O que torna o caça furtivo F-35B tão especial e perigoso

Além da variante convencional de decolagem e pouso (CTOL), F-35A; existe ainda o F-35C, que apresenta asas maiores e trem de pouso mais robusto

blank

O Lockheed Martin F-35 Lightning II foi apenas a segunda aeronave de combate de quinta geração a se tornar operacional, mas por sua capacidade de ser três aviões em um, ela se tornou essencial. Além da sua variante convencional de decolagem e pouso (CTOL), o F-35A; existe o F-35C, que apresenta asas maiores e um trem de pouso mais robusto, tornando-o adequado para lançamentos a bordo de porta-aviões.

O F-35B é semelhante em tamanho ao F-35A, mas teve um terço de seu volume de combustível reduzido para acomodar seu ventilador de elevação acionado por eixo (SDLF), que o permite pousar verticalmente como um helicóptero e decolar em pistas muito curtas.

O sistema de motorização LiftFan desenvolvido pela Rolls-Royce, foi baseado na variante do motor Pegasus 11-61 / F402-RR-408, a versão mais potente que foi utilizada no Harrier AV-8B.

blankO sistema LiftFan é composto por: eixo de transmissão, módulo giratório de três rolamentos (3BSM) e colunas de rolo. Capaz de fornecer 20.000 libras de empuxo a frio, possui um ventilador contra-rotativo de dois estágios de 50 polegadas de diâmetro que apresenta um bocal de caixa de palheta de área variável de vetorização de empuxo.

Em voo vertical (decolagem e pouso), o LiftFan produz 29.000 Hp no eixo principal, que é capaz de realizar uma rotação de 95° em apenas 2,5 segundos.

Para o controle de estabilidade lateral e de rotação, o ar injetado no motor é usado em um bocal de rotação de cada asa; enquanto para o controle de inclinação, as áreas do bocal de exaustão e da entrada são variadas, mantendo a elevação total constante.

blankEm 2001, o sistema completo, conhecido como Integrated Lift Fan Propulsion System (ILFPS), foi premiado com o Troféu Collier em 2001.

O ILFPS permite que o F-35B opere a partir de bases inapropriadas ou de campo curto, bem como uma variedade naval com capacidade aérea perto de zonas de combate da linha de frente.

Ele ainda pode decolar e pousar de maneira convencional em pistas mais longas. Uma desvantagem dessa capacidade é que os componentes do LiftSystem são essencialmente peso morto durante o voo e, como resultado, a aeronave tem um compartimento interno de armas menor e também carrega menos combustível interno. No entanto, o F-35B usa o método probe-and-drogue para reabastecimento aéreo.

O caça multifuncional apresenta baixa assinatura stealth , enquanto sua tecnologia de radar ativa eletronicamente digitalizada (AESA), e a capacidade de carregar armas internamente permite que o F-35B ataque alvos terrestres a longas distâncias.

Ele tem uma velocidade máxima de Mach 1,6 ou 1.200 mph (1,6 vezes a velocidade do som). Tem um empuxo máximo de mais de 40.000 libras e um alcance operacional de 900 milhas náuticas. O F-35B tem uma classificação máxima de 7G.

blankPossui dois compartimentos para mísseis aéreos e dois compartimentos adicionais para bombas de até 450 kg, além de ser armado com um canhão externo de 25 mm.

O F-35B está substituindo os AV-8B Harrier IIs no inventário do Corpo de Fuzileiros Navais, e as novas aeronaves estão sendo estacionadas na primeira base operacional do F-35B , a Marine Corps Air Station Yuma, Arizona; enquanto a Estação Aérea dos Fuzileiros Navais de Beaufort, na Carolina do Sul, é onde o treinamento do F-35B está ocorrendo atualmente.

  • Fonte: The National Interest;
  • Por: Peter Suciu, é um escritor que mora em Michigan e já contribuiu para mais de quatro dezenas de revistas, jornais e sites. Ele escreve regularmente sobre armas leves militares, e é autor de vários livros tais como A Gallery of Military Headdress , que está disponível na Amazon.com;
  • Tradução e Adaptação: DefesaTV