Presidente Putin alerta sobre influxo de terroristas islâmicos afegãos disfarçados de refugiados

blank

O Presidente Russo, Vladimir Putin, exortou seu país no domingo a evitar um influxo de refugiados do Afeganistão após a tomada do Taleban, dizendo que os militantes do terrorismo islâmico poderiam entrar disfarçados de requerentes de status refugiados em direito de asilo.

“Nossos parceiros ocidentais estão levantando persistentemente a questão de colocar refugiados em países da Ásia Central antes de obter vistos para os Estados Unidos ou outros países”, disse ele em uma reunião de autoridades do partido governante Rússia Unida.

“Mas quem está entre esses refugiados? Como podemos saber?”

Ele estimou que “centenas, até centenas de milhares, ou talvez até milhões” de pessoas podem querer fugir do Afeganistão, muitos apenas por conveniência social ou por missão ordenada pelos Talebãs, Al Qaeda e outros grupos menores do terrorismo islâmico.

Várias ex-repúblicas soviéticas na Ásia Central compartilham uma fronteira tanto com o Afeganistão quanto com a Rússia, permitindo que “militantes disfarçados de refugiados” cheguem ao país, disse o presidente russo.

O Afeganistão será discutido na segunda-feira em uma cúpula online da Organização do Tratado de Segurança Coletiva (CSTO), uma aliança militar de várias ex-repúblicas soviéticas lideradas pela Rússia.

Putin já havia manifestado suas preocupações na sexta-feira, dizendo que “terroristas” poderiam entrar em países vizinhos vindos do Afeganistão, inclusive “sob o disfarce de refugiados”.

Na Europa, a apreensão geral é que a crise do Afeganistão servirá para justificar a aceitação de uma nova onda de imigração como a que chegou a partir de 2014/2015 com as guerras da Líbia, Síria e d Sahel na Africa

Infelizmente o que se viu na crise migratória que visa a Europa ocidental foram apenas problemas para todos os lados envolvidos, desde mortes de inocentes nas perigosas travessias organizadas por traficantes de pessoas, passando pelas complicações dos campos de refugiados e culminando com a não integração sócio-cultural dos imigrantes (legais ou clandestinos) que fomentou um aumento absurdo nos índices de criminalidade de todos os tipos, pobreza e terrrorismo, que hoje se transformaram em sérias ameaças de tensão social em quase todos os países da Europa.

Abaixo, um dos muitos exemplos de estatísticas de crimes cometidos por nacionalidades na Europa. Existem diversos tipos de estatísicas feitas por muitas instituições, mas em todas, os imigrantes do Oriente Médio, em especial Afeganistão, estão sempre entre os maiores autores de crimes violêntos em geral. E dependendo do ano e do foco da pesquisa, os afegãos (geralmente em 4° lugar) disputam com argelinos, sírios e africanos de confissão islâmica em geral os recordes de autorias de crimes violêntos e evolvimentos em atos de terrorismo contra civis em toda a Europa ocidental e oriental.

Apenas com um dos exemplos é a Finlândia, onde os afegãos estavam em 2° lugar em autorias de crimes até 2013, e, desde 2017 eles estão em 1° lugar, :

 

blank

blank
Fonte: https://en.wikipedia.org/wiki/Immigration_and_crime#/media/File:Number_of_2010-2013_perpetrators_per_1000,_per_ethnic_group_in_Norway_per_SSB.png

 

blank

Curiosamente, esse tipo de estatística que informa a relação “crimes X origens nacionais/religiosas” parou de ser divulgada pelas polícias de muitos países so obrigação de leis sob pretexto de respeito aos direitos humanos e para evitar represàlias e crimes de ódio da população européia nativa.

  • Com informações Agence France Press, The Moscow Times, Radio Free Europe, Voice of Europe, France Inter via redação Orbis Defense Europe/Genebra.
  • Fontes das estatísticas:

https://ec.europa.eu/eurostat/statistics-explained/index.php?title=Crime_statistics

https://en.wikipedia.org/wiki/Immigration_and_crime

https://en.wikipedia.org/wiki/Immigration_and_crime#/media/File:Number_of_2010-2013_perpetrators_per_1000,_per_ethnic_group_in_Norway_per_SSB.png