Projetos da Amazônia Azul Tecnologias de Defesa são tema de matéria da revista Época

A empresa está prestes a concluir, nos próximos meses, o projeto detalhado do Reator Multipropósito Brasileiro, em parceria com a Comissão Nacional de Energia Nuclear

blank
Em parceria com a Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen), a Amazul está concluindo o projeto detalhado do Reator Multipropósito Brasileiro. Foto: Divulgação

Projetos em desenvolvimento na Amazônia Azul Tecnologias de Defesa S.A. (Amazul), como os centros de irradiação de alimentos, o Reator Multipropósito Brasileiro e o dispositivo de assistência cardiovascular, foram tema da edição publicada no dia 31 de maio da revista Época.

Intitulada “Tecnologias não apenas militares”, a reportagem detalha projetos inovadores das Forças Armadas que beneficiam a sociedade, a exemplo do que aconteceu com a Arpanet, desenvolvida na década de 1960 nos Estados Unidos e que viria a ser a matriz da internet.

O Diretor-Presidente da Amazul, Antonio Carlos Soares Guerreiro, destaca o projeto que a empresa começa a desenvolver com a Marinha, o Ministério da Agricultura, outros órgãos públicos e a iniciativa privada para implantação de centros de irradiação para conservar e aumentar a vida útil dos alimentos e seu tempo de prateleira, eliminar desperdícios, aumentar as exportações e a competitividade do agronegócio brasileiro.

blank
O Diretor-Presidente da Amazul falou sobre projetos inovadores

Na reportagem, Guerreiro informa que a empresa concluirá nos próximos meses o projeto detalhado do Reator Multipropósito Brasileiro, em parceria com a Comissão Nacional de Energia Nuclear, que permitirá a autossuficiência nacional na produção de radioisótopos, matéria-prima para fabricação de radiofármacos usados no diagnóstico e tratamento de doenças como o câncer.

Outro projeto, em parceria com a Fundação Zerbini e o Instituto do Coração, é o desenvolvimento de um micromotor para dispositivos de assistência cardiovascular a partir da tecnologia das ultracentrífugas usadas pela Marinha para enriquecimento do urânio. Esse dispositivo permitirá aumentar o tempo de vida de pacientes enquanto aguardam por um transplante de coração.

O Diretor-Presidente ressalta, ainda, que os programas e projetos de que a Amazul participa têm como escopo melhorar a saúde e a qualidade de vida das pessoas, bem como proteger as riquezas do território marítimo brasileiro, como é o objetivo do Programa Nuclear da Marinha e Programa de Desenvolvimento de Submarinos, principalmente por meio do futuro submarino com propulsão nuclear.

  • Com informações do CCSM