Piloto que sobreviveu por 36 dias na mata após queda de avião foi resgatado pelo GRAESP

blank
Foto de Marcelo Seabra/Agência Pará de notícias.

O piloto Antônio Sena, que estava desparecido há mais de um mês, foi localizado e resgatado com vida, neste sábado, 6, em uma área da mata, localizada entre os municípios de Alenquer e Almerim, no estado do Pará.

O caso ganhou grande repercussão, pois, assim que o avião sumiu, os irmãos criaram uma campanha para reforçar as buscas, e foram eles que encontraram a pista que levou a achar Antônio com vida.

Desde a noite de sexta-feira, 5, já circulavam informações de que Antônio havia sido localizado, mas a família não havia confirmado porque ainda não havia tido contato com ele.

O avião que ele pilotava desapareceu no dia 28 de janeiro, após decolar de Alenquer para a comunidade Califórnia, ambas na região do Baixo-Amazonas. As buscas duraram cinco dias e foram encerradas pela Força Aérea Brasileira (FAB) por não haver qualquer vestígio. A partir de então, os irmãos começaram uma campanha nas redes sociais.

A campanha contou com voluntários, até de outros estados, que ajudaram nas buscas, feitas por terra e ar. Na quinta-feira, 4, MarianaSena, irmã de Antônio, fez um post informando sobre uma pista de onde ele poderia estar. No dia seguinte, ela pediu orações para os seguidores e, no meio da tarde, o governo paraense informou que ele estava em uma área de mata fechada, em Almeirim.

O piloto foi levado para o município de Prainha e deve receber atendimento médico. Ao chegar ao aeroporto de Santarém, Antônio foi recebido pela família.

blank
A área estimada onde aconteceram as buscas iniciais pela FAB e outros pilotos voluntários que sobrevoaram a região durante os últimos 30 dias desde o anúncio do desaparecimento da aeronave.

 

Acidente

Em entrevista à agência Pará, Antônio Sena disse que a aeronave que pilotava parou de funcionar e ele precisou fazer um pouso forçado. Pousei forçado. A aeronave parou (de funcionar). Como eu vinha voando baixo em 2 mil metros e ali tinha uma serra de 2 mil metros e um pouco mais, o tempo que eu tive foi de tentar eligar o motor do avião em vôo e não consegui. Como eu não consegui, já fui buscando local para pouso. Fui encontrando um vale, desviando das árvores maiores até que consegui pousar em um valezinho no meio de duas serras.

Antônio fez ainda relatos mais detalhados sobre o que aconteceu na sequência. “Então ele (o avião) entrou e eu bati nos açaizeiros e ele entrou de bico no igarapé certinho. Ele está de cara no igarapé. Como é tudo muito rápido, eu só lembro de conseguir sair do cockpit e minha mochila estava jogada do lado. Peguei minha mochila, um saco de pão, algumas coisas e me afastei da aeronave, que tinha muito óleo diesel. Aí peguei uma corda e o que pude pegar que tinha na aeronave e que fosse me ajudar no meio do mato. Não demorou muito e a aeronave começou a pegar fogo. Ela está queimada. Uma parte está queimada”, disse.

Sena também contou que marcou a localização da queda da aeronave pelo GPS. “Ainda fiquei uma semana lá. Eu ouvia aeronave passar um pouco longe, nenhuma muito próximo.”

Abaixo, a foto com a família de castanheiros que acolheu o piloto quando do encontro na mata após dias de caminhada:

Apoio de radioamadores

O contato com a comunidade onde o piloto desaparecido estava localizado aconteceu por meio de um rádio amador que operou com constante oscilação de sinal devido aos problemas de propagação da localidade nessa época do ano, mas a comunicação nessas regiões ainda é dependente do uso de rádios devido à ausência de redes de telefonia fixa e celular eficiêntes.

Informações iniciais da equipe de resgate dão conta que o piloto Antônio Sena estava em uma área de mata extremamente fechada. Membros da comunidade estão tentando abrir uma clareira e sinalizar para permitir que o helicóptero encontre o local. A família do piloto também fretou uma aeronave que auxiliou na identificação do lugar dentro da mata.

blank
Foto de Marcelo Seabra/Agência Pará de notícias.

O Resgate

Segundo informou o governo do Pará, foram usadas dois aviões e um helicóptero para fazer o resgate de Antônio.

A operação para busca e resgate do Antônio Sena reiniciou nas primeiras horas deste sábado (06) quando decolaram no Aeroporto Internacional de Santarém “Maestro Wilson Fonseca”, um helicóptero modelo esquilo e um avião modelo C-206, ambos da frota própria do Governo do Estado. No final da manhã, o Governo do Estado também enviou uma aeronave do modelo Caravan, que decolou de Belém. Essa terceira aeronave do Estado tem maior autonomia e capacidade de transporte.

O delegado José Humberto que faz parte do Grupamento Aéreo de Segurança Pública (Graesp) e quem pilotou o avião que levou Antônio Sena até Santarém, explica que o resgate realizado na tarde deste sábado (06) foi feito em um local de acesso extremamente complicado, localizado nas redondezas do Rio Paru  e um pequeno vilarejo próximo à pista de pouso do Paricá. Do local de resgate, Antônio Sena foi levado de helicóptero em um voo que durou 45 minutos até o município de Prainha.

“Tivemos a grata satisfação de saber que nestes dias ele foi encontrado por um grupo de catadores de castanhas. O GRAESP mais uma vez atuou na busca e resgate utilizando aviões e helicóptero“, afirmou o secretário de Segurança Pública do Estado, Ualame Machado. “Algo impressionante é a fé das pessoas que oraram e da família que não desistiu. Agradecemos todos aqueles que se empenharam durante quase estes quase 40 dias para este esse desfecho fantástico”, disse o secretário regional de Governo do Oeste do Pará, Henderson Pinto.

blank
Foto de Marcelo Seabra/Agência Pará de notícias.
  • Com informações GRAESP do Pará, Agência Pará de Notícias e Força Aére Brasileira via redação Orbis Defense Europe.