Protestos anti-reconfinamento na Europa; “Clima de revolta civil” iminente

blank
Protestos anti-confinamento na Europa durante a semana estão se tornando mais intensos e violêntos. Imagens via grandes mídias e redes sociais.

Desde o fim de semana passado (23/01), centenas de milhares de manifestantes anti-confinamento (entre outros) intensificaram protestos em vários países europeus, principalmente na Espanha, mas também na França, Dinamarca, Inglaterra, Holanda, Alemanha, República Tcheca e Itália, onde confrontos violêntos entre manifestantes e forças de ordem aconteceram com grande intensidade, e, depredações seguidas de saques foram efetuadas por diversos grupos de vândalos, antifas e imigrantes ilegais que se aproveitaram das confusões generalizadas.

O clima por toda a Europa é de desconfiança total em todos os aspectos, existindo desde; os inconformados com medidas considerandas incompetentes e inúteis, denunciadores de corrupções generalizadas na gestão da crise, e, até uma grande maioria de negacionistas que afirmam que a epidemia é falsa e foi criada para beneficiar sistemas políticos/comerciais ligados à potências estrangeiras.

Para piorar a situação de desconfiança total da sociedade civil, ainda existem as informações recentemente divulgadas pelos próprios governos europeus das possibilidades de; vacinação obrigatória, obrigatoriedade de um “passaporte sanitário” para as atividades profissionais e sociais, sanções pesadas para quem não optar pela vacinação (mesmo sem existir ainda a obrigatoriedade), entre outras…

Uma informação que causou revolta por toda a Alemanha e Europa foi a divulgação na imprensa da Alemanha da preparação de centros de detenção para quarentenas forçadas de pessoas que se recusem a obedecer as regras de confinamento e/ou recusem a vacinação. Apesar da informação carecer de maiores detalhes e fontes oficiais, o receio de tal ação éjustificado, devido aos inúmeros projetos de leis em andamento em todos os governos europeus para endurecer as regras dos confinamentos e punições aos desobediêntes.

Difícil saber quem tem razão em todas essas situações, já que a maioria das grandes mídias são declaradamente pró-governos e apenas a internet em algumas plataformas independentes ainda permitem um debate mais aberto da situação.

Independente de ideologias políticas e das teorias que defendem, a grande parte da sociedade civil européia é unânime em afirmar que novos confinamentos apenas vão agravar ainda mais a crise econômica e social que abrange grande parte da Europa Ocidental, e que já está causando mais danos que a epidemia do Covid em si.

Autoridades da Holanda temem uma revolta civil

Protestos violêntos foram observados por todo o país, em particular em Amsterdã, Eindhoven, Haia, Breda, Arnhem, Tilburg, Enschede, Appeldoorn, Venlo e Ruremond desde o anúncio do toque de recolher, implementado no país desde sábado (23/01), o primeiro toque de recolher nacional desde a Segunda Guerra Mundial, que está impondo o confinamento da população entre 21h e 4h30, até pelo menos 9 de fevereiro.

Qualquer infrator incorre em multa de € 95. Algumas isenções são possíveis, nomeadamente para quem regressa de um funeral ou para quem tem de trabalhar durante o toque de recolher, desde que apresente um certificado de viagem. O primeiro-ministro Mark Rutte disse na quarta-feira que a decisão de instituir um toque de recolher foi reforçada pela disseminação da variante britânica do coronavírus.

A contenção deu voz imediatamente neste país onde a população nunca teve que justificar seus movimentos desde o início da crise de saúde.

“Acho que se seguirmos esse caminho estaremos caminhando para uma revolta civil” , disse o prefeito de Eindhoven na Holanda , John Jorritsma, no domingo em frente às câmeras de televisão, chamando os manifestantes de “mentirosos da sociedade” e sugerindo a necessidade de intervenção militar.

Pelo menos 100 pessoas foram presas durante os protestos, disse a prefeitura de Amsterdã em comunicado no domingo. De acordo com a televisão local AT5, a segurança foi reforçada em torno da residência oficial do prefeito de Amsterdã, Femke Halsema, a área foi isolada por um cordão policial.

Em Haia, no distrito de Schilderswijk, foram registrados vários incêndios criminosos e um policial foi filmado fugindo de um grupo de arruaceiros, segundo a televisão pública NOS. Em Eindhoven, no sul do país, a polícia usou gás lacrimogêneo para dispersar uma multidão de várias centenas de pessoas, segundo a televisão regional Omroep Brabant.

Um centro de testes Covid-19 também foi incendiado na noite de sábado na vila de Urk, no norte do país, quando o toque de recolher nacional imposto pelo governo entrou em vigor, informaram as autoridades locais. “O incêndio em um centro de triagem em Urk vai além de todos os limites”, disse o ministro da Saúde, Hugo de Jonge, no domingo.

Governo da França teme uma revolta pior que da Holanda

O governo francês quer reconfinar o país por pelo menos uma semana e está adiando a decisão desde a semana passada. A informação, revelada pelo jornal JDD (entre outros) há três dias, provém de uma fonte confiável, muito próxima da acessoria do governo. De acrodo com o governo, considera-se que a situação está se deteriorando. A incidência de contaminação está passando por um aumento espetacular (2.000 novos pacientes hospitalares nas últimas 24 horas e mais de 300 mortes). Todos os especialistas concordam em um ponto: sem confinamento, a situação corre o risco de piorar, especialmente porque a variante inglesa teoricamente circula livremente no país.

O Presidente da República deveria se dirigir à nação na noite de quarta, dia 27/01, para anunciar um terceiro reconfinamento. Mas, no último minuto, a célula de comunicação do Palácio do Eliseu disse que esta alocução estava adiada e que, neste momento, não foi tomada qualquer decisão sobre um terceiro confinamento.

Tudo o que sabemos até agora é que a decisão de reconfinar o país está sobre a mesa, mas foi adiada. Porque, de acordo com as últimas informações obtidas por Lecourrier-du-soir.com , Emmanuel Macron e sua equipe estão acompanhando de perto os tumultos em curso na Holanda, onde cidadãos irados se opõem brutalmente ao toque de recolher decretado por seu governo, o primeiro desde a Segunda Guerra Mundial, e aos protestos massivos que estão programados para o sábado dia 30/01 por toda a França.

Prisões também na Dinamarca

A raiva também está crescendo na Dinamarca, onde a polícia anunciou a prisão de diversas pessoas suspeitas de terem ateado fogo em um manequim com a imagem do primeiro-ministro dinamarquês durante um protesto anti-restrições, marcado por novos incidentes na noite de sábado em Copenhague.

“É completamente inaceitável expressar ameaças tão sérias em uma democracia e, portanto, estou satisfeito que a investigação já tenha levado a prisões“, disse a diretora da Polícia de Copenhague, Anne Tønnes, em um comunicado. Milhares de pessoas se reuniram no início da noite de sábado (23/01) e durante o decorrer da semana, desfilando com tochas pela capital dinamarquesa gritando “Liberdade para a Dinamarca, já chega!” ‘ Contra as medidas anti-coronavírus tomadas pelo executivo.

Chamado de “Homens na Dinamarca Negra” , este grupo ativo no Facebook vem organizando manifestações há mais de um mês contra a “coerção” e a “ditadura” da semi-contenção anti-Covid em vigor na Dinamarca. Lojas, bares, restaurantes e escolas não essenciais estão especialmente fechados agora na Dinamarca e o governo estendeu as restrições até pelo menos 7 de fevereiro.

Protestos contra um vírus que “não existe”

Milhares de pessoas também se manifestaram no sábado em Madrid, denunciando a “fraude” de um vírus que, segundo alguns manifestantes, “não existe” . Muitos manifestantes não estavam usando máscaras, apesar da obrigação legal de usá-las o tempo todo nas vias públicas e em meio à considerada terceira onda da epidemia.

“As pessoas têm que tirar as vendas, ter menos medo e perceber que é apenas uma gripe forte, que é preciso esperar que passe e pronto” , disse  Milagros Solana, aposentado de 71 anos à AFP, que é um dos organizadores dos protestos.

Nas últimas semanas, os protestos de anti-confinamento aumentaram intensamente. No último fim de semana, alguns milhares de pessoas também se manifestaram em Praga contra as medidas de restrição postas em prática para conter a propagação do vírus.

No final de outubro de 2020, os italianos manifestaram sua insatisfação. Milhares de pessoas se manifestaram, de maneira mais ou menos violenta, de norte a sul do país contra o toque de recolher. As autoridades italianas temiam uma revolta social após o último decreto, particularmente restritivo, posto em prática para a considerada terceira onda da epidemia de Covid.

Na França a situação é idêntica, com diversos movimentos de protestos anti-confinamento de todas as vertentes, e, que agora recebem o apoio do movimento dos Coletes Amarelos (Gilet Jaunes) que protestam todos os sábados desde 2018 contra o governo do presidente Macron por diversos motivos sociais que vão desde acusações de corrupção generalizada, passando por imposição de leis extremamente repressivas, inépcia frente ao crime e terrorismo islâmico, e agora, a inépcia e má gestão frente a crise da pandemia do Covid.

A queixa comum por toda a Europa

O questionamento geral é; Quanto tempo vai durar essa tortura mental? Há quase um ano, a França e todas as nações do mundo vivem ao ritmo da contenção, do desconfinamento, da contenção e do toque de recolher. As liberdades fundamentais foram arrancadas dos povos que, despojados de todo o poder, se tornaram, apesar de si mesmos, propriedade de seus Estados, obedecendo com o dedo e os olhos às ordens que lhes foram dadas sob pena de prisão

A situação como está é considerada simplesmente insuportável, especialmente porque o sterss psicológico infligido às pessoas é sentido em todos os níveis. Policiais, comerciantes, gerentes de restaurantes e bares se suicidam e o fato passa sem a menor cobertura das grande mídias. Nas escolas, os professores perderam toda a motivação e não querem mais ser confundidos com cobaias.

Nas universidades, os alunos também ja desenvolvem impulsos suicidas e sofrem no silêncio e na indiferença absoluta do resto da sociedade. Os pais que mandam seus filhos para a escola não conseguem mais dormir à noite quando pegam uma simples tosse.

Uma hashtag que surge graças a um Médico clínico geral

A palavra de ordem que a sociedade civil grita na internet é “#JeNeMeConfineraiPas”(Eu não me confinarei), que na França já é uma das hashtags mais usadas nas redes sociais e que resume a vontade de uma desobediência civil pacífica em grande escala.

O primeiro tweet com essa hashtag é assinado por Xavier Legay, que é o autor do livro La Résignation , que se descreve como “uma crônica da renúncia pelo medo” , publicado em julho passado. Ele também é editor-chefe do site Baslesmasques, “uma pequena mídia alternativa nascida em novembro, considerado como covido-ceticismo e denunciando a privação de liberdade ligada à pandemia” , descreve o Liberation . O segundo, Didier Maïsto, é o ex-presidente da Rádio Sud e uma das “vozes dos ‘coletes amarelos’” , detalha o jornal L’Obs.

Mas foi somente a partir de 22 de janeiro que a hashtag se tornou viral, aparecendo quase 14.000 vezes naquele dia, antes de atingir seu pico (com 116.000 tweets) no dia seguinte, e atualmente já existem aproximadamente 134.000 resultados referentes da hashtag do movimento no Google, apesar dos esforços em constestar e bloquear os conteúdos considerados “conspiracionistas”.

Hoje a hashtag já é usada em diversos idiomas europeus e se tornou uma espécie de grito de guerra dos que recusam mais um confinamento.

 

  • Com informações Ouest-France, Europe1, France Info, TV Libertés, Lecourrier-du-soir.com, TF3 France, Valeurs Actueles, Le Monde e LCI via redação Orbis Defense Europe.

Links de referência:

Tension à l’Elysée : Macron veut reconfiner mais a peur d’une révolte populaire plus violente qu’aux Pays-Bas

https://www.europe1.fr/societe/un-generaliste-lance-un-hashtag-contre-le-confinement-pour-creer-un-electrochoc-4020917https://www.ladepeche.fr/2021/01/27/cest-un-message-dalerte-jenemeconfineraipas-le-hashtag-anti-confinement-lance-par-un-medecin-9337143.phphttps://lecourrier-du-soir.com/confinement-deconfinement-couvre-feu-les-nerfs-sont-tendus-et-la-moindre-etincelle-suffit-a-bruler-un-pays/

https://www.ouest-france.fr/sante/virus/coronavirus/pays-bas-danemark-espagne-en-europe-les-anti-confinements-commencent-a-donner-de-la-voix-7129339?utm_source=neolane_of_newsletter-tulalu&utm_medium=email&utm_campaign=of_newsletter-tulalu&utm_content=20210125&vid=2403913&_ope=eyJndWlkIjoiMjQwMzkxMyJ9&fbclid=IwAR3wdtvCwsKZ4wKu6yVuchU6wQvh7B_Sfn8UNMmC3JJEfBssKlIgdenx8II

https://www.valeursactuelles.com/clubvaleurs/societe/insurrection-anti-confinement-le-scenario-qui-menace-la-france-et-inquiete-lelysee-127907

https://www.valeursactuelles.com/clubvaleurs/lincorrect/pandemie-letat-se-prend-il-pour-dieu-126242

https://www.novethic.fr/actualite/politique/isr-rse/pays-bas-tunisie-liban-les-manifestations-anti-confinement-explosent-149455.html

https://www.francetvinfo.fr/sante/maladie/coronavirus/confinement/jenemeconfineraipas-comment-ce-hashtag-qui-entend-s-opposer-a-un-troisieme-confinement-a-emerge-ces-dernieres-semaines_4275145.html

https://www.bfmtv.com/replay-emissions/22h-max/le-choix-de-max-reconfinement-la-peur-de-la-desobeissance-27-01_VN-202101270540.html

https://tvi24.iol.pt/internacional/alemanha/covid-19-manifestacao-anti-restricoes-junta-milhares-em-berlim

Comments are closed.