Policia Militar de São Paulo lança edital para compra de arsenal variado

Policiais participaram de treinamento do Exército em Lins após descoberta de plano de fuga — Foto: J. Serafim / Divulgação

A Polícia Militar do Estado de São Paulo (PMESP) está lançando no Brasil e no exterior editais para a compra de arsenal variado, entre os quais 40 mil pistolas calibre .40, 1.300 fuzis calibres 5.56 e 7.62, dois fuzis de sniper (atirador de precisão) e 10 metralhadoras leves de calibre 7.62 mm.

Os equipamentos deverão ser entregues até o final de 2020 e custarão aproximadamente R$ 108,9 milhões. As informações foram dadas pelo secretário-executivo da PM junto à Secretaria de Segurança Pública, coronel Álvaro Camilo.

A PMSP não compra metralhadoras há mais de 60 anos. Elas serão usadas para a proteção de presídios e o combate a ataques a carros-fortes e empresas de transporte de valores.

“Não há restrição do Exército Brasileiro (EB) para a PMESP comprar metralhadora. Então, por que a PM não comprou mais metralhadora? Porque não é uma arma comum, que você precisa para ser utilizada a todo momento. Em tese, metralhadora é para dar rajada. Para você comprar metralhadora e usar como intermitente, está perdendo, porque ela é mais cara. Melhor você comprar um fuzil”, explica Camilo.

Entre os modelos de metralhadoras leves que poderão participar da concorrência, cuja previsão de publicação é agosto, estão alguns modelos preferidos pelos policiais paulistas, como a FN Minimi (utilizada pelas Forças Armadas brasileiras), a M249, a Heckler & Koch MG4 e a Negev NG7.

Fuzil que abate helicóptero

Todo este material já tem autorização pelo EB para ser adquirido, mas a corporação quer mais: pretende convencer os militares de que precisa comprar fuzis de calibres .30 e .50, restritos das Forças Armadas (FA), mas que são usados por criminosos, podendo perfurar veículos blindados, destruir paredes e até abater helicópteros.

Em 2010, a PMESP tentou comprar os fuzis de calibre .30 e .50, mas o EB não deixou. No entanto, diante da possibilidade de o Primeiro Comando da Capital (PCC) resgatar presidiários que estavam em unidades prisionais no interior do estado, o EB emprestou por 6 meses estes fuzis e treinou policiais das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota) para operar o equipamento.

A divulgação do plano de resgate da facção levou à interdição temporária do aeroporto da cidade de Presidente Venceslau, que abriga um presídio onde estava a alta cúpula do PCC, para evitar qualquer ação criminosa. Consequentemente, houve a transferência de detentos para penitenciárias federais em fevereiro de 2019.

“Na verdade, a PMESP já usou estes fuzis .30 e .50 por empréstimo e autorização do EB (neste período em que havia o risco de resgate da facção). As armas ficaram de sobreaviso do final do ano passado até março, abril deste ano. Tivemos um treinamento com a Rota no interior, preparando-se para caso precisasse usar. Foi devolvido, mas a qualquer momento podemos pegar novamente, pois existe uma interação muito forte com o Exército”, afirma o coronel.

“E a ideia agora é a polícia partir também para a compra deste equipamento para ocorrências mais graves, como assaltos a empresas de valores e carros-fortes. Não está prevista agora (a compra dos fuzis .30 e .50), estamos estudando como poderemos fazer”, salientou Camilo.

“Infelizmente, é importante a polícia ter este tipo de armamento não só em São Paulo, como em outros estados, para fazer frente a uma necessidade mais específica do crime”, disse ele.

“Primeiro, é para a criminalidade saber que a polícia tem (estas armas). E que, se precisar, ela pode usar. A ideia é se preparar para caso precisar usar. Não é intenção da polícia usar estes fuzis no dia a dia, mas em uma situação super excepcional, como foi o que aconteceu (quando havia a suspeita de resgate)”, disse o secretário-executivo.

Licitação internacional

Segundo Camilo, o governador João Doria, autorizou a compra de 40 mil pistolas semiautomáticas, sendo que pelo menos 8 mil devem ser entregues até dezembro. A licitação está sendo divulgada em outros países e tem previsão de publicação no Diário Oficial do Estado em 10 de julho, com a assinatura do contrato em novembro.

Há dois anos a PMESP fez a primeira licitação internacional para a compra de pistolas, quando a fabricante austríaca Glock sagrou-se vencedora. Até então, o monopólio do mercado pertencia à brasileira Taurus.

Isso acabou quando o armamento nacional passou a apresentar problemas, como disparos acidentais. “A PMESP compra Taurus porque não podia comprar outra arma, a verdade é esta. Sempre se tentou comprar outras”, salientou Camilo.

A partir do problema em São Paulo, o EB passou a autorizar as polícias de todo o Brasil a comprar pistolas do exterior. A Glock, já utilizada pela Polícia Federal (PF) e a Polícia Rodoviária Federal (PRF), sagrou-se vencedora em muitas licitações.

“A polícia vai investir pesado em armamento. Queríamos comprar armamento de fora, mas, por uma questão legal, não era permitido. Agora, com todos estes problemas que aconteceram com a empresa Taurus (inclusive, foi feita uma aquisição de quase 5 mil metralhadoras, que apresentaram problemas e foram recolhidas) o EB autorizou a compra internacional de armas”, disse Camilo.

Sobre o fato de os policiais passarem a usar nas ruas diferentes tipos de pistolas (alguns com Taurus, outros com Glock, e outros com outros tipos, que poderão ser adquiridos na nova licitação), o oficial diz não haver problema.

“Não existe padronização neste caso. Eu posso comprar armas que atendam aos requisitos específicos. Qualquer marca pode entrar nesta licitação, e há outras marcas, que não a Glock. Claro que há a probabilidade da Glock ganhar. Mas há outras empresas internacionais que poderão participar de igual para igual, e irão brigar pelo preço”, defendeu o secretário-executivo.

Este slideshow necessita de JavaScript.

  • Com informações do G1 (SP)


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here
Enter the text from the image below