ONU quer suspender sanções e remover Talebã da lista do terrorismo internacional.

blank

Apesar da intenção ter uma aparente finalidade humanitária em seu princípio, ainda existem muitas questões que tornam óbvio que isso servirá apenas para fortalecer o regime no cenário internaional e até mesmo descriminalizar a opressão violênta aos opositores e ao povo em geral, mesmo os que se submetem ao regime no Afeganistão.

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, pediu exceções no regime de sanções contra os talibãs, a fim de facilitar a interação com eles.

Questionado se considera apropriado em algum momento excluir o Taleban da lista de organizações terroristas, Guterres observou que espera isso para breve, mas os países membros da organização decidirão quando chegará o momento certo.

Ao mesmo tempo, o responsável lembrou que defende uma abordagem flexível e apontou precedentes no passado.

“Como você sabe, os americanos pediram algumas exceções para suas próprias negociações com o Talibã. Por isso, acredito que devemos criar condições <…> e garantir a distribuição eficaz da ajuda humanitária ”, destacou o Secretário-Geral da ONU.

Em agosto, militantes lançaram uma ofensiva contra as forças do governo afegão e capturaram todas as principais regiões, incluindo Panjshir, que há muito é um foco de resistência. Os acontecimentos se desenrolaram tendo como pano de fundo a retirada do contingente americano: na noite de 21 de agosto, os militares deixaram o aeroporto de Cabul, pondo fim aos quase 20 anos de presença norte-americana na república.

Em setembro, o Taleban formou um governo interino chefiado por Mohammad Hasan Akhund, que serviu como ministro das Relações Exteriores durante o primeiro governo do Taleban * e está sob sanções da ONU desde 2001.

Depois que o Talebã tomou o controle do Afeganistão começou também uma caça aos opositores, com buscas aos militares afegãos que ainda resistiam, espancamentos e execuções em público e repressão violênta contra a população apenas para dar exemplo aos demais.

O movimento foi reconhecido como organização terrorista em 2001 e mais de 110 de seus representantes estavam sob sanções. O enviado especial do presidente russo ao Afeganistão, Zamir Kabulov, disse antes que o procedimento para sua retirada das listas poderia ser lançado após o início de negociações interafegãs significativas.

Os EUA disseram que não suspenderão as sanções existentes contra o Taleban, mas garantirão uma ajuda humanitária vital para afegãos vulneráveis ​​em meio ao que as Nações Unidas descrevem como “uma crise iminente” no país.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, prometeu continuar a ajuda humanitária ao povo afegão por meio de agências das Nações Unidas e organizações não governamentais, um dia depois de os Estados Unidos anunciarem que forneceriam quase US $ 64 milhões em nova assistência humanitária.

A nova ajuda dos EUA, que contornaria o Taleban e seria distribuída diretamente aos afegãos, eleva a assistência total dos EUA ao povo afegão para US $ 330 milhões neste ano fiscal. Porém ainda não se sabe como efetuar essa ajuda humanitária sem a interferência do Talebã.

A ONU está pedindo US $ 606 milhões para o restante deste ano para alimentação, saúde, abrigo e outras necessidades vitais para ajudar 11 milhões de pessoas.

  • Com informações STFH Analysis & Inteligence, ONU News, France Inter via redação Orbis Defense Europe/Genebra.