção permite que os militares realizem operações transfronteiriças contra grupos considerados pela Turquia como “organizações terroristas”.

“Os riscos e ameaças à segurança nacional representados por conflitos em andamento nas regiões próximas à fronteira sul da Turquia continuam a aumentar”, a moção apresentada ao parlamento pelo Partido da Justiça e Desenvolvimento de Erdogan.

Em 27 e 28 de outubro, os militares turcos implantaram reforços nas regiões noroeste e nordeste da Síria

Os reforços incluíam os tanques  M60 Sabra MK II, carros blindados ACV-15 e outros equipamentos militares.

Na região noroeste, os reforços estavam situados na zona rural de Idlib, onde Hay’at Tahrir al-Sham (HTS), afiliado à Al-Qaeda, está no controle.

Na região nordeste, os reforços foram implantados perto das cidades ocupadas pelos turcos de Tell Abyad na zona rural do norte de Raqqa e Ras al-Ain na zona rural do então norte de al-Hasakah.

A Turquia está reforçando suas forças na parte controlada pelo HTS do noroeste da Síria, conhecida como Grande Idlib, a fim de impedir qualquer ataque do Exército Árabe Sírio e seus aliados.

A situação no nordeste da Síria é diferente, no entanto. Os reforços enviados para a região são provavelmente uma parte dos preparativos em curso da Turquia para lançar uma nova operação contra as Forças Democráticas Sírias lideradas pelos curdos.

A operação esperada pode ter como alvo a cidade de Kobane na região nordeste e uma série de cidades no norte da Síria, incluindo Tell Rifaat.

Enquanto a Turquia está trabalhando duro para proteger a Grande Idlib, onde grupos terroristas são ativos, ela tenta justificar seu próximo ataque ao nordeste da Síria como uma operação de “contra-terrorismo”. As ações da Turquia provavelmente serão confrontadas pela Sìria e seus aliados russos.

  • Com informações RIA Novosti, Bilady News, Tha7Yir, RT France e STFH Analysis & Intelligence, via redação Orbis Defense Europe/Genebra.