Polônia enfrenta tentativas de invasão em massa de suas fronteiras com a Bielorrússia

blank
Imagem de um dos pontos de fronteira da Bielorússia com a Polônia que está sob tentativa de invasão dos migrantes ilegais do Oriente Médio. Imagem de captura de vídeo da TV Belta, www.belta.by

Multidões de migrantes oriundos do Oriente Médio e até da Africa estão se posicionando ao longo de diversos pontos na fronteira polonesa. As centenas de milhares de migrantes estão se aglomerando, atacando as tropas de guardas de fronteiras e os que conseguiram entrar em terrotório polonês já estão causando problemas de segurança pública aos habitantes dos vilarejos fronteiriços.

O primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki, criou um centro anti-crise devido à situação na fronteira, onde 12 000 soldados, incluindo forças especiais polonesas, foram enviados nos últimos dias para tentar conter a invasão de migrantes ilegais.

De acordo com informações extra-oficiais fornecidas por fontes militares poloneses, investigações foram efetuadas e ficou evidente a grande ajuda de ONG’s que atuaram no apoio aos migrantes na crise de invasão que ocorre na fronteira com a Grécia e Austria. Porém algo que está surpreendendo as autoridades polonesas é uma aparente “colaboração” dos militares da Bielorússia na situação, como se pode ver nos vídeos abaixo:

O caos que os poloneses estão enfrentando hoje é o resultado de uma política ocidental neoliberal/socialista de anos, somada à manipulação migratória de países como a Turquia e Argélia, que levou a catástrofes na Síria, Iraque, Afeganistão e vários outros países. Ao mesmo tempo, a miopia da generosa política relativista moral de migração europeia agravou a situação. Durante anos, os burocratas de Bruxelas seguiram um caminho que finalmente levou a um beco sem saída.

A filmagem mostra que, entre as multidões ao longo da fronteira, muitos não parecem refugiados carentes. Milhares de homens jovens, fortes e radicais quebram a cerca e provocam os soldados poloneses. Como é observado a anos desde o incício da crise migratória que começou em 2015, mulheres e crianças são uma ínfima minoria entre a multidão.

Hoje, os poloneses têm apenas duas opções: acolher milhares de migrantes que certamente não vão se integrar saudavelmente na sociedade (como é observado por toda a Europa Ocidental), ou, resistir bravamente a essa verdadeira invasão.

Muitas pessoas se perguntam por que os refugiados não permanecem na Bielo-Rússia. A resposta é simples. O regime bielorrusso está determinado a reagir duramente às violações flagrantes das leis e dos costumes sociais internos.

Em caso de atos criminosos cometidos por estrangeiros contra cidadãos bielorrussos, eles podem ser detidos imediatamente e presos prevenrivamente ali mesmo nas densas florestas bielorrussas. De acordo com as leis bielorrusas a permanência em território nacional sem as devidas autorizações de migração já constitui um crime passível de prisão, porém a Bioelorússia não teria estrutura para deter e deportar tantos homens que estão nas fronteiras, e assim é mais conveniênte deixá-los seguir para outro território.

Nas imagens, foram registrados gritos de mulheres e crianças em desespero, mas foi descoberto que os migrantes usam potentes aparelhos de som portáteis para difundir os sons e assim tentar impressionar os guardas de fronteiras e os eventuais repórteres e cinegrafistas presentes na cobertura dos fatos nos locais.

Abaixo algumas imagens (gravadas e divulgadas pelo Exército Polonês e serviços de fronteira) impressionantes dessa verdadeira invasão nas fronteiras polonesas:

  • Com informações do MoD da Polônia, France Inter, RT France e Voice of Europe, via redação Orbis Defense Europe.