Partido Republicano acusa Facebook de promover crise de imigração ilegal na fronteira dos EUA

blank
Imagem ilustrativa, via Voice of Europe.

Google News

Logo após o juramento do presidente democrata dos EUA, Joe Biden, a fronteira EUA-México viu uma quantidade sem precedentes de migrantes tentando entrar nos Estados Unidos em busca de uma vida melhor, aparentemente inspirados pela política de imigração mais branda do governo Biden.

Não podemos deixar de comparar a crise de fronteira que acontece nos EUA com a crise de imigração ilegal oriunda do Oriente Médio e da África, que hoje é reconhecida por muitos como uma invasão de contexto ligados à conveniências econômicas aliadas ao jogo geopolítico e não uma migração por reais motivos humanitários.

No caso da Europa, as redes sociais foram a ferramenta mais eficiênte no processo de convencimento sociopolítico que agiou em dois lados; do lado dos países da África e Oriente Médio, encorajando as pessoas a migrarem com a promessa de vida fácil com benficios sociais, e de outro lado, convencendo e comovendo a sociedade européia a aceitar o fluxo de migrantes ilegais com os argumentos de ajuda humanitária para minorias perseguidas e refugiados de guerras supostamente causadas pelas políticas européias.

Hoje a Europa paga esse erro político com o aumento como nunca antes visto da criminalidade violênta de todo tipo, terrorismo assimétrico e híbrido, assim como os pesadíssimos custos sociais que poderiam resolver outras crises e até mesmo um provável enfraquecimento social e cultural do povo europeu. Na França por exemplo até já se admite o estado de guerra civil híbrida de acordo como noticiado recentmente.

Representante do Partido Republicano acusa o Facebook de promover o contrabando de pessoas em meio a uma crise na fronteira

O representante do Partido Republicano, Kat Cammack, escreveu uma carta preocupada ao CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, acusando-o de encorajar e anunciar o contrabando de pessoas em sua plataforma de mídia social em meio à crise de fronteira que os Estados Unidos estão enfrentando recentemente.

“Em vez de censurar os conservadores, que tal enfrentarmos os cartéis? Em minha carta ao Facebook, anexei capturas de tela de anúncios que encontrei pessoalmente com uma simples busca por passagem para os Estados Unidos. Seu papel na crise na fronteira é urgente e deve ser abordado imediatamente “, tuitou Cammack na quarta-feira.
Em uma carta obtida pela Fox News, Cammack pede que o Facebook tome medidas contra anúncios de contrabando de pessoas, enquanto aponta para o que ela descreveu como “silenciamento” e “proibição de vozes conservadoras.

“Eu questiono quando o Facebook e outras plataformas de mídia social ativamente silenciam conservadores e indivíduos” banidos pela sombra “com opiniões que não são apoiadas por funcionários de sua empresa”, afirma a carta. “No entanto, o papel do Facebook na crise na fronteira é urgente e deve ser abordado imediatamente”.
Cammack forneceu screenshots de uma busca no Facebook que supostamente mostra anúncios promovendo “passagem para os Estados Unidos”, alegando em sua carta que pelo menos 50 páginas na plataforma oferecem serviços de “travessia ilegal”.

“Em anexo a esta carta estão imagens do meu telefone de páginas do Facebook que consegui encontrar simplesmente pesquisando os termos” Cruze frontera a EUA “ou” Viajar a Estados Unidos “. Ainda mais preocupante foi o fato de que as pessoas visitaram essas páginas , inclusive eu, que o Facebook forneceu postagens e páginas adicionais de conteúdo ilegal relacionado “, escreveu o representante republicano.

blank
Fonte: Fox News USA.

Cammack viajou recentemente para McAllen, Texas, com outros legisladores para ver em primeira mão o número historicamente alto de migrantes que cruzam a fronteira. Ela disse que agentes da Patrulha de Fronteira a informaram que cartéis e contrabandistas de humanos usam o Facebook para fazer propaganda. Cammack disse que os migrantes também disseram a ela que dependiam do Facebook para arranjar pagamentos pelos serviços de contrabando ilícitos do cartel.

Cammack, a mulher republicana mais jovem no Congresso, também encontrou os anúncios e as páginas do Facebook e incluiu capturas de tela de suas pesquisas na carta a Zuckerberg. Um é um anúncio de passagem para os Estados Unidos por meio de San Antonio.

“Ainda mais preocupante foi o fato de que, conforme as pessoas visitavam essas páginas, inclusive eu, o Facebook fornecia postagens e páginas adicionais de conteúdo ilegal relacionado”, escreveu Cammack.

Um porta-voz do Facebook disse à Fox News que a empresa está revisando o conteúdo oferecido por Cammack.

“Proibimos conteúdo que ofereça ou auxilie no contrabando de pessoas e o removemos de nossa plataforma sempre que o encontrarmos. Estamos revisando o conteúdo que foi destacado para nós”, disse o porta-voz da Fox News.

Zuckerberg disse durante uma audiência no mês passado que os anúncios de contrabando são contra as políticas do Facebook, e que a empresa está “tomando várias medidas para impedir isso”. Ele também descreveu a situação na fronteira dos Estados Unidos com o México como “muito séria” e disse que “estamos levando isso muito a sério”.

A preocupada carta de Cammack foi enviada logo após um Conselho de Supervisão do Facebook manter a proibição da plataforma ao ex-presidente dos EUA, Donald Trump, imediatamente causando um alvoroço entre os conservadores, que novamente criticaram grandes empresas de tecnologia pelo que eles descrevem como a supressão da liberdade de expressão.

A crítica de que as principais plataformas de mídia social estão “silenciando” vozes conservadoras surgiu muito antes da proibição de Trump, já que muitos republicanos lamentam que o Twitter e o Facebook usem o “banimento das sombras” contra figuras conservadoras proeminentes.

Respondendo às acusações do Partido Republicano, um comunicado do Twitter observou que a empresa não faz “proibição de sombra”.

“Estamos cientes de que algumas contas não são preenchidas automaticamente em nossa caixa de pesquisa e enviamos uma alteração para resolver isso. Os perfis, tweets e discussões sobre essas contas aparecem quando você as pesquisa. Para ser claro, nossa classificação comportamental não t fazer julgamentos com base em pontos de vista políticos ou na substância dos tweets “, afirmou o Twitter em uma declaração de 2018 citada pela CNBC.

O ex-presidente foi banido permanentemente da maioria das plataformas de mídia social depois de ser acusado pela Câmara dos EUA uma segunda vez devido ao “incitamento à insurreição”, embora o Senado dos EUA controlado pelo Partido Republicano votasse uma segunda vez para absolver Trump.



Receba nossas notícias em tempo real nos seguindo pelos aplicativos de mensagem abaixo:

blank

Assine nossa Newsletter


Receba todo final de tarde as últimas notícias do DefesaTV em seu e-mail, é de graça!

Assista nosso último episódio: