Polícia prende cracker que copiou dados importantes dos sites da polícia, governo e Exército

O jovem de 23 anos que foi preso em Uberlândia investigado por invadir sites oficiais do governo fez cópia de dados importantes, segundo informou o delegado chefe da Polícia Civil em Uberlândia, Marcos Tadeu de Brito Brandão. 

Contudo, conforme investigação da Delegacia de Crimes Cibernéticos de Belo Horizonte, a princípio, ele não havia recebido nenhum dinheiro para compartilhar as informações. 

“Foi feita análise financeira dele e não tem dinheiro. Foi preso em uma casa simples e é de classe baixa. Mas já tinha passagem por roubo. Em depoimento, o rapaz disse que copiou os dados para ele mesmo e que gosta de fazer isso”, disse o delegado. 

O jovem, que foi preso dia 19 de novembro, é investigado por ter acessado sites da Polícia Civil de Minas Gerais, do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), do Tribunal de Justiça de Goiás e do Exército Brasileiro. 

Marcos Tadeu afirmou que ele já foi levado para o presídio em Belo Horizonte e o próximo passo é investigar se agiu sozinho e com qual objetivo. 

“Existem crackers que apenas invadem sistemas para provar que são capazes e tentam até conseguir entrar no sistema. Mas existem aqueles que fazem com objetivo de conseguir dinheiro. Ainda vamos investigar em qual desses perfis ele se encaixa”, falou. 

Investigação

Conforme informou o delegado chefe de Uberlândia, a invasão aos sistemas de órgãos de segurança do Estado foi detectada por meio de um software de rastreamento. “Foi descoberto por acaso por um programa de proteção antivírus. Não sabemos ao certo quanto tempo ele fazia isso. Mas assim que foi detectado, os investigadores em BH filtraram os dados e encontraram o computador de acesso, que era em Uberlândia”. 

Lei Carolina Dieckmann

Ainda conforme Marcos Tadeu, o jovem deve responder pela Lei Carolina Dieckmann, que entrou em vigor em 2013. Pelo crime de invasão de aparelhos eletrônicos para obtenção de dados particulares, a pena pode variar entre multa mais detenção de seis meses a dois anos. 

“Se for comprovado que ele agia com outras pessoas, ele também pode responder por formação de quadrilha”, concluiu. 

Governador

Nas redes sociais do governador de Minas Gerais, Romeu Zema, ela divulgou um vídeo falando sobre a prisão. Na legenda ele escreveu: 

“Mais uma vitória das nossas Forças de Segurança! A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) prendeu, na última semana, o homem que invadiu os sites da própria polícia, do Ministério Público de Minas Gerais, do Tribunal de Justiça de Goiás e até o site do Exército Brasileiro. O cracker foi preso na operação Defaced, realizada pela Delegacia Especializada em Investigação de Crimes Cibernéticos de BH em conjunto com o 9º Departamento de Polícia Civil, em Uberlândia. Quero deixar os meus parabéns aos policiais envolvidos nesta importante operação. Em Minas Gerais, as Forças de Seguranca mostram que o crime não tem vez. #governodeminas #minasgerais #mg #políciacivil #pcmg #segurança #segurançapública”

O chefe da Polícia Civil de Minas Gerais, Wagner Pinto, disse em um vídeo publicado em uma rede social do governador Romeu Zema que a polícia está investigando o caso. 

“Nós não trabalhamos simplesmente com a criminalidade violenta. Nós também trabalhamos com pessoas que estão voltadas aos crimes cibernéticos, que são de extrema relevância. Nós temos que verificar qual o objetivo desse cracker de buscar os dados oficiais de diversos sites”, afirmou.

Fonte: G1